quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Dica de poupança | Técnica dos envelopes

Já todos sabem que eu tenho um interesse cada vez maior por finanças pessoais. Gosto de me organizar, de controlar os meus gastos e de poupar. Quando já temos valores de despesas fixas estipulados, quando sabemos exatamente para onde vai o nosso dinheiro e fazemos os devidos cortes no que não acrescenta nada e só nos está a levar dinheiro, a poupança é o passo lógico seguinte. Tenho já há dois anos uma conta poupança onde todos os meses deposito um valor fixo que estipulei no início do ano passado mas, à parte dessa conta, senti necessidade de separar um certo valor poupado para coisas diferentes. Como não é nada prático criar mil contas para os mil objetivos e despesas que temos, decidi aderir à já antiga técnica do envelope.

Duvido que nunca tenham ouvido falar desta técnica mas aqui fica a explicação. A ideia é termos um conjunto de diferentes envelopes para diferentes despesas. Quando recebemos o nosso salário, devemos repartir o mesmo pelos diferentes envelopes tendo em conta os valores gastos mensalmente nessas despesas ou os valores que queremos/podemos gastar. Por exemplo, todos os meses tirar um valor definido para despesas com o carro (manutenção, selo, revisão), luz, água e gás, alimentação, seguros, etc etc etc. É ideal que se tenha um envelope para o fundo de emergência e outro para poupança/investimentos.

No meu caso em específico e como ainda não tenho despesas fixas com habitação e essas coisas todas, pois vivo com os meus pais, o objetivo dos envelopes é funcionar como uma poupança subdividida nos diferentes objetivos. O dinheiro que se coloca na conta poupança ou num mealheiro fica lá todo acumulado e só sabemos quanto dinheiro temos para o objetivo x e y se apontarmos num papel. A minha ideia com os envelopes é fazer essa divisão sem ter que estar a criar contas e mais contas no banco nem ter tudo misturado na conta poupança. Assim, tenho por exemplo um envelope para fundo de emergência, um envelope para gastar com saldos/prendas de Natal, um envelope para futuros passeios/viagens e outro mais específico para gastos com um evento que terei quase no final do ano. Já fiz as contas tendo em mente o meu salário, as minhas despesas e o montante que continuarei a tirar para a conta poupança e já defini as quantias mensais para cada envelope. Agora é começar a encher os envelopes, assim que receba os salários ou tenha um dinheirinho extra/de sobra (quem me dera que acontecesse!). 

É uma técnica bastante simples e até engraçada de pôr em prática. Pelo menos para mim, que gosto realmente de poupar e de ver a conta a aumentar :p Estou confiante que, assim, terei ainda mais facilidade para atingir os meus objetivos deste ano! E vocês, usam esta técnica? Têm hábito de separar um valor para cada objetivo que traçam? Partilhem as vossas dicas :)

5 comentários:

  1. Não uso mas acho uma ideia super gira e que além de resultar se pode tornar entusiasmante mês após mês. Beijinhos*

    ResponderExcluir
  2. Olha que ideia interessante. Acho que vou levar :)

    ResponderExcluir
  3. Vou começar a trabalhar para a semana e, tendo em conta o ordenado e os gastos básicos (quarto arrendado, comida e transportes, nem falo em mais nada como roupa e saúde - que pode ser necessário), o meu objectivo vai ser fazê-lo chegar :D Mas, com tempo, hei-de começar a pensar nestas coisas... E talvez a técnica do envelope não seja nada má! Nem que seja pôr X dinheiro num envelope para o café (eu adoro café) e, quando chegar ao fim, não posso gastar mais.

    ResponderExcluir