quarta-feira, 13 de junho de 2018

Tenho o maior respeito por aquelas pessoas que têm que passar a vida em viagens ou fora de casa devido às suas profissões. Eu trabalho a partir de casa mas, em alguns dias ao longo do ano, tenho que me ausentar a trabalho e detesto. Não é que não goste de fazer coisas diferentes e a verdade é que esses dias até sabem bem por fugirem da rotina, mas custa-me estar longe de casa, principalmente agora que sou só eu e ele. Ainda não tenho filhos, portanto não posso falar como é estar longe deles, mas imagino que seja ainda mais difícil. 

Aquelas pessoas que passam mais tempo em viagens do que em casa ou aqueles que têm que trabalhar no estrangeiro e deixam a família para trás, têm a minha maior admiração e respeito. Não sei como conseguem. Não será fácil, com toda a certeza. O pior é que nem sempre a parte financeira compensa sequer o sacrifício, o que torna tudo ainda mais difícil. Acho que não conseguiria ter um emprego assim, já que me custa tanto uma dúzia de dias espalhados pelo ano. Gosto tanto da minha casinha, das minhas coisas, do meu conforto, da minha zona de conforto...

6 comentários:

  1. Já fiz isso durante anos e adorava e podes crer que até apimentava o casamento, cada regresso era uma lua de mel. O pior foi quando vieram os filhos, custava tanto deixá-los... Depois decidi mudar de profissão mudei. Neste momento estou conformada mas tive tantas saudades daquelas viagens e daqueles regressos. Mas isto sou eu:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a parte de regressar é sempre maravilhosa. A saudade faz maravilhas às relações, quando é algo que acontece de vez em quando. Diariamente, acho que causa mais dano do que benefício, mas não posso falar com todas as certezas.

      Excluir
  2. Eu não era capaz de trabalhar fora do país, por exemplo, mas acho que também não conseguia trabalhar em casa. Gosto do facto de sair de casa, contactar com outras pessoas, ver outras coisas. Acho que o importante é realmente fazermos o que melhor se adapta a nós.

    ResponderExcluir
  3. Este é um tema que me dá dores de cabeça. Se por um lado, sei que me traria muitas vantagens a nível profissional, por outro também gosto muito de viver no país que conheço, perto da família e amigos. Enfim...

    Um beijinho,
    MESSY GAZING

    ResponderExcluir
  4. Tanto eu como o marido costumamos fazer algumas viagens (mais ele) e temos dois filhos. Detesto a preparação e a viagem em si. Mas quando estou lá acabo por gostar.
    Quando é ele a ir, ao fim de uns dias começo a sentir a falta. Nesses dias sou mais exigente com as rotinas e os horários para manter a ordem em casa.
    Ah... foi num desses regressos que fizemos o segundo filhote. Teve um mês fora e ups... :)
    SM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acabo sempre por gostar de estar onde estou, depois de ir. Há uma quebra da rotina, fazem-se coisas diferentes, andamos atarefadas, parece que nem há tempo para pensar em saudades ou em casa. Mas saber que se tem que ir é que custa. E quando são muitos dias seguidos, os últimos dias já custam mais...

      Excluir