segunda-feira, 7 de maio de 2018

Nostalgia em tempos de Queima

Começou no Domingo a semana da Queima do Porto e ontem fui à Imposição de Insígnias naquela que eu acredito ter sido a minha última vez. Ainda tinha algumas pessoas queridas a terminar o curso mas depois deste ano, já não tenho ninguém que me faça querer estar presente nestes momentos. Três anos depois de eu mesma ter cartolado, acho que este é o adeus definitivo.

Esta altura da Queima é sempre propícia a nostalgia e a reflexões. No meu dia a dia, confesso que nem me lembro da praxe ou da faculdade. É um capítulo que está mais do que encerrado na minha vida. Sempre pensei que, por ter vivido tudo tão intensamente, por ter estado sempre envolvida em todas as atividades e querer estar presente em tudo, me fosse custar muito o afastar desse mundo. A verdade é que não me custa nem um bocadinho. Quando olho para trás, o que me lembro são momentos felizes com pessoas que continuam na minha vida. Não tenho saudades de ser estudante. Tenho saudades de poder ver os meus amigos todos os dias, em vez de uma vez por mês ou algo do género, mas falamos tantas vezes, fazemos por manter o contacto, que até as saudades deles são minimizadas. 
Em dias como o de ontem, em que só vi meia dúzia de caras conhecidas, reforço a minha ideia de que já não pertenço ali, àquele mundo e nem àquele lugar. Foram cinco anos incríveis, mas passaram e pronto. Não tenho saudades da faculdade, dos corredores, dos professores, das aulas, de passar a vida ali enfiada. Já não me sinto em casa quando lá vou. O verdadeiro sentido de "casa" era feito pelas pessoas, as minhas, as que via todos os dias, e não por um conjunto de paredes e salas de aula. Não estando lá as minhas pessoas, não reconhecendo mais de 80% das pessoas que lá habitam agora, a faculdade já não é casa para mim. E ainda bem! É tão bom sentir que esse capítulo ficou mais do que encerrado.

Continuo a achar que o melhor ainda está para vir, ao contrário das pessoas que dizem que os anos da faculdade são os melhores. São bons, são intensos, são repletos de memórias que aquecem o coração, mas há um mundo para desbravar fora daquelas paredes da faculdade, das noites mal dormidas, do stress dos exames ou dos dramas com colegas. Continuo a sentir o coração apertadinho quando uso a minha capa, ainda me emociono com quase todas as memórias das coisas boas que vivi, ainda tenho os meus momentos de nostalgia e continuo a pensar nestes cinco anos como uma experiência maravilhosa, que gostaria que todos pudessem sentir. Mas "casa" agora é outra coisa e ainda bem.

3 comentários:

  1. Como me identifico com esta tua reflexão! E é tão bom sentir isso :) <3

    ResponderExcluir
  2. Sempre ouvi maravilhas desses anos da faculdade, mas não posso realmente opinar, pois não segui esse caminho. Nem acho que tivesse paciência para tal. Mas é bom para ti que te sintas assim, viveste essa época da tua vida intensamente e a 100% e seguiste em frente. Assim é que deve ser, não devemos viver presos aos bons momentos do nosso passado, caso contrário, deixamos passar tantas outras coisas boas que o futuro nos reserva.

    ResponderExcluir