terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Delayed gratification

Sendo eu uma pessoa ansiosa e sem paciência nenhuma, é normal que gostasse que as coisas acontecem no momento em que eu quisesse, sem ter que esperar. Todos nós gostamos de recompensas/prazeres imediatos. Quantos de nós somos capazes de resistir às tentações dos prazeres imediatos? É difícil, requer muito autocontrolo e disciplina. Ainda assim, quantos de nós consegue perceber que são as coisas que mais demoram a chegar as que têm mais valor?

Em criança, raramente tive aquilo que quis na hora que quis. Aqueles brinquedos grandes ou mais dispendiosos só podiam aparecer (se aparecessem) no aniversário ou no Natal. Imaginem querer aquela Barbie desde Janeiro mas ter que esperar até Dezembro para a conquistar... Custava? Sim! Era chato não poder ter as coisas que queria na hora que queria, mas quando aquela coisa realmente chegava, era a loucura! Que sensação tão boa! Quantas crianças nos dias que correm passam por esta experiência? Muito poucas. E é também por isso que a maior parte dos brinquedos que recebem são facilmente esquecidos e/ou pouco apreciados.  Só quem esperou realmente por alguma coisa lhe sabe dar o devido valor. Sabem aquela sensação de realização tão boa de entregar uma tese e terminar um curso? Só é mesmo boa porque passamos anos a estudar, a sacrificar-nos e à espera daquele momento. Parte da experiência de ter alguma coisa passa por desejá-la, pensar nela, imaginarmo-nos a tê-la, esperarmos por ela. Então quando somos só nós os responsáveis por conseguir as coisas, mais valor tem.

Mesmo sendo grata por todas as coisas que possuo ou que conquistei, consigo perceber que sempre dei mais valor às coisas que demorei a ter ou a conquistar. É por saber o que custa esperar, o quanto demoram certas coisas a acontecer, que consigo dar valor a muitas coisas que vão acontecendo. Porque a espera só nos faz desejar mais, querer mais, fazer mais. E quando finalmente acontece, o valor que atribuímos àquilo é muito maior porque sabemos o que custou até lá chegar. 

9 comentários:

  1. Concordo a 100% contigo! Os meus pais educaram-me exatamente da mesma forma: ou esperas pela altura certa ou vais trabalhar para teres aquilo que queres. Hoje em dia sou grata e dou valor a tudo aquilo que tenho graças à educação que os meus pais me deram. Acho que passa muito pela personalidade da pessoa, mas a educação é fundamental.
    Gostei imenso do post!

    Beijinhos,
    Bruna Arouca
    http://fashionmornings.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Eu concordo a 100% contigo... Mas, em criança, nem 8 nem 80. As coisas desadequam-se muito à idade. Eu comecei a pedir uma prancha da Barbie aos 7/8 e a minha mãe deu-ma quando eu tinha 10 xP Resultado: já tinha vergonha de andar com aquilo na praia. A minha querida mãe tinha a máxima do "quanto mais pedes, menos tens", o que faz sentido qb... Mas enfim, claro que era o extremo oposto. Eu sempre achei ridículo (até quando era mais nova) ver miúdos que tinham tudo mal abriam a boca. Que pais sem noção, enfim... Anyway, a educação que a minha mãe me deu resultou. Chego a estar 1 ano a pensar se vale mesmo a pena comprar algo e a reunir condições para tal (uns ténis, um aparelho tecnológico) e quando finalmente o tenho... Sabe tão melhor :)

    ResponderExcluir
  3. É verdade. Muitas crianças de hoje basta estalarem os dedos e têm tudo o que querem.
    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    ResponderExcluir
  4. Tenho o mesmo pensamento que tu. Eu e o meu namorado costumamos dizer que o que tiver que ser nosso um dia chegará. Aos poucos deixámos de ter pressa e quando conseguimos atingir os objetivos sabe ainda melhor!

    ResponderExcluir
  5. Partilho da tua opinião. Eu também não tive tudo o que queria, nem na altura em que o queria e isso só me fez crescer, porque percebi que as coisas não iam correr sempre da maneira como eu estava à espera. E a verdade é que sabe melhor receber quando não estamos a contar ou quando temos que trabalhar para conseguir o que queremos.
    Consciente ou inconscientemente, o que é fácil acaba por nos provocar um desinteresse rápido, porque não nos deu luta. Quando sentimos na pele o quanto custa conquistarmos determinadas coisas, tudo tem um significado diferente

    ResponderExcluir
  6. Sou exactamente igual (; tudo o que é "conquistado" tem muito mais valor que aquilo que nos é oferecido de bandeja

    ResponderExcluir
  7. Eu penso que é algo normal, tudo o que exige o nosso esforço sabe tão melhor...

    THE PINK ELEPHANT SHOE

    ResponderExcluir
  8. Isso é bem verdade! E apesar de ser jovem, noto que os que ainda o são mais não têm esse sentimento! As coisas aparecem na hora, e é um martírio para eles esperar... Pelo contrário, eu prefiro esperar para depois poder desfrutar de todo aquele sentimento de conquista :)

    https://mundodablue.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  9. Saber esperar é uma grande virtude. Contudo, esperar com ” esperança no coração ” já é um verdadeiro dom nos dias que correm, em que o “ imediato “ invadiu as nossas vidas.

    ResponderExcluir