quinta-feira, 5 de julho de 2018

Porque é que as sogras têm que ser sempre as bruxas más das histórias?

Dou muito valor à família e às relações familiares, por isso sempre pensei que seria uma mais valia assumir a família do meu namorado como minha também. Essa história de que casamos com a pessoa, não com a família, é a mais pura das mentiras (é assunto para outro post), por isso mais vale fazer de tudo o que está ao nosso alcance para tentar pertencer à família do outro ou, pelo menos, estabelecer relações positivas com os mesmos. 
Eu sempre me imaginei a ter uma boa relação com uma futura sogra. Queria ter o tipo de relação em que vamos às compras, conversamos, saímos juntas sem a presença do filho, essas coisas. Calhou-me na rifa uma sogra que facilita a tarefa. Gosto realmente dela, apesar de sermos pessoas muito diferentes e de não concordar com tudo o que ela faz ou pensa. Já tive fases em que nem a podia ver à frente porque realmente é assim que às vezes acontece com as pessoas de quem gostamos e com quem nem sempre concordamos, mas sempre tivemos uma boa relação. Conversamos muito, já passeamos muito a três, acho que somos praticamente amigas. Sinto que sou a filha que ela nunca teve e que me procura muitas vezes para aquelas conversas de gajas que não pode/quer ter com os filhos, portanto acho que já cheguei ao patamar relacional a que me propus :p A título pessoal, não tenho nada a apontar-lhe. Posso não concordar com a forma como muitas vezes ela se relaciona com os filhos e isso magoa-me, mas a mim, efetivamente, nunca me fez nada que eu possa apontar como falha, como errado. Sou sempre bem recebida em casa dela, desde o início. Muito antes de sequer estar numa relação com o filho dela, já a conhecia e já tínhamos uma relação cordial, portanto acho que ajuda. Além de que ela fez o filho perfeito para mim, portanto até sou eu que estou em dívida :) 

Percebo que nem toda a gente tem este tipo de relacionamento com as sogras. Nem todas as sogras são fofinhas, são queridas, sabem receber as noras no seio da família. Há mulheres que querem os filhos só para elas, que acham que nunca nenhuma outra mulher vai estar à altura das expetativas que têm ou que mereçam os filhos delas, que cuidem tão bem, que amem tanto quanto elas. Há sogras que não sabem quando estar caladas, que tipo de assuntos lhes diz respeito e onde não ir meter o bedelho. Eu sei disso tudo. Só acho que há também quem se queixe das sogras só porque sim, porque já é tradição não gostar das sogras. As sogras são pessoas, portanto, como todas as outras pessoas no mundo, têm os seus defeitos. Não podemos gostar de tudo, vai certamente haver alguma coisa que não nos agrada, que gostaríamos que fosse diferente, mas é assim com toda a gente, até com os nossos pais. As sogras não haveriam de ser diferentes. Porque é que elas têm sempre que ser as bruxas más das histórias? Há sogras maravilhosas, mais maravilhosas do que muitas mães mesmo. Às vezes é uma questão de feitios também. 

Acima de tudo, pensemos que um dia podemos ser nós as sogras. Como é que gostaríamos de ser tratadas? Que tipo de relação gostaríamos de ter com as nossas possíveis noras ou genros? Que tipo de sogra achamos que vamos ser? Também nos cabe relativizar. E nós, seremos assim tão boas noras/genros quanto achamos que somos ou só sabemos criticar as sogras sem ver como somos para elas? Há toda um dinâmica relacional a ter em conta. Não posso querer só receber. Algumas noras queixam-se das sogras mas elas mesmas já vão para as interações de pé atrás, com sete pedras na mão, claro que isso desencadeia o mesmo tipo de reação do outro lado. Seria mais simples se as pessoas se tentassem relacionar sem o peso dos rótulos e tudo a que estes estão associados.

Contem-me lá da vossa justiça: as vossas sogras são tipo as vossas segundas mães ou são o diabo reencarnado? :)

9 comentários:

  1. Tenho uma excelente relação com a minha sogra desde que a conheci. Nota-se que faz as coisas para mim com gosto como se o fizesse para um dos seus filhos. O mesmo digo do meu sogro que sempre me recebeu super bem. Não tenho qualquer problema em sair com qualquer um deles sem os filhos porque me sinto em família!
    https://jusajublog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olha linda até ao nascimento do meu Principe a minha relaçao com a minha sogra era brutal... mas desde o nascimento dele que só me tem desiludido.

    Beijinhos,
    O meu reino da noite ~ facebook ~ bloglovin

    ResponderExcluir
  3. Bem, eu dava-me lindamente com a minha sogra até casar. Ainda dou atenção, mas há muita coisa desde aí que mudou.É uma pessoa que se mete na vida do filho e por consequência minha também. Que fala da nossa vida aos demais e até "sonha" coisas na nossa vida que nem vão acontecer.
    Já me disse coisas que não gostei e infelizmente isso deixou marcas.Temo como será um dia que hajam filhos. A ver vamos!

    ResponderExcluir
  4. A minha tem ciúmes de mim. Do que tenho, do que o filho me dá, do que os outros me dão, enfim só não se mete na minha (nossa) vida porque não o permiti nunca.
    No início era tudo na boa, até eu e o filho irmos viver juntos e entretanto a minha relação com o meu cunhado e cunhada ficar óptima e em conversa me dizerem coisas q ela lhes dizia de mim (invertendo a história) e eu propria por mais que uma vez a apanhar a falar de mim. Já o disse mais que uma vez que não armo um barraco por respeito aos filhos mas que o fio está a ficar muito curto. Tão curto que já quase não tenho convivio com tal pessoa.

    ResponderExcluir
  5. Sempre tive ótimas relações com as minhas sogras, desde a adolescência. Aliás, a mãe do meu ex-namorado de "adulta" ainda hoje me vê, trata e acarinha como uma filha :)

    ResponderExcluir
  6. A minha sogra é como se fosse uma mãe para mim. Neste momento, tenho uma relação muito melhor com ela do que com a minha própria mãe, com ela falo de tudo, o mesmo não se aplica à minha mãe.
    Devo-lhe muito e sei que nunca lhe conseguirei "pagar" tudo aquilo que a minha sogra faz pela minha família: é graças a ela que conseguimos gerir as coisas mais facilmente tento dois filhos. Já disse ao meu marido que se não fosse ela, não teríamos tido um segundo filho. Porque ela é o maior suporte e apoio que temos, ninguém a consegue substituir em amor para com os netos. Felizmente, tenho uma sogra muito boa, com as suas ideias, é certo, mas que é uma pessoa imprescindível na minha vida.

    ResponderExcluir
  7. Eu adoro a minha sogra. Dei-me bem com ela desde que a conheci e já fomos às compras juntas, já foi comigo ao médico porque a minha mãe não podia, trata-me como se fosse filha dela. Não se mete nada na nossa vida e ainda intercede por nós. Dou-me super bem com a família do meu namorado e, felizmente, ele também se dá bem com a minha. A minha mãe também não é uma sogra chata e trata muito bem o David. Comparando com algumas histórias que já ouvi sei que tivemos a maior sorte. Um dia mais tarde quero ser uma sogra descontraída também. Há espaço para todas as pessoas! :)

    ResponderExcluir
  8. Digamos que a todos as pessoas solteiras da minha vida, o único conselho que lhe dou, é que quando arranjarem a cara metade certifiquem-se que são órfãos. Principalmente de mãe!!!

    ResponderExcluir
  9. Nem segunda mãe, nem diabo reencarnado. Há muita coisa nela com que não concordo, mas que nada têm a ver comigo, mas apenas com os filhos e marido, por isso, não é da minha conta. A nossa relação é apenas cordial, sempre fui bem recebida lá em casa, eu e o meu filho, que não lhe é nada, portanto, nada a apontar. Mas nunca tivemos, nem teremos, parece-me, essa relação próxima como vocês.

    ResponderExcluir