quinta-feira, 27 de abril de 2017

There is no such thing as too many books | Um dia by David Nicholls


Já tinha visto o filme que este livro inspirou há uns anos. Depois de ler os outros dois livros do autor (aqui e aqui), decidi ler este também, para completar as obras dele. Já sabia a história, mas eu tenho uma grande vantagem nisto dos filmes: é que eu vejo e esqueço-me facilmente das histórias e pormenores, passados uns tempos. Sabia, por exemplo, o grande momento da história (que na altura odiei, daí lembrar bem!) mas, mais que isso, já me passava ao lado. 

A história de como este livro me veio parar às mãos é muito caricata. Encomendei-o da Wook no Verão do ano passado mas não veio com a encomenda porque estava esgotado. O meu namorado, sabendo disso, andou sempre a tentar encontrá-lo. Como nunca mais conseguiram ter o livro em stock para me enviarem, acabei por gastar o reembolso a comprar livros para oferecer no Natal ao meu namorado. E o que é que ele fez? Deu-se ao trabalho de procurar e pesquisar muito só para encomendar o livro com esta capa (para fazer conjunto com os outros dois) e não com a capa do filme, para me oferecer no Natal também :) Um fofinho. Mas vamos ao que interessa:

Sinopse: 15 de Julho de 1988. Emma e Dexter conhecem-se na noite em que acabam o curso. No dia seguinte, terão de seguir caminhos diferentes. Onde estarão daqui a um ano? E no ano depois desse? E em todos os anos que se seguirão? Vinte anos, duas pessoas, um DIA.

Adorei o livro, do início ao fim. Uma das vantagens deste autor é que ele escreve de forma muito simples, quase como se estivesse a falar connosco, e as suas histórias são muito facilmente relacionadas à vida de qualquer um de nós. Adorei os relatos iniciais do livro, quando as personagens estavam nos seus vintes. As dúvidas, as incertezas, aquele achar que devemos ter resposta para tudo e sermos logo as melhores versões de nó mesmos, como se já tivéssemos obrigação de ter a vida definida, fez-me sentir que aquilo foi escrito sobre mim, para mim. São as nossas mesmas dúvidas, as nossas inseguranças, os nossos medos, as nossas lutas ali, naquelas duas personagens tão diferentes. E depois o desenrolar dos anos, o contínuo achar de que a nossa vida é incerta, que ainda nos falta fazer muito, as preocupações com a carreira e com a vida dos nossos amigos que muda e avança e as nossas parecem estar sempre na mesma. As pessoas começam a casar, a ter filhos... Muito interessante. E, claro, a relação entre as duas personagens é genuína, nua e crua. Gostei tanto! Não vou dar spoilers, claro, para não estragar a história, mas aquele final é tão bonito, dentro de toda a tristeza!

Lembro-me de ver o filme e ter ficado revoltadíssima com o final, que não tinha jeito nenhum, que aquilo era gozar com a nossa cara. Agora, com mais uns aninhos em cima, a saber um bocadinho mais da vida, já achei o final bastante adequado, bonito até. Aquela coisa de aproveitarmos a vida porque não sabemos se vamos ter tempo de fazer tudo o que queremos depois... Esse depois pode nem chegar. 

Ao ler este livro, ri-me muito, achei algumas partes bem tristes e outras muito bonitas, quase chorei... Enfim, é um livro cheio de emoções, despretensioso e muito bonito. Aconselho muito a ler, tal como os outros dois do mesmo autor. Este foi o meu preferido dele, mas os outros também são bons.
Agora quero é rever o filme :) 

5 comentários:

  1. Já vi o filme e achei o mesmo sobre o final! Se calhar, agora mais velha, devia rever também;)


    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderExcluir
  2. O filme é lindo lindo! Talvez arrisque a ler o livro :p

    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderExcluir
  3. Oh, eu vi o filme. Gostei tanto!!

    ResponderExcluir
  4. Este é daqueles casos em que o filme consegue cativar-me tanto como o livro. É uma estória muito, muito bonita. Dexter e Emma ficaram-me no coração. Deste-me vontade de voltar a pegar no livro e ver o filme... Já li e vi em 2012.

    ResponderExcluir
  5. Esta história parece-me familiar, já devo ter visto o filme e não me lembro... E o teu namorado foi um fofinho, sim!

    ResponderExcluir