sexta-feira, 2 de dezembro de 2011


E em relação ao post anterior, hoje quando estava a reler o que publiquei, lembrei-me do meu filme preferido.  Já vi muitos, muitos, muitos filmes, mas se tivesse que eleger um só, seria o P.S. I Love You. Não é, definitivamente, o melhor filme que já vi, mas tem algo de especial para mim. A história chega-me ao coração, pronto. Todos sabem que sou melosa quanto baste, portanto, nada como uma boa história de amor para me deixar colada ao ecrã. 
A primeira vez que o vi foi com duas amigas e chorei, apesar da vergonha e de o tentar esconder, como uma Madalena. Oh meu Deus, que história mais tocante. Onde é que na vida real alguma alminha se ia lembrar de escrever cartas de amor para a sua cara metade ter com que se entreter quando este morresse? Surreal. Mesmo assim a intenção dele é tão amorosa. Acima de tudo fez-me pensar que há, efectivamente, amores assim. Tão banais, tão aparentemente normais, com as coisas boas e as más, mas maiores do que qualquer coisa. E depois faz-me lembrar que um amor assim é o que todos podem desejar. Alguém que cuida de nós, mesmo quando não está presente, que nos faz olhar ao espelho e gostar do que vemos, aceitando as pequenas imperfeições. Alguém que se preocupa primeiro, e acima de tudo, com o nosso bem-estar e a nossa felicidade. Há algo melhor do que ter alguém assim ao nosso lado? 
Há sempre aquele filme que nos faz pensar, que nos deixa com o coração pesado e ao mesmo tempo tão leve, que nos faz sempre, mas mesmo sempre, chorar desde a primeira vez que o vimos. Este é o meu. Já perdi a conta ao número de vezes que vi e o efeito é sempre o mesmo: pareço uma Madalena, toda chorosa e melosa.  
E tem a enorme vantagem de, para além de ter o Gerardzinho como actor principal (o que já é, a meu ver, um grande pró), tem ainda o Jeffrey Dean Morgan, dois óptimos actores (e giros, btw). E a lisa Kudrow que é fantástica e a Hilary Swank que é, também ela, magnifica. Só coisas boas, portanto.

8 comentários:

  1. também já vi o filme! não é dos melhores, mas gostei :)

    ResponderExcluir
  2. Este foi, de facto, o filme que me deixou a chorar praticamente do início ao fim. O Ricardo olhava para mim e só se ria. E depois, houve um certo sentido de identificação. Por exemplo, essa ideia das cartas de amor é um bocadinho a minha cara. Claro que não ia pensar na coisa tão bem... Não conseguiria entregar aquilo no correio de forma tão certinha, se calhar não conseguiria antecipar todas as fases da minha cara metade. Mas este filme essencialmente mostra uma coisa: o amor é imperfeito, mas marca-nos e faz muita falta quando desaparece da nossa vida sendo a desvinculação da pessoa amada uma das batalhas mais difíceis que podemos travar. E... acabaste de inspirar o meu mais recente post, com os devidos créditos!

    ResponderExcluir
  3. Também chorei bastante ao ver este filme (: É realmente bonito

    ResponderExcluir
  4. eu antes de ver o filme, li o livro, e confesso que o preferi ao filme. chorei a lê-lo, coisa que é muito difícil acontecer. daí o filme não ter para mim aquele impacto, mas claro q também chorei ;p é sem dúvida muito triste, mas mostra-nos também um grande grande amor.

    ResponderExcluir
  5. Eu fico umas lástima depois de ver o filme. A sério. Choro tanto que é um disparate. Tudo o que envolva perder a cara-metade dá comigo a fazer um outro filme nesta minha cabeça já por si tão fértil.

    ResponderExcluir
  6. Bah também chorei! Mal feminino. Ainda por cima a primeira vez que o vi estava com o meu namorado, que teve que me reconfortar no final do filme, porque desatei num pranto...

    ResponderExcluir