quarta-feira, 23 de agosto de 2017

É de desconfiar...

Sabem aquele velho ditado popular que diz "Quando a esmola é grande, o santo desconfia"? É mais ou menos aquilo que eu sinto sempre que as coisas me começam a correr bem. I mean, sou uma privilegiada em muitas coisas, sou feliz, tenho uma vida estável e sem grandes problemas, é certo, mas já me fodi muito na vida. Desculpem lá a expressão mas é mesmo assim. Sempre que eu faço planos, alguma coisa corre mal. Sempre que eu penso "é desta" alguma coisa acontece para me deitar ao chão. Não entendam isto como uma queixa, porque de facto não me posso queixar muito, mas é a minha realidade. As coisas nunca acontecem como eu imagino, como planeio ou como quero. Há sempre alguma coisa que estraga. 

Baseada nesta experiência de vida de estar sempre "a tomar no cu", como dizem os nossos amigos brasileiros (eu hoje estou mesmo sem filtro), e como, ainda por cima, sou uma pessoa extremamente cautelosa e prudente, desconfio sempre quando as coisas correm bem. Tenho dificuldades em aceitar que as coisas me possam começar a correr bem, de facto. É também baseado naquele velho ditado do "não deites foguetes antes da festa". Não gosto de festejar antes de ter realmente motivos. Só acredito quando vejo, quando está feito. Até lá, mesmo que tudo indique que vai dar certo, tenho dificuldade em aceitar isso e relaxar. Ando sempre com medo que as coisas não dêem certo porque raramente dão. É bom ser prudente, claro, mas acho que esta forma de pensar e agir também me tira muito do lado bom de qualquer experiência que é saborear as coisas à medida que acontecem. 

Bem sei que poderia festejar os pequenos passos que levo em direção ao estado final das coisas que pretendo. No fundo, aquela coisa ficou feita, não há volta a dar. Significa apenas que as posteriores podem não correr bem, mas aquela está certa e deveria ser saboreada sem a sombra do possível fracasso das coisas que estão por vir. Para colmatar esta dificuldade em aceitar que posso começar a ter sorte na vida, que as coisas boas não acontecem só aos outros, tenho tentado pensar sempre nas coisas de uma forma mais positiva. Eu sou uma pessoa positiva, na verdade, mas toda esta consciência do que pode correr mal também ofusca esse lado, por isso é preciso treinar os pensamentos positivos. Quando começo a stressar muito, tento pensar noutros momentos em que as coisas correram bem, em que tudo deu certo. Ou que a sorte não bate só à porta dos outros. Ou que, mesmo correndo mal, tal nunca foi impeditivo de tentar de novo e conseguir. É uma luta, a sério. 

7 comentários:

  1. Nada acontece da mesma forma, umas vezes será pior, outras melhor. A vida tem esta inconstância. Isso pode, realmente, gerar ansiedade, querer controlar, garantir, certificar, que correrá bem. Podemos fazer por isso, apenas, mas descontraidamente, porque os resultados podem ser imprevisíveis. É bom acompanhar o movimento da vida, é viver o momento, que não é fácil, porque estamos mais habituados em planear o futuro, relembrar a experiência passada e agir de acordo com ela, do que em viver o presente... Penso que esta é uma aprendizagem que tem que ser feita por cada um, e de forma ponderada, porque, por vezes, pode resultar num viver o momento inconsequente... haja equilíbrio! :)

    ResponderExcluir
  2. Olá.. o teu texto parece que foi escrito por mim ., também não me posso queixar, mas no que toca à parte profissional , nem sei o que dizer. Acho que tenho matéria para um livro . Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Sou muito como tu. Já tantas coisas me correram mal que quando algo corre como planeado eu fico parva. Eu cá prefiro festejar quando atinjo a meta e alcanço aquilo que desejo. Fora isso não conto nada a ninguém!

    ResponderExcluir
  4. Identifico-me tanto com este teu post. Parece que quando tenho as coisas delineadas há sempre algo que me troca as voltas - para pior!

    ResponderExcluir
  5. Consigo identificar-me perfeitamente com este texto!!!
    https://jusajublog.blogspot.pt/?m=1

    ResponderExcluir
  6. Como este texto me diz muito. Infelizmente, têm sido mais as coisas más que boas, mas quando elas acontecem até tremo. Aliás começo a entrar numa espiral de "ses" que nem é bom.
    Mas vou partilhar contigo uma coisa que me disseram há uns tempos e que me tocou imenso o coração, quer pela pessoa que o disse, quer pela forma como o disse: "um dia, vai ter tanta sorte que nem sabe o que fazer com ela". Espero que este dia chegue, quer para mim, quer para todas as pessoas boas que se cruzam comigo e que, infelizmente, a vida gosta mais de lhes oferecer pontapés :).
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Arrepiante, este post podia ter sido escrito por mim! Cada palavrinha.

    ResponderExcluir