quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Não tenho paciência...

Uma das coisas que me irritam mais profundamente é aquele tipo de gente que só inveja os outros mas não faz nada para conseguir as mesmas coisas. Aquelas pessoas que acham que só os outros é que têm sorte, só os outros é que têm bons empregos, só os outros é que têm dinheiro e eles não têm mas querem, sem nunca fazerem nada por isso.

"Que sorte, arranjou um emprego na câmara, sem fazer nenhum. Eu é que queria um trabalho assim", dito com aquele tom de voz azedo, de inveja, de "quem me dera a mim!" cheio de raivinha dos dentes. E por acaso alguma vez tentaste concorrer a algo do género? Procuraste? Foste atrás? Não! Então não podes reclamar que nunca conseguiste nada igual, nem achar que só acontece aos outros. Enquanto não mexeres as perninhas para correres atrás dos teus objetivos e deixares os outros sozinhos na corrida, claro que só acontece aos outros.

"Só eu é que não arranjo emprego" mas passam o dia em casa sem procurar nada. "Só eu é que não viajo" mas nunca poupam dinheiro para essa meta. "Só eu é que não emagreço" mas não fazem dieta nem exercício. Valha-me Deus. Não sei do que estão à espera. Talvez que as coisas caiam do céu. 
Juro que me irrita este tipo de pensamento. A estas pessoas que só invejam as coisas dos outros, as vidas dos outros, e que falam disso com aquele ressentimento, acrescentando sempre um "só a mim é que não acontece" mas não fazem nada por isso, apetece-me dar-lhes um murro bem no meio dos olhos. Pronto, já disse. 

E não vale a pena deitar esse olho gordo às vidas dos outros, dizer que as pessoas é que têm sorte, arranjaram um tachinho, têm pais ricos, etc. Sabemos que tudo isso existe sim, mas não vimos a trajetória da pessoa até conseguir aquilo. As horas de trabalho a mais enquanto estamos na nossa casinha só a invejar os outros. Os fins de semana longe da família. As noites mal dormidas. Enfim, é muito fácil invejar só o sucesso, sem termos visto o caminho que foi feito até lá e os sacrifícios que isso envolve e atribuir esse sucesso à sorte. A sorte somos nós que a fazemos. É pôr os pézinhos ao caminho, reclamar menos e trabalhar mais, a ver se as coisas boas não nos acontecem também.

11 comentários:

  1. "Só vêem os copos que eu bebo, não vêem os tombos que eu dou" e é bem verdade ;)

    ResponderExcluir
  2. Quando se alcança um resultado positivo e notório, normalmente houve muito trabalho até lá. Esse trabalho nem sempre é notado, talvez porque não se veja imediatamente o seu resultado, mas, continuando, os resultados chegam. Depois, parece que foi tudo dado ou fácil... :) mas não, dificilmente os objetivos são atingidos do nada.

    ResponderExcluir
  3. Sinto a tua dor! Fico de ouvidos cheios ao ouvir essas coisas, não tenho paciência!

    ResponderExcluir
  4. Tenho uma colega de trabalho assim e digo-te estou farta de a ouvir ! Só se sabe queixar !

    ResponderExcluir
  5. Todas as pessoas querem as coisas boas da vida, mas não estão nada dispostos a fazerem sacrificios ou correrem atrás. Esperam que caia tudo do céu.
    Conheço tanta gente assim :(

    ResponderExcluir
  6. O que eu me ri com o teu "apetece-me dar-lhes um murro bem no meio dos olhos" ah ah ah mesmo,dá mesmo vontade

    ResponderExcluir
  7. Como te compreendo quando dizes " horas de trabalho a mais enquanto invejamos ou outros que estão em suas casas".

    ResponderExcluir
  8. Completamente de acordo. Ainda agora aconteceu. Algumas pessoas na empresa vieram uma semana mais cedo trabalhar porque não temos direito as férias todas. O pessoal da produção andou a limpar a empresa, o pessoal administrativo retomou o seu trabalho porque os e-mails não pararam de chegar desde que fomos de férias. Ia eu a atravessar a empresa juntamente com uma colega quando se ouve outra dizer : pessoal cuidado que vem ai as patroas da fábrica. E sim são pessoas que não pretendem ficar nem mais um minuto depois da hora para ajudar o patrão. Gentinha triste!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso será sempre assim, principalmente nestes contextos de fábrica em que há muita mão de obra de várias especializações. Os operários vão sempre achar que os do escritório é que têm a vidinha toda feita, não têm problemas, não têm chatices, trabalham pouco e ganham muito. Era pôr essas pessoas a fazer o trabalho dos do escritório a ver se diziam o mesmo depois. Vem vejo pelos exemplos que tenho em casa e de pessoas próximas. Não quer dizer que não tenham razão em muitas coisas, há realmente muita gente que não faz nada e ganha muito, que vai tendo sorte, que tem cunhas, etc etc, mas não são todos iguais.

      Excluir