segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

E por vezes são elas próprias as culpadas. No início da relação ou nos primeiros tempos em que vão viver juntos, elas fazem tudo. Querem mostrar que são óptimas donas de casa, perfeitas, melhores do que as ricas mãezinhas deles. Não querem que lhes falte nada ou que tenham saudades dos mimos e da casa da mamã.

Claro que depois de uns tempos a fazerem tudo e mais alguma coisa para eles, cozinhar, arrumar, tudo, não vão ter grande sucesso se um dia se lembrarem que afinal têm que dividir tarefas. É como quando temos um gatinho ou um cãozinho pequenino e o deixamos subir pras camas, saltar e brincar dentro de casa, andamos com eles sempre ao colo. Depois um dia crescem e de repente já não os deixamos ir pra dentro de casa, muito menos ir saltar pras camas e pro colo. óbvio que não vão perceber e vão fazer tudo igual, afinal estão habituados... 

Isto tudo pra dizer que nós somos seres de hábitos. Se nos habituarmos a não fazer nada da vida não é de um dia pro outro que vamos começar a fazer, a não ser em caso de extrema necessidade. 
Não nos podemos queixar se um dia o rapaz não faz nada lá em casa, tendo sido nós as culpadas. Tem que se começar do inicio, falar sobre o assunto, decidir quem faz o quê. 

Não podemos estar à espera de milagres, não é?

11 comentários:

  1. Ah pois é...nada como dividir tarefas logo no inicio!!

    ResponderExcluir
  2. O comodismo não nos leva a lugar algum.

    ResponderExcluir
  3. eheheheh ... é messsmo isso ;)
    **

    mas olha que qualquer altura é boa para se começar :))

    ResponderExcluir
  4. O melhor mesmo para uma relação é sermos nós próprios com a nossa cara metade, sempre :)
    beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Nada como comecar desde inicio com divisao de tarefas. Eu tb tenho as minhas preguicas, e nao sou nada virada para trabalhos domesticos, nem ele. Dividido custa menos, de preferencia desde o momento nr 1.
    E concordo com a Marta, isso de fingir ser o q nao somos so prai nos primeiros dias de namoro ou nem isso. Eu por mim sou fiel a mim mesma, senao nem vale a pena vivermos juntos.
    E eu mesma sou tudo menos a dona de casa perfeita e dedicada

    ResponderExcluir
  7. Olá!

    Já acompanho o teu blog há bastante tempo, sem nunca comentar, mas identifico-me bastante com aquilo que escreves, e por vezes, parece que fui eu que escrevi sobre a minha própria vida :P
    Em relação a este post e ao anterior, não poderia estar mais de acordo. O meu namorado nunca foi muito habituado a trabalhos domésticos e eu desde o primeiro dia, que o "aviso" que quando formos casados vai haver divisão de tarefas, pois não sou criada de ninguém...

    P.S. Se quiseres seguir o meu blog, aqui fica o link http://myworld-buterfly.blogspot.com/ (comecei a pouco tempo).

    Beijinhos**

    ResponderExcluir
  8. Completamente. Concordo em tudo o que escreves e resta-me acrescentar que, muitas vezes, o mal nem é as mulheres não habituarem os homens a não dividir tarefas. No início, como bem dizes, é uma enorme preocupação da parte delas em ter tudo e fazer tudo impecavelmente bem. Querem impressionar, mostrar-se boas. O problema é que, mais tarde, quando a relação começa a ficar rotineira, quando a mulher perde um bocado a paciência para lavar tachos, esfregar o chão ou dobrar cuecas e meias, o deslumbramento deles vai-se desvanecendo e acredito que isto possa, muitas vezes, determinar o fim. Uma relação pode ser "muito amor" mas é preciso muito mais do que apenas sentimento.

    ResponderExcluir