segunda-feira, 17 de abril de 2017

I am not ashamed

Numa altura em que toda a gente vai para todo o lado a toda a hora, quase parece sacrilégio dizer que nunca se viajou.
Quero muito conhecer imensos sítios fora de Portugal, mas ainda não tive oportunidade. Na verdade, mesmo dentro deste nosso país maravilhoso, cheio de coisas bonitas, poucas são as cidades, cantos e recantos que conheço. E não tenho vergonha nenhuma de assumir isso.

Reparemos: não tendo pais ricos, as oportunidades de fazer coisas deste género diminuem logo, e muito. Acrescenta-se o facto de os meus pais não serem pessoas particularmente interessadas nesta coisa de conhecer o mundo, daí nunca terem também querido sequer meterem-se em aviões e saírem à descoberta. Quando somos mais novos, estes dois fatores são importantíssimos para isto das viagens. E depois, eu passei 17 dos meus 24 anos a estudar. Não havia grande tempo e muito menos dinheiro para essas aventuras. Bem sei que é precisamente nesta altura de estudante que muita gente aproveita as férias grandes e a facilidade de faltar às aulas para fazer viagens, mas, volto a frisar, não tenho pais ricos nem particular gosto em extorquir os meus pais só para não ficar atrás dos outros. 

Começando a trabalhar e tendo tido sempre empregos precários e mal pagos, também não sobrava muito para gastar em viagens. Na verdade, as prioridades também foram outras. Paguei o meu mestrado, coloquei aparelho ortodôntico (só o dinheiro disso, dava para umas quantas viagens low cost!), quis poupar para outras coisas que considero mais importantes neste momento da minha vida e, acima de tudo, quis fazer a minha vida com o pouco que tinha sem pedir nada a ninguém. No meio disto tudo, talvez tivesse conseguido encaixar uma viagem. Hoje em dia também temos a vantagem dos voos low cost. Mas eu trabalhei semana e fim de semana, feriados e dias de festa, sempre. Onde haveria de ter tempo para enfiar uma viagem, mesmo que de poucos dias? E depois, nunca surgiu a oportunidade de ir com alguém e é sempre mais fácil fazer tudo isto quando há outra parte envolvida, com quem fazer planos. 

Posto isto, só agora, com este emprego mais estável, com fins de semana livres e com um salário melhorzinho é que poderei começar a pensar nisso. E vai daí nem por isso, que estou em contenção de despesas para algo mais essencial à minha vida. Mas se surgir a oportunidade e tiver uns dinheirinhos extra, sou toda a favor da aventura! Por enquanto, resta-me pensar que, ao contrário do que as pessoas pensam, não tem mal nenhum nunca ter saído de Portugal (em criança e ali à fronteira com Espanha, não conta). Só tenho 24 anos e uma vida pela frente, ainda há de surgir o momento certo para tal. Não tenho vergonha nenhuma de assumir isto. Vergonha é fazer de conta que podemos levar uma vida que claramente não conseguimos financiar. 

17 comentários:

  1. Eu já viajei um bom bocado. Mas sempre pago por mim. Porque tive essa possibilidade. Mas ninguém te deve julgar por tu não teres viajado. Has de ter a oportunidade de o fazer! Garanto-te! E vai ser super divertido :)


    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderExcluir
  2. Ora cada um viaja ou não se quiser e ninguém tem de te julgar ora! Tu tens outras prioridades e objetivos, o que disseste precisava de ser dito. Deve haver mais pessoas a sentir o mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Percebo totalmente, porque tive uma mãe igual. O interesse era ir para o Algarve todos os verões (e sempre para o mesmo sítio). Mas eu sentia que me faltava algo, sou sincera.. Talvez porque a minha mãe literalmente me proibia de andar de avião (mesmo que fosse uma viagem a 5€) e de ir com os meus amigos para outros sítios.
    Por isso, a primeira vez que "viajei" mais a sério tinha 19 anos. Tive uma proposta de ir uma semana para Espanha por 75€ com vôos, seguro, estadia e comida tudo incluído. 75€!! E a minha mãe não me queria deixar ir. Tive de dizer "daqui a um ano, posso estar a estagiar fora com o meu dinheiro, e aí não me vais poder impedir. É o meu futuro". A partir daí tem sido mais fácil.. Cada vez mais. Até porque agora ela quer que eu ande de avião para ir a casa :P eheh. Isto para dizer que ela nunca sentiu essa necessidade, é certo.. Mas agora que eu a "forcei" e a levei, por exemplo, a Florença, ela disse-me "toda a gente devia estar aqui pelo menos uma vez na vida" e agradeceu-me mesmo muito por tê-la feito sair da sua zona de conforto.
    No entanto, essa arrogância do "como assim nunca foste ao sítio X?" mata-me. Olha, desculpa se não nascemos todos nessas condições! Há prioridades na vida. Até mesmo aqui na Suíça, há gente que está no seu ano de Erasmus vida louca (se bem que isto não é um país para se vir em Erasmus vida louca, nem percebo xD) e não me percebe quando eu não quero ir passear num fim-de-semana ou sair à noite. "estás aqui, tens de aproveitar" - dizem. Se tudo correr bem, não vou morrer amanhã e tenho muito tempo para aproveitar. Mas concordo que vou ter menos disponibilidade no futuro.. Como não quero trabalhar em Portugal para já, vou ter de usar as minhas férias para visitar a minha família e os meus amigos. Mas são opções... Prioridades, lá está.
    O comentário já vai longo, mas quero ainda aproveitar para dizer que é muito engraçado quando conheço pessoas de fora da Europa que ficam chocadas quando eu digo que nunca estive no sítio X. A primeira vez que me aconteceu foi nos Estados Unidos, quando estava lá a estagiar, e disse a um rapaz que vivia connosco que nunca tinha ido a Paris xP Bem, devias ver a cara de surpresa misturada com arrogância dele (ahahah). Agora tenho um mexicano na residência e é a primeira vez dele na Europa.. Ele foi passar a Páscoa a Barcelona e ficou chocada por eu nunca lá ter estado, dado a facilidade que é para mim. Mas o mais engraçado foi eu ter ficado chocada, a dizer "tu foste gastar 300€ para ir a Barcelona?!?! és louco?!?! Arranjas vôos noutra altura a 50€" e ele disse que para ele é super barato, porque ir do México seria muito mais caro xP Enfim... Perspectivas.
    Espero que não te tenhas cansado das minhas balelas a meio :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não me fartei nada, adoro comentários grandes :)

      Percebo muito bem o que dizes e essa perspectiva de "é aqui tão perto". É verdade que estamos na Europa e é fácil ir a qualquer país cá dentro, mas não é por ser fácil o acesso que há dinheiro ou oportunidade de ir. São perspetivas diferentes. De facto é-nos mais fácil visitar certos países "famosos" do que pessoas que estão do outro lado do mundo, mas pronto.

      Excluir
  4. Ora portanto estou na mesma situação. Fora de Portugal nunca fui e mesma cá dentro fui a poucos sítios..lá está não há pais ricos e eles não estão muito interessados em viajar - as prioridades sempre foram outras. Viajar enquanto estudava não dava porque não havia dinheiro. Neste momento apesar de empregada não posso dizer que me sinta estável para investir em algo desse género. O meu namorado brinca comigo quando vamos a algum sitio mais longe a dizer que estou no estrangeiro. Se gostava de ter viajado? Claro que sim. Mas lá está há outras prioridades.

    ResponderExcluir
  5. Nao tem que ter vergonha! Como disse ainda tem imensos anos para poder conhecer o mundo. E quando as condições não é estão reunidas só temos é de aceitar. Também eu desde que comecei a trabalhar não fiz nenhuma viagem. No primeiro ano aproveitei um voucher oferecido pelo meu irmão, no segundo ano passei uns dias por Lisboa e no ano passado não fui para lado nenhum. Temos de hierarquizar os nossos objectivos!
    https://jusajublog.blogspot.pt/?m=1

    ResponderExcluir
  6. Podia ter sido eu a escrever este texto, com a diferença de que tenho 26 e ainda nem acabei o Mestrado... quanto mais ter o 1º emprego.

    Mas havemos de lá chegar :)

    ResponderExcluir
  7. Os estímulos que recebemos dos nossos, direta ou indiretamente, acabam por nos influenciar e toldar a nossa maneira de olhar para as coisas. Conforme crescemos, alargamos horizontes e seguimos caminhos que, muitas vezes, se distanciam. Acho muito importante termos consciência das nossas possibilidades, porque isso faz com que nos sintamos bem resolvidos em relação a determinados assuntos. Além disso, nem todos temos as mesmas prioridades, os mesmos interesses, os mesmos objetivos de vida. E ninguém é dono da verdade. Não tens qualquer motivo para ter vergonha. Se se metessem em despesas maiores do que aquelas que podem suportar, talvez. Agora assim, não, de todo!
    O mais longe que fui foi a Espanha e não fui a nenhuma das cidades grandes, digamos assim. Se gostava de o fazer? Adorava! Mas ainda não houve essa oportunidade, porque, lá está, também não tenho pais ricos e foi importante investir noutras coisas, como os meus estudos, por exemplo. Por Portugal, felizmente, já viajei mais, mas agora nem tanto. A nossa situação muda e temos que nos adaptar e aceitar que não podemos fazer tudo aquilo que nos apetece.
    Irrita-me a arrogância com que algumas pessoas falam, como se fossemos obrigados a já ter ido a lugar x ou y. E não consigo compreender qual é a necessidade de manterem essa postura. Se elas podem, ótimo, aproveitem. A partir do momento em que não temos todos uma conta bancada avantajada, nem sempre nos podemos dar a esse luxo. Porque viajar oferece-nos imenso, mas por mais baratas que as viagens sejam têm custos que nem sempre podemos suportar. Quer seja por falta de dinheiro, quer seja porque o queremos guardar para outras coisas.

    ResponderExcluir
  8. Disseste tudo! Infelizmente não é nada fácil (barato) viajar e conhecer novos sítios.
    Por mais que se queira, se se tem outros objetivos e se está a trabalhar para eles, eu não vejo problema em não viajar. Temos pena, é por um bom motivo. Apesar de nos podermos dar a esse luxo, só o devemos fazer na medida em que cada um ache adequada para si e para as suas aspirações.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Estamos juntas. Nunca viajei para fora do país (a não ser em miúda e na fronteira de Espanha :P). Está muito na moda e tal, mas se não se pode, não se pode. Tb não tenho pais ricos e nunca pude fazer essa vida, também porque desde que comecei a trabalhar, foi sempre em regime temporário e mal pago. Além de ter um filho para sustentar. Logo... há que pensar nas coisas!

    ResponderExcluir
  10. Até me licenciar fui a Espanha e a Itália (no Erasmus). Depois que comecei a trabalhar, viajava muito cá dentro do país. Só quando me casei fui para outros continentes com o meu marido. Depois, em 2009, tivemos o azar de ele ter um ataque de pânico no avião, ter de vir ligado a uma garrafa de oxigénio. Desde então, nunca mais andou nem de avião nem de barco. As viagens têm sido, no máximo, até Espanha!

    ResponderExcluir
  11. Tens muito tempo ainda para viajar e isso é uma questão de prioridades. Há muita gente com posses e prefere fazer outras coisas. Eu não sou rica nem tenho pais ricos e já viajei muito, neste momento outras prioridades se levantam e estou paradita. É assim a vida :)

    ResponderExcluir
  12. Eu quero muito viajar, mas confesso que o gosto também só chegou agora! Também o que conheço são os Açores e Portugal :)

    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderExcluir
  13. Concordo a 100% contigo. Também não sou uma moça muito viajada e não tenho vergonha disso. Por acaso vou daqui a uns dias aos Açores mas tenho 32 anos e tenho tido outras prioridades e obstáculos até aqui!

    ResponderExcluir
  14. Não há nada para ter vergonha nisto. E é como dizes, tens toda a vida pela frente para tratar de "remediar" a situação =).
    Já no meu caso, fiz muitas viagens com os meus pais quando era pequena e sabes que mais? Não apreciava, era um frete enorme =(.
    Beijinho

    ResponderExcluir