terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Ter coragem para mudar

Vi no shiuuuu um segredo de uma pessoa que dizia que deixou o emprego que lhe fazia mal e agora estava desempregada mas ao menos sentia-se livre e tranquila. Não faltaram comentários a dizer que devia ser rica ou ter quem a sustentasse para poder despedir-se. 
Acho que há um problema grande na nossa cultura que é esta coisa de nos martirizarmos. O trabalho liberta, o trabalho dignifica o homem, não é verdade? E quanto pior, quanto mais sofrido, melhor, porque significa que é só para os fortes, só para os bons, os que aguentam tudo sem mimimis porque é assim que tem que ser. Só que não, não é assim que tem que ser. Temos que trabalhar, sim, mas há limites. 

Falando da minha experiência, é difícil mas é a melhor decisão a tomar quando a nossa saúde começa a ser prejudicada. E saúde não é só física. Ninguém teria problemas em deixar um emprego que estivesse a prejudicar a sua saúde física, por exemplo, se trabalhasse no meio do pó e estivesse a desenvolver uma doença nos pulmões. Então por que raio é motivo de chacota, de olhares de lado e comentários azedos, se a pessoa deixa um emprego que lhe está a deixar a saúde psicológica num farrapo? Não é menos importante porque não se vê. Independentemente do motivo, acho que o importante é ter coragem para mudar. É difícil! Demorei muitos meses para me decidir a sair do meu primeiro emprego e nem sequer tenho filhos para sustentar ou contas fixas para pagar, por isso percebo que há todo um conjunto de condicionantes que dificultam ainda mais a tarefa de quem tem todos esses encargos às costas. Mas é possível! Não é preciso ter quem nos sustente ou ser rico para decidir mudar de vida, dizer que chega e virar costas. Se não nos faz felizes, se não é aquilo que queremos, se nos faz mal, então devemos sair sim, mas há que planear isso. É por isso que passo a vida a falar da importância de ter um fundo de emergência. E que se fodam as pessoas, sinceramente. Quem é que paga as vossas contas? Quem é que vive a vossa vida? Não são os outros que têm que lidar com os vossos problemas, ninguém gere a nossa vida por nós, então que se fodam as opiniões de pessoas que acham que temos todos que sofrer, que a vida é mesmo assim, que temos que nos sujeitar às coisas. Não temos! Não é suposto ser assim. Tem que ser como nos quisermos que seja, se tivermos coragem e força para mudar o que achamos que não está bem,

Na maioria das vezes estes comentários vêm de pessoas próximas. Preocupam-se connosco, claro, mas mesmo que inconscientemente, são pessoas que temem a mudança dos outros porque isso significa que eles também podem mudar. 
Felizmente sempre tive pessoas que me apoiaram na decisão de me despedir, de ambas as vezes. Felizmente tive a coragem necessária para dizer chega e vir embora. Foi a melhor coisa que fiz na vida! Sou muito mais feliz agora. Custou muito nos primeiros tempos, é óbvio.  Bate a dúvida, bate o medo, estava constantemente dividida entre a sensação boa de liberdade de não ser obrigada a ir para aqueles lugares que me faziam sentir tão mal e o medo de não conseguir encontrar mais nenhum emprego. Mas aqui estou eu, um ano depois, num emprego que gosto e me deixa feliz. Ainda hoje tenho pesadelos com os empregos anteriores, por isso sei que tomei a decisão certa de sair. E é isso que convido todos os que se queixam dos empregos a fazer: não estão bem, mudem! Ponderem bem a vossa vida, planeiem-se, procurem outros empregos. Não liguem para quem sempre comenta que é de florzinha de estufa não aguentar mais, que ninguém gosta dos trabalhos que tem mas ninguém se despede porque é preciso pôr comida na mesa, que temos que aguentar... Vão ser felizes sem ligar a essas pessoas. Vão ver que é a melhor coisa que podem fazer por vocês mesmos.

12 comentários:

  1. Tens toda a razão, quem não está bem deve mudar-se, deve procurar aquilo que lhe faz bem. Isso vai ser bom tanto para o empregado como para o empregador, numa empresa um funcionário desmotivado não acrescenta valor nenhum, muito pelo contrario. Mas por vezes esta decisão não é fácil de tomar, por muito que se saiba que vai ser o melhor, há muitas outras coisas a "impedir", por vezes não é uma falta de coragem, mas sim o sentido de responsabilidade no final do mês. Existe muita gente, infelizmente, que o único objectivo do emprego é trazer o dinheiro ao final do mês. Claro que todos nós trabalhamos com esse fim, mas é necessário também sentir-se satisfeito, e sentir que acrescenta valor à entidade que lhe paga o salário.

    ResponderExcluir
  2. Como te compreendo. O ano passado também me despedi, porque já não aguentava mais. Salário baixo, horário extensos, mau ambiente, falta de consideração pelos trabalhadores. Cheguei a um ponto que achei estar a entrar em depressão.
    Foi a melhor coisa que fiz, e felizmente arranjei logo trabalho no dia a seguir. Não podia estar mais contente.

    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    ResponderExcluir
  3. Concordo, por vezes acomodamos-nos com algo que não nos faz sentir bem e devemos ter a coragem de largar o que não nos faz bem e procurar aquilo que é ideal para nós. Beijinhos*

    ResponderExcluir
  4. Bato palmas e faço-te uma vénia! Eu já passei pelo mesmo e as pessoas gostam mesmo de se me meter na ida dos outros e acham que ter trabalho chega mesmo que seja mal pago e tenhamos que ser escravizados. Era o que mais faltava.

    ResponderExcluir
  5. Muito bem dito!! Concordo plenamente!

    Já sigo o blog! Beijinho :)
    http://carolinarodi.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  6. Também vi o segredo e, tal como tu, fiquei chocada com a falta de empatia! O dinheiro é importante, mas o nosso bem-estar e saúde mental estão em primeiro lugar. Que bom que conseguiste tomar essa decisão de sair quando sentiste essa necessidade :)

    Kill Your Barbies | Instagram

    ResponderExcluir
  7. Amei a ideia, concordo plenamente e sei também o qaunto é difícil mudar de emprego, o mesmo vale para faculdade. Meu namorado já desistiu de 3. e eu apoio, porque não é o que ele quer. Mas é difícil, ainda mais quando você precisa do dinheiro. Amei o texto, super inspirador.

    Beijos, Gi.
    Blog About Girls

    ResponderExcluir
  8. Não percebo realmente porque é que deixar o emprego tem de ser motivo de censura. Quando me despedi, porque queria 'mais', levei imensos comentários desagradáveis de quem era mais próximo, tal e qual como disseste. Tudo porque ambicionava outra coisa! Enfim...

    THE PINK ELEPHANT SHOE // Ganha um Black Opium da Yves Saint Laurent!

    ResponderExcluir
  9. Em outubro tive oportunidade de sair do meu trabalho ( que detesto e me consome ) para ir trabalhar na minha área mas a recibos verdes. Não tive coragem de aceitar . No passado já o fiz e não me arrependo . No entanto o que pode vir a seguir é péssimo , o desemprego .. a partir dos 40 é mais complicado.tive medo , muito medo . Continuo infeliz 😔

    ResponderExcluir
  10. E quando temos um trabalho que gostamos e que nos dá estabilidade mas sabemos que não há por onde progredir? Estou nessa situação. Daqui a um tempo, pretendo mudar de emprego em busca de novas oportunidades e novos desafios. Mas não sei se vou ter a coragem de deixar um sítio estável e partir para o desconhecido.

    ResponderExcluir
  11. Ando numa fase em que estou a ponderar bastante a minha situação profissional. Não querendo ser demasiado exaustiva nos motivos, posso apenas dizer que considero que sou explorada, ganho o salário mínimo, para trabalhar 11 horas por dia, trabalho sábados de manhã e não ganho nada por isso, estou a recibos verdes há 7 anos numa empresa e a patroa pede aos funcionários para ir comer para a casa de banho (e os lanches são no máximo de 5 minutos - um de manhã e outro à tarde). Não temos pausas em condições, o stress e a pressão é imensa. O problema? Posso afirmar, sem sombra de dúvida, que me acomodei à situação. É perto de casa. Há contas para pagar. E agora, estando grávida, não vou partir para algo novo. Mas pondero seriamente em 2018 mudar esta situação: começar a pôr pés ao caminho, procurar, procurar, procurar.

    ResponderExcluir
  12. Pois, é uma decisão difícil! Sim, a nossa saúde é muito importante, sem dúvida, só que, por vezes, não há estabilidade financeira para fazer essas mudanças. Nem toda a gente consegue ter um fundo de emergência que lhe dê margem para estar algum tempo sem trabalhar. Eu mudei de emprego há pouco tempo e saí porque arranjei o outro. Porque estive 5 anos num trabalho que não era o que queria e onde não gostava de estar, com um ordenado baixo e sem regalias, mas nunca saí até arranjar outro, porque estar à procura em casa não me ia sustentar, nem à minha família :/

    ResponderExcluir