sexta-feira, 7 de julho de 2017

Detesto perder ou estragar coisas

Sou uma pessoa cuidadosa e, acima de tudo, apego-me facilmente aos meus pertences. Como, ainda por cima, nada me cai do céu e tudo o que tenho é conseguido com o meu esforço e com horas de trabalho, dou ainda mais valor às coisas. Custa-me estragar alguma coisa que possuo ou que as coisas simplesmente se estraguem ou as perca. Gosto de ter tudo bem cuidado, de estar sempre tudo "como novo". Tenho dó de partir coisas. Detesto partir louças, por exemplo. No outro dia comprei um serviço de chá muito lindo e o primeiro pensamento foi "E se isto se parte? Depois fica tudo desirmanado". É que eu apego-me mesmo às coisas e fico com pena que se estraguem ou se partam. 

Começo a compreender aquelas pessoas que têm coisas para usar no dia a dia e outras para dias especiais. É que, vendo pela minha casa, não dá para ter coisas bonitas ou valiosas a uso. O meu pai e o meu irmão são uns trengos, não têm cuidado com nada, não pensam nestas coisas. Se estragar, estragou; se partir, partiu. Não sou nada assim. Também não sou daquelas que nem usa as coisas para não estragar porque se as temos e se gastamos dinheiro com aquilo, é para dar uso. Não chego a esse extremo, como uma tia que não deixa ninguém sentar nos sofás para não estragar (então para que é que comprou??). Mas as pessoas podem fazer uso das coisas com cuidado. Acidentes podem acontecer, mas podemos evitar muitos deles se formos mais cuidadosos com as nossas coisas. 

Houve uma altura em que eram sempre as minhas roupas que se estragavam na máquina. Vinham sempre manchadas ou mudavam de cor. Sei que não era de propósito, mas ainda por cima era só com roupa minha que acontecia. Ficava possuída. Mesmo não sendo propositado, eram coisas que nunca mais podia usar e era, quase sempre, alguma peça que adorava! Depois tenho imensas roupas que uso e uso e uso e começam a ficar gastas, velhas mesmo, e isso dá cabo de mim. Queria que desse para ter aquelas coisas intactas para sempre. Mas ou são as calças que se rompem no meio das pernas ou as camisolas que ficam descoloridas/deformadas ou se mancham ou começam a ficar velhas de tanto uso.  

Apego-me às coisas. Não é uma questão de não querer gastar dinheiro noutras coisas novas, mas sim de preservar o que tenho. Não morro por ter que comprar roupas novas, pelo contrário, até gosto muito; mas gostaria ainda mais de que as outras que adoro continuassem a ser usáveis por muitos e muitos anos. Quando gosto de uma coisa, gosto mesmo. Consigo associar boas memórias, seja a uma sensação ou a uma situação em que estava a usar aquilo em específico ou porque foi alguém importante que me deu, sei lá. As coisas nem sempre são só coisas: são a maneira como nos sentimos quando as usamos ou quando as temos, quando as recebemos ou quando as compramos, são as memórias que fizemos com elas. Por isso me custa tanto perder ou estragar alguma coisa minha.

7 comentários:

  1. Como eu te compreendo! Quando vivia em casa dos meus pais, o meu pai e irmã eram os trengos e continuam a ser, mas agora já tenho a minha casinha e tenho a sorte de ter um namorado cuidadoso e que estima o que temos. Depois veio o gato... "destruir-nos a casa"

    ResponderExcluir
  2. Compreendo bem o sentimento, mas acho que já fui mais assim do que sou agora. Continuo a não gostar de estragar nada, mas mudar de casa tantas vezes acabou por diminuir o meu apego a muitas coisas. Há sempre um ou outro objeto com algum valor sentimental, mas no geral, acho que "desapeguei". Já o meu namorado, é dos que não usa para não estragar e eu passo-me com ele =p

    ResponderExcluir
  3. Também sou um bocado assim mas tenho tentado desapegar-me um bocado senão estava sempre a sofrer!

    ResponderExcluir
  4. Também sou um bocado assim, porém nos dias que correm tento não me chatear muito .

    ResponderExcluir
  5. Compreendo-te perfeitamente. Eu sofria tanto com isso que tive que começar a praticar mais o desapego pois chegava a sentir-me mal fisicamente quando acontecia alguma coisa. Continuo a ser cuidadosa e a querer tudo como novo mas se acontecer alguma coisa já não me martirizo tanto (ou pelo menos evito fazê-lo).

    ResponderExcluir
  6. Sou como tu! Gosto muito de compras mas, também gosto de ter as minhas coisas estimadas como se novas fossem. Por vezes, no meu quarto apareciam coisas que tinham caído ou assim (por causa da minha empregada) e eu ficava consumida com isso porque comigo (dona das coisas) isso não acontecia...

    ResponderExcluir