quinta-feira, 14 de março de 2019

"O meu trabalhito"

Faz hoje dois anos que saí da entrevista de emprego num dia em que me sentia péssima, para ir direta com o patrão visitar clientes e começar aquele que viria a ser o melhor trabalho que tive até hoje. Depois de ter que trabalhar sábados, domingos, feriados, dias festivos, entrar às 7h da manhã ou sair às 3h da manhã, estar de pé o dia todo, correr de um lado para o outro e ainda ser mal paga, um emprego das 9h às 18h que posso fazer a partir de casa foi caído do céu. Abençoado o dia em que aquela entrevista apareceu na minha vida. É sempre tudo maravilhoso? Não. No ano passado quando a empresa atravessou uma fase muito má, estive sempre com vontade de me vir embora. Todos os dias pensava em desistir. Não é o emprego de sonho e dá-me muitas dores de cabeça, mas é a melhor coisa que já fiz desde que comecei a trabalhar e sem dúvida alguma que é a melhor empresa e a melhor entidade patronal que já tive. Não é tudo perfeito nem tem que ser. Tem as suas coisas más, mas também me tem permitido fazer muitas coisas boas. Comecei a ganhar pouco mas já fui aumentada duas vezes. Não quer dizer que ganhe um salário de sonho, longe disso, mas está bem melhor do que no início e tenho margem para crescer mais. Trabalho a partir de casa, de pijama, no sofá, posso pegar no computador e no telemóvel e ir trabalhar para o outro lado do mundo. Não tenho despesas de deslocação, faço o meu almoço na hora de almoço sem pressas, não preciso de andar com marmitas atrás. Tem mesmo muitas coisas boas.

Tirando a parte dos clientes, que já se sabe que tem os seus quês, a pior coisa é lidar com os comentários das pessoas próximas. Os meus amigos acham maravilhoso que eu trabalhe em casa, claro, mas a maioria das restantes pessoas tem sempre um comentário condescendente para fazer. Caguei uma bicha para essas pessoas, desculpem lá o meu francês, mas lá que isto irrita, às vezes irrita mesmo. Eu até relevo que as nossas avós, que nunca sequer trabalharam fora de casa na vida, achem estranho ou não entendam. A minha avó acha que eu posso simplesmente estar a tratar da casa, a passar a roupa a ferro e demais tarefas, já que estou em casa. A avó do L. volta e meia pergunta se eu ainda tenho o meu trabalhito. Isto enerva-me mas eu percebo que elas possam não entender como é que um trabalho pelo computador é um trabalho a sério. Agora pessoas de outras faixas etárias e com empregos no mundo real, não entendo como podem achar que estar ao computador e ao telefone o dia todo é uma cena bué fixe e fácil e nem sequer é a sério porque não está ali ninguém a controlar. Acho que as pessoas simplesmente não querem entender que há trabalhos melhores que outros, mas isso não significa que não tenham as suas coisas más ou que são todos fáceis e nem deviam ser considerados trabalho. Põe dinheiro na conta, é legal, é ético, é honesto, qual é o problema? Às vezes acho que as pessoas simplesmente têm que dizer alguma coisa negativa só porque elas não tiveram essa "sorte". 

Enfim, tudo isto para dizer que cá estamos nós dois anos depois e o balanço tem sido positivo. Espero que assim continue, que continue também a fazer sentido para mim e para a empresa esta parceria e que continuemos este bom trabalho por muitos anos. Até algum de nós se fartar do outro. Para já, só posso agradecer as oportunidades, que também fui criando. Sem dúvida que sou uma melhor pessoa e uma melhor profissional depois desta experiência. 

9 comentários:

  1. parece-me um emprego prefeito o teu :)

    ResponderExcluir
  2. As más línguas estão presentes em todo o lado. Acho horrível a forma como algumas pessoas tentam diminuir o trabalho dos outros. Desde que seja honesto e que te pague as contas, é um trabalho tão nobre como qualquer outro "fora de casa". Boa sorte, querida! :)

    ResponderExcluir
  3. É verdade que há muita incompreensão, mas hás-de convir que a verdade é que és uma privilegiada por, como dizes, poderes trabalhar em qualquer lado do mundo, poderes estar no conforto da tua casa, no teu sofá, de pijama, não teres que andar à chuva ou a derreter ao calor para chegar ao emprego, nem carregar marmitas, nem gastar dinheiro em deslocações. Trabalhar em casa traz uma série de vantagens que quem trabalha fora não tem, de acordo? ;) Óbvio que continua a ser um emprego... e é isso que nem todos entendem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que sim! É um emprego maravilhoso tendo em conta essas condições. Mas é um emprego. Não é por estar em casa que não tenho o que fazer.

      Excluir
    2. Trabalho nos mesmos moldes que a M e revejo-me no que escreveu. As vezes que ouço, ahhh mas estás em casa, podes fazer A, B ou C. É difícil passar a mensagem de que estou em casa a Trabalhar. E tirando os privilégios de trabalhar em pijama (tão bom no inverno) não ter que me deslocar, almoçar em casa, etc. No meu caso há também desvantagens, sendo a principal o estar sempre no local de trabalho. Não dá para desligar totalmente e isso torna-se cansativo. Costumo pedir aos amigos que comentam o meu trabalho paa se imaginarem a viver no escritório, sem sair nem para dormir. Não é assim tão bom pois não?
      Filipa

      Excluir
  4. 'Depois de ter que trabalhar sábados, domingos, feriados, dias festivos, entrar às 7h da manhã ou sair às 3h da manhã, estar de pé o dia todo, correr de um lado para o outro e ainda ser mal paga'... A minha vida.

    ResponderExcluir
  5. Que giro. Fez ontem 1 ano que entrei para a empresa onde trabalho atualmente... Em relação a ti, as pessoas vão ter sempre algo a dizer, porque as pessoas são mesmo assim e simplesmente não conseguem compreender que não tem que ser tudo igual. Continuação de boa sorte :) Beijinhos*

    ResponderExcluir
  6. As pessoas gostam muito de opinar. Eu estou como responsável de loja e já se diz por aí que "DE CERTEZA" que ganho 1000 euros. Fazer o quê? Gostava muito mas não... isto para dizer que as pessoas arranjam sempre alguma coisa para falar. Sempre.

    ResponderExcluir