segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Ainda temos um longo caminho pela frente...

Quando fiz a entrevista para este trabalho, uma das perguntas iniciais foi sobre a minha disponibilidade para viajar e participar de outros eventos fora do horário normal de trabalho. Basicamente, durante o ano de trabalho, há algumas ocasiões em que tenho que estar fora de casa uns dias ou uns dias em que não janto em casa e chego mais tarde. Mas, enfim, tudo isto para dizer que, de facto, há alturas em que tenho mesmo que sair de casa e ir ter com os colegas, estar ao serviço da empresa, e isso causa confusão às pessoas.

Nunca ninguém me perguntou o que eu acho sobre estes eventos, se gosto, se é cansativo para mim, se é chato, se me importo de estar longe de casa. Isso não interessa a ninguém. O que as pessoas me perguntam é sempre "E o L., não se importa que tu vás?" ou, pior ainda, "E o L. deixa-te ir?". Eu nem sei explicar a comichão que isto me causa. Em primeiro lugar, o meu namorado não é meu dono. Não tem que permitir ou deixar de permitir coisa nenhuma. Da última vez que conferi, eu era uma pessoa livre e independente, com vontades próprias e não tinha que pedir autorização a ninguém para fazer o que quer que seja. Em segundo lugar, estamos a falar do meu trabalho. Não estamos a falar de eu deixar o moço em casa sozinho e abandonado para ir para a vida louca. E mesmo que fosse, não me parece que isso seja um problema. No dia em que o meu namorado ficasse chateado por eu ter que desempenhar as minhas funções profissionais, poderia perfeitamente enriquecer e começar a bancar a minha vida, que eu ficaria então em casa à disposição dele. Não é o caso, portanto diz que tenho que trabalhar e trabalhar inclui estas saídas e eventos de vez em quando. 

Não sei o que se passa na cabeça das pessoas para acharem, nos dias de hoje, que é normal fazerem perguntas destas. É legítimo pensar que um namorado/marido tenha que gostar ou concordar com a vida profissional da mulher?? Aparentemente, para algumas pessoas, ainda é normal achar que um homem pode ficar melindrado com a vida profissional da mulher. Como se fossem uns coitados que ficam entregues ao diabo por jantarem sozinhos uma vez de quinze em quinze dias ou por estarem sozinhos uma semana, porque a obrigação das mulheres é estar em casa para eles, ao seu serviço. As pessoas realmente pensam isto?? Eu acredito que sim, mesmo que seja inconsciente para a maioria das pessoas. São aqueles pensamentos enraizados. Ter um trabalho que implique trabalhar das 9 às 6, tudo bem, que ainda chega a casa a horas de fazer o jantar e dar um jeito à casa, agora ainda ter que fazer hora extras, ir a jantares, passar semanas fora em trabalho, isso já é demais. E os filhos, quando os há? Ficam os pais a tomar conta deles, querem ver? 
Porque é que ainda há pessoas que pensam assim? Faz-me tanta confusão. E o pior é que estas perguntas surgem sempre de mulheres! 

12 comentários:

  1. Nem consigo comentar de forma simpática este texto. Esse assunto causa-me tremores nos olhos de tão estúpido que é!

    O problema é que acontece mesmo muito em pleno século XXI. Ainda no outro dia uma colega me perguntou se o meu namorado me deixava sair assim de casa — eu estava, tchanan, com um vestido curto...

    ResponderExcluir
  2. Um longo caminho e partilhas como estas são mesmo muito importantes :)

    ResponderExcluir
  3. Ai meu Deus. Estas perguntas são do mais retrógrado possivel! Como se o homem tivesse de dar autorização para a mulher fazer alguma coisa! Mas também acho que isto são questões de terra pequena. Na minha terrinha também surgem umas parvoíces destas de vez em quando, mas julgo que nas grandes cidades o pessoal ja está mais habituado ao facto de as mulheres terem tanto trabalho como os homens, trabalharem até tarde, e por aí adiante.

    ResponderExcluir
  4. Ainda há muitas mentalidades retrógradas!! Mas o pior é que há ainda muitas pessoas assim: namorados/as que não deixam o parceiro ser livre.
    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    ResponderExcluir
  5. Esse tipo de conversa deixa-me doente. Aliás, qualquer tipo de pensamento que defenda a desigualdade entre os membros de um casal deixa-me doente. Não consigo conversar com pessoas dessas, não dá para mim. Quando chegarem ao século XXI voltamos a conversar.

    ResponderExcluir
  6. Fico chocada com o pensamento retrógrado de certas pessoas ...

    ResponderExcluir
  7. Assusta-me que, em pleno século XXI, essas perguntas ainda sejam colocadas...

    ResponderExcluir
  8. É triste de facto .. e de mulheres ainda mais triste 😩

    ResponderExcluir
  9. Talvez seja a realidade delas...
    e tu, gostas das tais saídas?

    ResponderExcluir
  10. Opa, desculpa lá, mas tenho de concordar... Como assim não tens uma trela? Imagina que ele lhe apetece uma cerveja e não há ninguém para a ir buscar ao frigorífico. Lol... Epá. Mentalidades nojentas, que não têm outro nome.

    ResponderExcluir
  11. Tu conheces pessoas mesmo muito estranhas. Nunca ninguém me perguntou tal coisa.

    ResponderExcluir
  12. Também me faz muita impressão e ofende-me que me perguntem esse tipo de coisas. Mas que raio? O marido/namorado é dono ou quê? Ele é que decide os passos que a mulher deve dar? Mas o que é isso? E, sim, muitos desses comentários vêm de mulheres. O que me irrita mais ainda. Se os homens ainda são assim, é porque elas o permitem. Porque há muita mentalidade ainda das próprias mulheres nesse sentido.

    ResponderExcluir