segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Uma onda de amor

Sinto-me sempre bastante acarinhada e amada pelas pessoas que tenho na minha vida, mas mentiria se dissesse que são pessoas para andar sempre atrás de mim com declarações de amor e apreciação. Eu sou um pouco assim, na verdade, mas poucas são as pessoas que me rodeiam que têm essa mesma vontade de deitar tudo cá para fora. Não me queixo, pois apesar de não o dizerem, são pessoas que o demonstram nas mais diversas formas. 

É mesmo aí onde eu quero chegar. Para nos sentirmos amados e apreciados não precisamos que nos digam constantemente quanto nos amam, nos admiram ou nos apreciam. Palavras são boas, mas atitudes são melhores. São essas pequenas coisas que se têm revelado importantes. Toda a gente pode dizer o que quiser, mas é como diz o ditado, "palavras leva-as o vento". Embora goste de palavras, gosto ainda mais de atitudes e de comportamentos que me indicam que as pessoas que amo me amam de volta. Nesta fase da minha vida, em que tenho focado as minhas energias cada vez mais em quem me faz bem e em manter na minha vida só as pessoas que eu gosto e que gostam de mim, tenho sentido um amor tão grande à minha volta que nem sei se serei merecedora de tanto.
Ultimamente já várias pessoas me surpreenderam pela positiva e são gestos que aquecem muito o coração. 

Costuma-se dizer que é nos momentos maus que vemos os nossos verdadeiros amigos, mas eu cá acho que é também nos momentos felizes que vemos quem realmente gosta de nós. Estar lá (ou dizer estar) quando estamos mal é muito fácil pois toda a gente gosta de se sentir útil, gostamos de mostrar solidariedade e o mal dos outros, mesmo que inconscientemente, reforça o nosso bem. É ele que está mal, não sou eu. Ficar genuinamente feliz pela felicidade dos nossos amigos já exige um nível de amizade de outra magnitude. A felicidade dos outros incomoda muita gente. O sucesso dos outros, a felicidade, a realização, as coisas boas que acontecem aos outros relembram-nos que estão a chegar aos nossos pés ou até estão melhores do que nós e só quando se ama verdadeiramente alguém é que isso não se torna ameaçador. Para mim, essa é a essência de uma amizade verdadeira: não há ciúmes, não há competição para ver quem tem mais ou melhor, não há invejas, mas sim uma alegria genuína por saber que os nossos amigos estão bem, estão felizes. 

Fico ainda mais feliz por saber que a minha felicidade é motivo de felicidade também para os outros. Que toda a gente torce por mim, que me querem bem, que me querem ajudar no que puderem. Sou muito agradecida pelas minhas conquistas e ainda mais pelas pessoas com quem as partilho. Sem falsas modéstias, esforço-me para ser sempre a amiga que gostaria de ter, por isso acho que mereço retribuição, embora não esperasse tanto amor em troca do que faço porque quero, porque gosto e porque é assim que sou. 

4 comentários:

  1. Concordo bastante com o que dizes: os amigos ficam felizes com as nossas conquistas são dos melhores amigos que podemos ter.

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre preferi atitudes. As palavras podem ser ocas mas as atitudes dizem muito!

    ResponderExcluir
  3. Regra geral, "as pessoas querem ver-te bem, mas nunca melhor que elas" ;) quando isso não se aplica, são verdadeiros amigos.

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente com " palavras leva-as o vento". Para mim o verdadeiro valor está nas nossas atitudes . Beijinhos

    ResponderExcluir