segunda-feira, 28 de março de 2016

Não me pagam para isto #21

Eu sei que para alguns clientes é difícil entender que os funcionários dos estabelecimentos são pessoas como eles e também têm direito a pausas para almoço/lanche/jantar, para ir à casa de banho e, imagine-se, têm direito a folgas. Eu sei que muitos clientes gostariam que ainda estivéssemos no tempo dos escravos - tornava mais fácil explorar (ainda mais) os funcionários que prestam serviços. Mas não estamos e felizmente as pessoas ainda vão tendo direito a uns míseros 5 ou 10 minutinhos para satisfazer as suas necessidades biológicas básicas. Pois, mas nem todos os clientes percebem estes conceitos.

Num destes dias, um dos funcionários de um estabelecimento vizinho do meu veio cá lanchar. Ficaram outras pessoas na loja para atender os clientes, por isso o rapaz estava à vontade para comer descansado e depois retomar o trabalho. Não é que ainda assim uma cliente do estabelecimento onde ele trabalha vem disparada de lá para a pastelaria onde estávamos, bate ao vidro e faz um gesto com o braço de "anda cá!!" com uma cara muito autoritária e zangada? Mas não lhe chegavam os outros funcionários para a atender? Tinha que ser o desgraçado que estava a comer? O que mais me chateou foi a postura dela, como se tivesse todo o direito de exigir que ele fosse trabalhar. Parecia uma mãezinha zangada com a criança, a mandá-lo para dentro imediatamente. Fiquei possessa! Não havia necessidade nenhuma de fazer uma cena daquelas à frente das pessoas. E o rapaz lá foi (parvo) com o rabinho entre as pernas.  Há clientes mesmo estúpidos.

4 comentários:

  1. É preciso uma paciência enorme para aturar clientes assim !

    ResponderExcluir
  2. É só mais uma situação em que nos esquecemos de nos por no lugar do outro...

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ResponderExcluir