sábado, 10 de setembro de 2011

A propósito da S*

Um dos problemas dos blogs pessoais, entre outros, é a informação que se partilha. Quando se tem um blog que é basicamente parte da rotina, quando escreve todos os dias e se interage com leitores, o que acontece é que muitas vezes temos dificuldade em saber o que é intimo e o que se pode publicar.
Eu compreendo que quando estamos felizes queremos mostrar ao mundo a nossa felicidade, o motivo pelo qual andamos tão alegres e bem dispostos. Não é a primeira vez que começo a escrever um post e a meio surge-me "calma, isto ninguém tem que saber". Há por vezes uma certa dificuldade em conter a nossa alegria, apetece soltar cá para fora as coisas que nos vão cá dentro, mesmo não sendo as mais apropriadas. E quem diz as alegrias, diz as tristezas. Às vezes só precisamos de um sítio para depositar tudo o que nos está a magoar, apetece amaldiçoar a nossa pouca sorte, chorar, espernear. E o que melhor que um blog para o fazer? Está aqui à mão, à distância de um clic. 
O problema é que o que vai cá dentro é muito nosso, muito íntimo. Se me apetecer vir aqui mal-dizer a minha colega da faculdade ou confessar quão irritada fico com a música de fundo que a minha vizinha de baixo me obriga a ouvir, tudo bem. Ninguém me fica a conhecer por causa disso. Ninguém me vai julgar. Se acordar bem disposta e me apetecer vir praqui dizer que a minha vida é perfeita e adoro o som dos passarinhos na minha janela, tudo bem na mesma. Que mal tem? Agora, quando venho para o blog dar pormenores muito íntimos, especialmente sobre a minha relação, é óbvio que me estou a por a jeito de críticas. É óbvio que vou ser alvo de piadas, que me vão deixar comentários maldosos, que vão tentar minar a minha alegria. Uma coisinha que digo pode ser logo distorcida e daí até fazerem grandes filmes é só um clic. Depois gera-se a polémica, instala-se a confusão. Chovem comentários a dizer que fui criticada aqui, que alguém me goza ali, que me copiaram para me irritar acolá. Não está certo, mas é o que acontece.
Reparem, se até na vida real, em que temos um corpo, uma cara, uma vida, as pessoas passam por nós e riem, fazem mexericos, criticam, como é que não o iriam fazer aqui? Aqui, na blogosfera, em que tudo é (mais ou menos) anónimo? Em que não há uma cara, nem de quem goza nem de quem é gozado. É tão mais fácil criticar quando nos podemos esconder no anonimato, quando ninguém sabe quem nós somos. 
O que aqui fica é: se não querem arranjar problemas, resguardem-se mais. Não se ponham tão a jeito. Evitam-se muitos sarilhos, muitas dores de cabeça.

10 comentários:

  1. SIm é dificil fazer essa gestão.. Mas eu acho que cada um sabe aquilo a que quer ou não sujeitar-se ;) Beijinhos, bom fim-de-semana!

    ResponderExcluir
  2. Ainda não sei o que se passou. Mas parece que ultimamente por aqui o pessoal gosta de ver o circo a pegar fogo.

    ResponderExcluir
  3. Andas a ver bloguers amaldiçoados :))) passa lá por casa e relaxa :)))

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente. Já tive chatices pelo aspecto oposto: por falar mal da colega, do vizinho, etc. Como dou a cara as pessoas chegaram ao meu blog e cheguei mesmo a ser agredida fisicamente por um post em que contava uma situação estúpida (nem tem outro nome) mas não referindo nome nenhum.

    Enfim, desde então que não falo de ninguém nem de situações sem pensar duas vezes. Dizer mal então nem pensar. Afinal de contas tenho fotos com a minha cara bem destapada. Tenho de me proteger.

    De resto, quanto ao que se passou, acho que a culpa também é em parte das redes sociais. Aceitam-se pessoas que apenas lêem o nosso blog e que depois têm acesso a nomes de amigos, de namorados e afins. Por esse motivo não aceito ninguém dos blogs a não ser que tenha um nível de confianças médio/alto.

    **

    ResponderExcluir
  5. Tinha de comentar este post por concordo absolutamente com o conteúdo dele. Eu tenho o meu blog há algum tempo, e acredito que mesmo que uma amiga o encontrasse não saberia que sou eu. Apesar de falar de mim, do meu dia-a-dia, das minhas opiniões, e do que me apetece, generalizo muito, não dou nomes, não coloco fotografias fáceis de indentificar. Por detrás do blog está uma mentira? NÃO!, por detrás do blog está alguém que gosta de interagir, de escrever, mas que gosta muito da privacidade. E, talvez por isso só tenha sido ainda atacada 1 ou 2 vezes por anónimos, e que por coicidência comentam quando faço algum post mais pessoal. Penso, que a única coisa pessoal de que falo no meu blog é que sou do Alentejo, e que penso ingressar na faculdade. De resto sou a Shiine *, e apenas isso! :)

    ResponderExcluir
  6. Eu às vezes só falo dos assuntos muitoo depois e muito vagamente, pois não gosto de dizer tudo... digo o que penso sem dizer muito no fundo... mas mesmo assim há sempre riscos, mesmo sendo contida *

    ResponderExcluir
  7. A verdade é que quanto mais nos escondemos, mais facilidade temos em ser encontrados! Se damos a cara, aí logicamente deveremos ter cuidado com o que escrevemos(se não tivermos a capacidade o de dizer na cara dos "lesados", e admiti-lo).
    Por outro lado,se criamos um blogue com o objectivo de falar, reflectir, desanuviar,depositar tudo o que nos vai na alma,e que ainda por cima nos "ouve"(capacidade que muitos dos que conhecemos não têm), aí acho que devemos escrever, escrever, escrever ,escrever sem restrições, até porque, se houver comentários indesejados, qual o mal?
    Se fossemos a escrever de acordo com o que os outros pudessem pensar, não haveria usufruto nenhum na criação de blogues intimistas e pessoais!!!
    Infelizmente há-de haver sempre quem contrarie e ande contrariado, quer na vida real, quer na "realidade desta vida".

    ResponderExcluir
  8. "Quem anda à chuva molha-se", não é verdade? Já somos todos grandinhos para sabermos que não devemos contar com a educação, o respeito e a dignidade alheia. Subscrevo o teu post =)

    ResponderExcluir
  9. não discordo com o que dizes ... mas a máxima de quem anda a chuva molha-se não me parece mesmo ser nada justa ... e que tal as pessoas respeitarem os outros?!?
    sempre ouvi que a nossa liberdade acaba onde começa a dos outros ... e que tal nos comportarmos como seres humanos e mais, como adultos?!?

    ResponderExcluir