quarta-feira, 16 de maio de 2018

Sou como um disco riscado

Acho que a maioria dos trabalhos acabam por ser repetitivos, de uma forma ou de outra. No meu caso, como falo todo o dia com pessoas diferentes, claro que as conversas acabam por diferir de alguma forma, mas as tarefas são sempre as mesmas. Ligar, enviar emails, ouvir as mesmas respostas... Há dias em que juro que me sinto um disco riscado. Primeiro porque começo todos os contactos da mesma maneira. Já quase gastei o meu nome e o nome da empresa. Depois porque passo a vida a repetir o nome da empresa. Por fim, as conversas acabam por se assemelhar no seu objetivo final e muitas vezes até nas respostas finais. Mesmo que fale com pessoas diferentes e haja sempre a questão de falar com alguém simpático/antipático, que esteja bem ou mal disposto, com quem já falei outras vezes ou não, acaba por ser quase sempre a mesma coisa.

Hoje, que fiz uns quantos primeiros contactos de seguida, senti-me mesmo um disco estragado, sempre a repetir-me. As mesmas perguntas, as mesmas explicações, a mesma forma de começar e acabar o telefonema. Já estava cansada de me ouvir a mim mesma. E a vozinha de "costumer service" que faço inconscientemente? Até cansa. Percebo porque é que houve uns dias em que a minha mãe esteve em casa doente e não queria estar ao pé de mim. Sempre a mesma coisa o dia todo, dá cabo da paciência de quem está de fora. A mim já me é quase indiferente. Não desgosto do que faço, mas tem dias em que já eu nem me aguento a dizer sempre a mesma coisa. É por isso que é tão importante às vezes desligar das tarefas, "ir à bica" (como diz uma colega de trabalho), fazer um telefonema para um colega só para desanuviar, fazer pausas para lanchar ou ir beber água, falar com outras pessoas sobre outras coisas, senão ficamos doidos de estar sempre a fazer e dizer a mesma coisa.

2 comentários:

  1. Por acaso, hoje de manhã o trabalho obrigou-me a ligar para imensas pessoas.
    Tive precisamente de repetir o meu nome, nome da empresa, o propósito da ligação, dizer os documentos que eram necessários trazer, datas, horários,...
    Enfim, cansei-me de repetir sempre a mesma coisa e só pensei que não conseguia fazer isto todos os dias!
    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Eu sou apologista que as pessoas rendem mais se fizerem algumas pausas no trabalho, por uma questão de desgaste físico, mas sobretudo psicológico. Infelizmente, a minha diretora não acha o mesmo. Quando trabalhava (agora estou de licença de maternidade) entrava ás 9h e saía às 19h30 non stop. NUnca tive horário de almoço definido, comia em 10 minutos lá no trabalho e voltava às minhas tarefas logo em seguida. Muitas vezes, lanchava a correr a meio da manhã e da tarde. E é por estas (e muitas outras) razões que pondero seriamente mudar de vida e de trabalho, a bem da minha sanidade mental e da minha família. A ver vamos.

    ResponderExcluir