segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Vivo o amor como me faz feliz, sem seguir recomendações dos outros

Quando comecei a namorar, com 14 anos, eu e o meu namorado decidimos que, nas férias grandes, nos veríamos dia sim, dia não, para não nos fartarmos um do outro. Ah a ingenuidade da idade... Até que a ideia era bem madura para a idade e para um par de adolescentes que estava a conhecer o amor e essas coisas todas, mas rapidamente percebemos que não fazia sentido nenhum para nós. Gostávamos um do outro, gostávamos da companhia do outro e queríamos estar juntos sempre que possível. Em menos de nada, este sistema completamente racional e maduro caiu por terra. So what se nos fartarmos um do outro? Que seja! Não vamos deixar de fazer as coisas que queremos com medo do que possa acontecer futuramente. 

A verdade é que já passaram 10 anos e continuamos a fazer o máximo de coisas possíveis juntos. Sim, somos quase vizinhos. Sim, andamos sempre na escola juntos. Sim, fomos tirar o mesmo curso na mesma faculdade. Sim, somos uns colas. Não, ainda não nos fartámos um do outro! Agradecemos a preocupação de terceiros, mas é assim mesmo que gostamos de ser e de viver. Temos tempo e liberdade para fazermos coisas individualmente, para estarmos sozinhos e fazermos coisas que o outro não gosta/não quer. Temos amigos em comum, óbvio, já que frequentamos os mesmos sítios e conhecemos as mesmas pessoas desde os 5 anos. Mas isso não impede que cada um de nós tenha amigos que sejam só de um ou não possa fazer planos que não incluam o outro.

Acho muito triste quando as pessoas vêm com essa conversa de que passamos o tempo todo juntos e, por isso, nos vamos fartar facilmente um do outro. Como podemos ver, tem funcionado para nós viver assim. Não somos melhores do que ninguém e o que funciona connosco não tem que funcionar para todos. Há pessoas que precisam de muito espaço, de estarem sozinhas e que se fartam facilmente dos outros. Cada um deve viver as relações como bem entender. Eu não percebo como alguém pode amar outra pessoa e não querer aproveitar todo o tempo disponível para estar com essa pessoa, mas não é por isso que digo que as relações dos outros vão falhar. Agradecia que tivessem essa mesma consideração por mim. Se eu quiser passar 24/7 com o meu namorado e ele quiser isso também, se nos sentimos bem assim e é assim que faz sentido para nós, então não me parece que sejam os outros a ter que definir os contornos da minha relação e da minha vida.

Descansem as alminhas que pensam que quando tudo acabar (e quem disse que vai acabar, já agora? Ninguém sabe, nem nós!), vamos ficar os dois sozinhos, isolados do mundo, sem saber viver sem ser em par. Relaxem, temos a nossa vida individual e somos adultos bastante independentes e com relacionamentos saudáveis com outras pessoas. Não é porque eu passo muito tempo com o meu namorado que deixo de prestar atenção às outras pessoas da minha vida. Não vou ficar só e abandonada se um dia o nosso namoro acabar, tal como não fiquei quando isso aconteceu. 

Eu não sei amar com cautelas. Sou de tudo ou nada, em tudo na minha vida. Dou tudo de mim, sempre. Quando gosto de alguém, seja quem for, quero estar com aquela pessoa o máximo de tempo possível e fazer muitas coisas com aquela pessoa. Namorar para nos vermos só ao fim de semana, por opção, porque tenho mais que fazer à semana ou estou cansada ou não me apetece ver aquela pessoa,  não dá para mim. Ótimo para quem quer viver assim - be it - mas eu prefiro um dia fartar-me dele porque estou sempre com ele e conheço tudo dele, do que passar anos com uma pessoa que não conheço ou com quem só quero estar de longe a longe.

7 comentários:

  1. O que interessa o que os outros pensam? O que verdadeiramente interessa é que vocês se sintam bem assim um com o outro. Felicidades :)

    ResponderExcluir
  2. As pessoas tendem a ter muitas opiniões sobre a vida e relações alheias mas a verdade é que cada pessoa é única e o que funciona para uns pode não funcionar para outros... se funciona para vocês assim, continuem e sejam felizes!

    ResponderExcluir
  3. Eu e o meu homem também somos uns colas ahah! Identifiquei-me imenso com o post babe <3
    THE PINK ELEPHANT SHOE

    ResponderExcluir
  4. E quem fala assim não é gago. Só vocês podem saber o que é bom ou menos bom para a vossa relação.

    ResponderExcluir
  5. Muito gostam as pessoas de se meterem na vida umas das outras. Eu quando comecei a namorar com o David (eu tinha 18 e ele 19) só nos víamos 3/4x por semana. Primeiro porque as nossas casas mesmo sendo perto são longe para quem andava de transportes. Segundo, porque eu estava na faculdade e precisava de tempo para estudar/fazer trabalhos. Ainda assim tentávamos estar bastantes dias juntos. Hoje em dia, já a viver juntos quase há três anos, apreciamos a companhia um do outro mas - falando por mim - preciso, por vezes, de algum espaço. Não deixo de gostar dele mas gosto de ter momentos só para mim. E assim se mantém o equilibrio na nossa relação!

    ResponderExcluir
  6. "Eu não percebo como alguém pode amar outra pessoa e não querer aproveitar todo o tempo disponível para estar com essa pessoa"

    Eu também não percebo quem vive só para a outra pessoa, como se não houvesse mais ninguém no mundo. Contudo, pelo que escreves neste post, não parece ser o vosso caso. Mas, ainda que fosse, seja qual for a forma que escolhem para viver a vossa relação, estou completamente de acordo que só vocês sabem e ninguém deve meter-se.

    Ainda ontem fiz um post no blog sobre isso mesmo (o tema é diferente, fala de animais e não de relações), a forma como as pessoas querem impor a sua forma de vida aos outros.

    ResponderExcluir
  7. Cada um sabe de si e Deus sabe de todos ! Cada pessoa é única e o mesmo se aplica às relações .

    ResponderExcluir