terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Estou a chegar agora do cabeleireiro. Venho sempre cheia de histórias para contar, quando venho de lá. Aparece-me sempre cada personagem...

Depois de eu já estar com a tinta no cabelo, chegou um casal com um bebé de 2 meses. Eram clientes novos, vinham com uma rapariga que é cliente habitual lá. Essa rapariga é que foi falar com a cabeleireira para dizer o que a cunhada queria, só que nem a cunhada sabia ao certo o que queria fazer. Ela queria pintar um pouco mais claro, uma coisa muito subtil, mas o marido queria que ela fizesse californianas ou que passasse de um castanho super escuro que ela tinha para loiro, coisa que ela não queria de todo. A cabeleireira disse para ela ir pensando enquanto ia atendendo as outras pessoas que estavam à frente dela. Passada meia hora, ela ainda não sabia o que queria. E virava-se para o marido e era "O que é que tu queres, A.? O que é que queres que eu faça?" e ele insistia nas californianas. Lá acabou, meia hora depois, por decidir o que queria... que era o que o marido queria mas ela não, as tais californianas. Mas isto só depois da cabeleireira se passar e dizer que não podia estar parada à espera que ela decidisse como pintar, que tinha outras pessoas para atender. 

Depois da miúda ter também a tinta no cabelo, o marido ia para perto dela e estava constantemente a tocar-lhe, contra as indicações da cabeleireira porque ele ia encher-se de tinta e estragar não só a roupa dele como a própria pintura no cabelo. Depois de advertidos, passaram a brincar com os pés um do outro, ali aos pontapés carinhosos. Pareciam dois miúdos e, na verdade, deviam mesmo ser. Tinham ar de quem tem uns 20 anos, mas eram casados e tinham a bebé. Notava-se uma falta de maturidade tremenda na forma como falavam, nas coisas que diziam. Até com a bebé foi preciso a cabeleireira dizer para lhe tirarem alguma roupa, visto que ela vinha tapada até às orelhas e tinha o cabelo todo molhado de tão suada que estava. 

Eu não quero estar aqui a fazer julgamentos, até porque não os conheço de lado nenhum, mas é uma coisa que me faz muita impressão, casais assim. Eu não sou contra quem casa cedo ou tem filhos cedo, acho que cada um deve decidir os seus timings. Nem acho que é a idade que define o que quer que seja, mas sim a maturidade. Mas aqueles dois eram duas crianças, com uma criança. Pelas coisas que iam dizendo da vida deles, pela forma de estar um com o outro e com a bebé... Estava-me a meter uma confusão ela ter que perguntar tudo ao marido antes de fazer uma escolha... Notava-se que era mesmo por não saber o que fazer, aquela coisa de precisar que sejam os outros a decidir por ela. Uma pessoa assim, que nem decide as suas coisas sozinha, como é que vai decidir o que quer que seja com um filho? A ideia que passou é que eram um casalinho a brincar às casinhas, dois putos que precisavam ainda dos paizinhos atrás deles e já tinham uma criança para tratar. Imagino dentro de casa...

7 comentários:

  1. Concordo com tudo isto tudo. a verdade é que há muita gente que não tem maturidade para ser adulto. e muitas vezes a culpa é dos próprios pais que os protegem imenso durante a adolescência -- fazem tudo por eles basicamente. não os ensinam a ser adultos. depois eles chegam à idade adulta e querem ser adultos. fazem bebés, casam-se. e não o sabem ser. se calhar ainda vivem na casa dos pais de um deles e tudo. :/

    r: (sobre o no poo -- pois eu não ao inicio também sentia o cabelo super nojento, mas depois ficou completamente perfeito. E não tem nada a ver com o shampoo de cebola. isso é nojento lol e é como disse no post, não consigo não lavar o cabelo completamente. tenho de o fazer so porque sinto-me porca se não o fizer lol. mas claro, o meu dia-a-dia permite esta situação. trabalhas onde-- em que ramo/sector lol? (curiosidade :P)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Trabalho numa pastelaria. A mistura de cheiro a pão e café consegue ser incrivelmente nojenta! :)

      Excluir
  2. Também me faz imensa confusão casais assim :s

    ResponderExcluir
  3. Eu costumo dizer que descuidos todos podemos ter e se um dia me acontecer não vou tirar o bebé só porque possa ter tido menos cuidado. Mas temos que pensar nas coisas e planeá-las, os dias de hoje não deviam permitir que sejam cometidos disparates. Todos devíamos parar e pensar antes de tomar a grande decisão de ter um filho.
    Infelizmente sei que não é assim e que são as pessoas mais imaturas que acabam por ter mais filhos e mais cedo. Enfim...

    ResponderExcluir
  4. Adoro os teus textos e a tua forma de escrita,
    beijinho!

    http://fifoquices.blogspot.pt

    ResponderExcluir