sexta-feira, 1 de julho de 2011

mensagem implícita: cortei o cabelo :)


Sou tipicamente gaja no que diz respeito ao cabelo. Gosto de andar sempre a inventar: ora tranças ora solto, hoje liso, amanhã ao natural, com ganchinhos, com arcos ou com laços. Sou mesmo vaidosa com o meu cabelo. Depois chega o Verão e, para quem tem cabelos mais compridos, começa a apetecer um corte. O meu lado mais louco gostava de fazer uma mudança radical, o outro meu lado diz-me que nunca mais na minha vida quero ter o cabelo mais curto do que pelos ombros. Adoro o meu cabelo comprido e só eu sei o sofrimento que é vê-lo pelos ombros e o desespero para que volte a crescer. Por isso, quando vou cortar o cabelo, fico com o coração nas mãos. Basta a mulher pegar na tesoura que até fecho os olhos. É que toda a gente sabe que as cabeleireiras adoram cortar e, geralmente, cortam sempre um bocadinho mais do que pedimos.
E se, por um lado, gosto de me ver acabadinha de vir do cabeleireiro, com o cabelo liso e sedoso e brilhante, a parecer que acabo de sair de uma publicidade a shampoos, por outro estou sempre aflita para o lavar e ver como fica no seu estado natural. E é normalmente aqui que os problemas começam. É que vindo de lá parece perfeito mas depois há que saber domá-lo no dia-a-dia, o que nem sempre é fácil. Dilemas desta minha vida :)

7 comentários:

  1. Dilemas da nossa vida que eu bem me lembro como foi quando cortei o meu... E normalmente, eu não tenho tanta paciência, nem tempo, nem, pronto, estou pra lá virada para fazer tantas coisas ao meu cabelo. Deixo-o no seu rebelde way!

    ResponderExcluir
  2. Já me resignei... sempre que corto o cabelo acho que fico pior do que estava.

    ResponderExcluir
  3. o meu cabelo tira me do serio!!

    Maria

    ResponderExcluir
  4. As raparigas são todas assim acho eu =p mas vais ver que ficou bem =p

    ResponderExcluir
  5. Eu, desde que fiz um corte despenteado ando muito mais penteada.

    ResponderExcluir
  6. Uma vez cortei o cabelo mesmo curto, quase à rapaz e adorei :)

    ResponderExcluir
  7. Dilema da nossa vida, querida!

    ResponderExcluir