terça-feira, 24 de janeiro de 2012

agora mais a sério

Depois de ler este post, fiquei pensativa: Ora, quantos de vocês estavam dispostos a deitar fora 3, 4, 5 ou mais anos de estudo, de muito trabalho, sacrifício e dinheiro gasto para poder estar com a pessoa que amam? 

Eu mudaria sem problema se isso significasse ficar com a pessoa que eu amo. Claro que não é assim tão simples, claro que custa e é claro que me perguntaria de que valeram todos os sacrifícios dos meus pais, todas as horas de estudo, todo o dinheiro que gastei, todos os estados semi-depressivos em que fiquei nos momentos mais difíceis. Mas faria esse sacrifício se tivesse que ser. 
Isso não faz de mim boa ou má pessoa, boa ou má namorada. Simplesmente é a minha maneira de ver as coisas neste momento. Se quando amamos alguém estamos dispostos a (quase) tudo para que as coisas dêem certo, porque não isto? Não é só dizê-lo nas horas mais apaixonadas, nos momentos mais fofinhos e depois não pôr em prática.  Dava a vida por ti! é uma coisa muito linda de se dizer, mas as verdadeiras provas de amor são aquelas com que nos deparamos no dia-a-dia. E esta é pra mim uma grande prova de amor. Porque não é uma decisão que se tome de ânimo leve, é algo que afecta a vida das pessoas. E todos sabemos que é muito importante a realização profissional, tanto ou mais (para muitas pessoas) do que a realização emocional. 

Eu, nesta minha visão um pouco romântica do amor, acredito que para uma relação funcionar é preciso fazer-se sacrifícios. De parte a parte. Uma relação não sobrevive se ambos não querem ceder quando é preciso. 
Para mim, esta é uma situação que me preocupa. Ainda me faltam 3 anos e meio para acabar o curso mas é óbvio que quando se tem uma relação já longa se pensa no futuro. E no nosso futuro queremos morar juntos, ter a nossa vida, a nossa família. E eu considero que estar com a pessoa que eu amo é muito mais importante do que o sítio onde trabalho. Se puder ter as duas coisas, óptimo. Se não,  eu escolho o amor. Eu prefiro ter que trabalhar em algo que não me preencha assim tanto profissionalmente do que ter o emprego com que sempre sonhei e ninguém para dividir essa alegria quando chegar a casa ao fim do dia de trabalho.
Talvez seja uma visão muito romântica de ver a vida, ao estilo de amor e uma cabana, mas neste momento é só assim que faz sentido para mim. Um dia posso acordar e pensar que era muito ingénua por pensar assim. Quem sabe? As pessoas mudam. Mas eu sempre pensei assim até agora. E acho que só pensarei de maneira diferente se um dia me acontecer algo que me faça desacreditar nesta força maior que é o amor. Pra já, acredito que sim, que é muito mais reconfortante ter o amor da nossa vida ao nosso lado, do que o emprego de sonho para o qual estou a estudar (e o qual adoro, senão não me tinha candidatado).

17 comentários:

  1. Eu deixava tudo po mo meu namorado; Como já deixei. Por isso, essa questão não me dá problemas. No entanto, penso que na maioria das vezes se consegue conciliar tudo!

    ResponderExcluir
  2. são decisões muito dificeis


    Visita:


    http://www.facebook.com/pages/Apontamento/148429151889831

    ResponderExcluir
  3. Penso que é uma questão de se tentar encontrar um equilíbrio. Eu acredito que há sempre uma solução se nós lutarmos por ela :)

    ResponderExcluir
  4. Bom, o namorado deixou os amigos, a família, a casa e a cidade para vir para a minha beira. Infelizmente, na vida nem tudo é perfeito e, por vezes, há que prescindir de umas coisas para ter outras.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pelos comentários lá no meu blog. Estudas psicologia é? Então aproveita,porque queria muito,muito estar nesse curso. Infelizmente a vida fez-me tomar outro rumo. Em relação às saidas, eu naquele post depressivo referia-me à deficiência do meu namorado e as coisas que não podemos fazer, às tristezas que a nossa vida tem agora. Mas sim, em relação a ser estudante também tenho basicamente esse percurso.. Beijinho

    ResponderExcluir
  6. eu também teria abdicado por amor ...

    **

    ResponderExcluir
  7. eu passei por muitas fazes com o meu namorado, e agora que ambos acabámos o curso (ele há mais tempo que eu) e que estamos ambos a trabalhar para aquilo que estudámos, é impossível não começar a fazer planos futuros, que afinal parecem tão próximos. claro que o futuro é muito imprevisível, mas temos de sonhar, projetar... mas se tivesse sido preciso, também ía trabalhar noutra área que não a minha. o meu namorado, para estar onde está agora, também teve de andar um poucos de meses a trabalhar naquilo que não era a área dele... é assim, as relações exigem esforços, e então quando se começar a pensar e a viver como adultos, mais complicado ficam as coisas... mas mais bonitas também e com muitas possibilidades de se ser muiiito feliz [desculpa o testamento]

    ResponderExcluir
  8. É uma questão complicada porque há muitas questões em jogo. E se cedesse e um dia percebesse que não tinha valido a pena?!
    Mas como disseste, as pessoas mudam de ideias... E talvez, quando encontrar alguém que me faça sentir que vale a pena arriscar, passe a pensar como tu! :)

    ResponderExcluir
  9. ah, esqueci-me de dizer que adoro o novo aspeto do blog :)

    ResponderExcluir
  10. pois é, M.. devo dizer-te que faria o mesmo que tu. neste momento, não tenho namorado, nem estou com pressa de ter.. mas um dos meus grandes sonhos é ter uma família à séria. acho que não deve haver algo melhor que chegar a casa, depois dum dia "estafante", e ter à tua espera a(s) pessoa(s) que mais amas. e quanto mais não vale um emprego infeliz com o lado sentimental preenchido a uma vida com sucesso profissional e falta de amor? eu penso assim.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Vi-me numa situação como a que descreves e não hesitei. Deixei para trás um ambiente de trabalho espectacular, na minha área de formação e onde me sentia realizada. Mas sei que só fazia sentido assim. Tenho a certeza que a minha abnegação vai ser recompensada e que o meu namorado se sente eternamente grato pela minha opção. E sei que outros caminhos surgirão com o tempo... Comigo foi simples, mas compreendo que para certas pessoas estas opções possam ser o 'fim do mundo'...

    ResponderExcluir
  13. decisoes complicadas...sinceramente nao sei q decisao tumaria ! Amo o meu namorado mas também amo o q faço e lutei mt para conseguir emprego na minha área ! felizmente nao tenho d tomar essa decisao!

    ResponderExcluir
  14. Eu quando namorava com o A. pensava da mesma maneira que tu. Era capaz de deixar tudo só pra ficar com ele, quando se ama alguém, acho que é mesmo assim, se não houver cedências de parte a parte não vale a pena.

    ResponderExcluir
  15. uiii esta e uma das dificeis. os sacrificios depende do estado da relacao. qdo tinha 19 anos nao durou pq nao via sacrificios do outro lado. aos 21 quando voltamos... fazia tudo para estarmos juntos apesar da distancia, mas se ele nao tivesse vindo morar comigo nao sei como teria sido.
    alguns anos depois foi ele que largou os amigos para embarcar comigo na aventura de vir para Londres. Faria o mesmo por ele, abdicar da carreira para podermos estar juntos, porque nada vale a pena se nao temos quem gostamos ao nosso lado.
    trabalho? se houver vontade alguma coisa se arranja. familia ha so uma :)

    ResponderExcluir