quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Aqueles momentos de descrença

Eu sou, regra geral, uma pessoa de bem com a vida. 98% dos meus dias eu estou animada, estou bem disposta, estou positiva. Tenho a fé, a esperança e o amor como pilares da minha vida, por isso eu sei que tudo vai ficar bem, eu sei que a minha vida é maravilhosa e que os dramas que eu por vezes faço são coisas passageiras, coisas que, no contexto geral, são pequenas e que têm solução. Mas isso não implica que eu não possa ter momentos de frustração, de desânimo. Porque as coisas vão acabar bem, eu sei, mas demora! É essa espera que cansa.  Eu sei que tudo vai ficar ok, mas às vezes é difícil enquanto não fica. É difícil esperar sem ter um único momento de desânimo. 

Agora que sou adulta e tenho outra maturidade, estas questões são muito menos frequentes do que na adolescência, por exemplo. Eu era o drama em pessoa. Tudo me chateava, tudo me deixava melindrada, achava que ninguém me compreendia. Tanta lágrima foi derramada por estes olhitos, valha-me Deus. Hoje em dia é tudo mais controlado. Conheço-me melhor e tenho outra capacidade para gerir as minhas emoções. Tenho ainda os meus momentos de drama, aí uma vez por mês ou algo do género, não nego. 
Ultimamente é sempre pelo mesmo motivo e eu sei que assim vai ser enquanto não estiver este assunto resolvido. É a porcaria da frustração. Esperar desgasta-me. Nunca tive feitio para esperar, até para nascer teve que ser mais cedo. E tratando-se de coisas que não dependem só de mim, pior ainda. Quando sou eu a única responsável pelas coisas, raramente isto acontece porque eu vou lá e faço acontecer, planeio, sou determinada, cumpro aquilo a que me proponho. Sendo coisas que não dependem só de mim lá vem a frustração. Ter que aceitar o tempo dos outros é difícil. Depender das ações de terceiros torna tudo mais complicado porque não basta fazer a minha parte. Às vezes nem é depender de terceiros, é mesmo colocar tudo à mercê da vida, porque tudo tem o seu tempo. É uma merda. Gera muita frustração e a minha forma de lidar com a frustração é ter pequenos meltdowns esporádicos. Como sou positiva, lá vou encarando as coisas com esperança, com fé, acreditando que vai dar certo, tentando deixar as coisas acontecer. Só que as situações ficam ali a remoer até chegar a um ponto em que não dá mais. E o que faço eu nestas situações? Choro, pois claro. É a forma mais simples de resolver problemas, obviamente. Choro, deito tudo cá para fora, fico leve e aguento mais uns meses de situações chatas que não dependem só de mim até acumular demais e ter outro ataque de choro compulsivo. E isto assim segue, até que o problema fique resolvido de uma vez por todas. É uma forma muito madura de lidar com a situação, como podem ver. 
A parte boa é que tenho ali meia hora de auto comiseração, de "a minha vida é uma merda e nada de bom me acontece" e passa. Permito-me estes momentos de drama porque sei que, descarregando, fico outra, fico bem.  Obrigo-me a parar quando já me sinto bem e volto a sentir-me positiva e de bem com a vida, de verdade. Só preciso de chorar uns breves minutos, sentir-me leve e fico logo pronta para mais uns meses de pauladas da vida. I can take it. 

Cada um com as suas estratégias de coping.

5 comentários:

  1. Dizes bem, quando uma situação permanece “ eternamente “ pendente porque está em mãos de terceiros a sua resolução ...estou neste momento numa situação similar , a nível profissional . Beijinhos e bom ano. 😊

    ResponderExcluir
  2. Horrível quando não temos controlo em situações que definem a nossa vida. Sempre odiei quando estava em posições do género meh! Desejo-te um grande beijinho e que este ano comece da melhor maneira babe! <3

    THE PINK ELEPHANT SHOE // Instagram

    ResponderExcluir
  3. Na vida temos pouco controlo sob as coisas. Há sempre factores externos. O truque é respirar fundo e tentar desligarmo-nos disso.
    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    ResponderExcluir
  4. Também tens direito aos teus "dramas". Desde que não os deixes comandarem a tua vida, não me parece que venha mal nenhum ao mundo por isso.
    Um grande beijinho, e que 2018 seja maravilhoso e te traga aquilo que mais queres.

    ResponderExcluir
  5. m., eu precisava de 50% desse teu positivismo, pode ser?! :P

    ResponderExcluir