sexta-feira, 7 de abril de 2017

Amor e uma cabana

Alguns dos vossos comentários ao meu post de pedido de ajuda para prendas de aniversário de namoro fizeram-me lembrar de um assunto que me anda a moer a cabeça. Atenção que não vou falar contra quem o sugeriu, porque vocês nem me conhecem ou sabem da minha vida o suficiente para saberem se é ou não viável casar ou viver junto. Foi apenas uma sugestão fofinha, eu sei :) Mas pessoas que me conhecem na vida real e me perguntam sempre quando caso, vou viver junto ou para quando um bebé, dão-me nos nervos.

É verdade que já namoramos há uma carrada de anos, temos uma relação estável e o desejo de fazer todas essas coisas "para ontem", mas também é verdade que não temos ainda meios para o fazer. Pessoas que me conhecem, os meus familiares e amigos, sabem perfeitamente que não é assim tão simples, ao estilo amor e uma cabana. Acabei o  curso em 2015 e andei todo este tempo em trabalhos precários ou sem trabalho. Só agora fiz um contrato que me permite alguma segurança. O meu namorado só agora arranjou emprego e nem sequer é certo que façam contrato. Não vou expor aqui a minha vida desta forma porque não interessa a ninguém se ganho muito ou pouco, se é suficiente para ser independente, manter uma casa, etc. O que importa reter aqui é que a minha vida só agora se começa a encaminhar e, ainda assim, falta que se encaminhe a vida dele. Não basta ter o desejo de fazer as coisas! Sou muito racional nesses assuntos. Por muito romântica e impulsiva que possa ser, sei perfeitamente que não é viável sair de casa dos meus pais neste momento, só com um salário certo (até ver, que isto hoje em dia está como está), só porque quero muito ir viver com ele. Que quero! Quero muito sair de casa, fazer a minha vida, termos o nosso cantinho. Sabe Deus como precisamos de ter o nosso espaço e como tem sido difícil o nosso dia a dia só porque cada um mora com os pais. As pessoas crescem, as relações amadurecem e cada vez mais precisamos das nossas coisas, do nosso tempo, do nosso espaço. Mas ainda não é viável. Espero muito que as coisas melhorem este ano para podermos dar esse passo o mais brevemente possível. Estamos a tratar disso, pelo menos, mas nada depende só de nós.

Isto tudo para dizer que acho muito estúpido e sem noção que as pessoas, mesmo sabendo da nossa vida, nos perguntem constantemente quando vamos morar juntos. Não há condições para o fazer e toda a gente que nos conhece verdadeiramente sabe disso, então para quê colocar pressão? As pessoas não sabem, mas às vezes estes comentários até magoam porque é algo que queremos tanto mas ainda não conseguimos, então é colocar constantemente o dedo na ferida. Ainda por cima vêm com a história dos bebés. Ainda nem vivemos juntos, vamos pôr-nos para aí a fazer bebés?? Valha-me Deus, as pessoas não são boas da cabeça, pois não? Não consigo ainda sustentar-me a mim mesma, quando mais a um filho... Anda tudo parvo! 

Eu sei que, muitas vezes, as pessoas falam por falar, nem pensam nas coisas antes de as dizerem, mas começo a ficar farta. Como se fosse tudo assim tão simples... Nos tempos que correm, todos estes passos têm que ser bem ponderados, assentes numa base minimamente sólida. Não quero apressar as coisas e depois não ter como sustentar a minha vida ou ter que voltar para casa dos meus pais. Há que pensar muito bem nas coisas, juntar dinheiro, ter as condições mínimas para conseguir levar uma vida a dois. Infelizmente só o amor  não chega. Se chegasse, há muito que viveríamos juntos e teríamos uns quantos bebés. 

12 comentários:

  1. Oooohhh :c Não te conheço pessoalmente, pelo que sugeri o pedido de casamento porque achei a data bastante especial (e porque sou uma romântica incurável, daquelas bem insuportáveis), mas concordo que não dêem um passo maior do que a perna. O que importa é estarem felizes um com o outro e amarem-se muito :) Isso já é meio caminho andado para o vosso futuro sorrir.

    ResponderExcluir
  2. Eu sinto muito isso, apesar de viver com o Johnny agora a pressão é: o casamento e os bebés, eu irrito-me tantoooooo!

    ResponderExcluir
  3. Compreendo-te perfeitamente. As relações são mais exigentes à medida que crescemos e queremos "avançar" e nem sempre é possível mudar mesmo que seja o nosso maior desejo. Como eu te compreendo!

    É muito sensato que ponderem tudo e sejam racionais no que toca a dar passos com essa importância e assumir responsabilidades que queremos que sejam possíveis de suportar. Só assim faz sentido.

    Estou a fazer figas para que a vossa situação vá na direção que mais desejam e que em breve concretizem sonhos partilhados :) Isso vai acontecer em breve, acredito!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. P.s. E tens toda a razão, as pessoas não têm noção quando estão sempre a insistir nesse tipo de coisas porque afinal, quem quererá mais isso do que vocês?! Se não aconteceu ainda é porque não é possível! Mais valia estarem caladas... mas essa qualidade nem toda a gente tem...

    ResponderExcluir
  5. Thank for your visit! Have a lovely Day! 🌻🌻🌻

    ResponderExcluir
  6. Odeio quando as pessoas se tentam meter demasiado nas nossas vidas. Eu já optei por responder ironicamente e dizer em tom de gozo aquilo que as pessoas querem ouvir, enfim...

    ResponderExcluir
  7. Eu percebo muito bem o que queres dizer. Mas também só sugeri aquilo porque achei que era simbólico à data! :)

    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que és nova e tens uma vida pela frente.
    E é muito importante a maneira como pensas, porque infelizmente o que não falta nos dias de hoje é gente a tentar fazer a vida sem qualquer tipo de condições e depois voltam para casa dos pais.
    Fazem muito bem em teres esse pensamento e seres ponderada, cada coisa a seu tempo.

    ResponderExcluir
  9. No meu caso, e uma vez que já vivo junta há 3 anos a pergunta é sempre a mesma: " E bebés?". Lá está eu até acredito que não façam a pergunta por mal, mas será que já estou assim tão velha (26 anos) para essa pergunta ser tão recorrente?! Por muito que queira responder em condições, já reviro os olhos quando ouço a palavra bebés!

    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  10. Pois, nós não sabemos a vossa realidade, daí as sugestões :P mas sabes... o meu namorado pediu-me em casamento, de joelho no chão e anel no dedo, com direito à nossa música e pessoas a assistir (era o meu aniversário) e foi um gesto amoroso. Em outubro deste ano, vai fazer 4 anos que isto aconteceu. Ainda não casámos. Já fomos viver juntos, mas ainda não casámos. Estamos noivos há 4 anos e iremos continuar até haver dinheiro para fazermos o casamento que queremos ;)

    Relativamente ao resto do teu post, as pessoas são mesmo sem noção. Compreendo-te lindamente. Detesto que me coloquem esse tipo de pressão. Mas, mesmo que vocês tivessem condições para tal, nada vos obriga a viver juntos, casar ou ter filhos e ninguém tem nada que pressionar. Toda a gente tem essa mania e chateia mesmo!

    ResponderExcluir
  11. Compreendo-te perfeitamente!! Também namoramos há 10 anos e continuamos a viver cada um em sua casa dos respectivos pais. Se ainda não nos "juntámos" é porque não há condições para tal...

    ResponderExcluir
  12. Poiiiis.... Concordo a 100%. Aliás, eu sou mesmo muito crítica em relação ao assunto e acho que se duas pessoas não consegue ser minimamente independentes do ponto de vista financeiro e vão logo morar juntas só pode correr mal. Não é ser pouco romântica, mas, como disseste, é mais do que amor e uma cabana. Infelizmente, o dinheiro é importante e é normal que provoque discussões! Conheço demasiados exemplos (de pessoas com 50 anos, por isso imagina com 20 e poucos...) de relações que não resultam, porque não sabem enfrentar os problemas financeiros em conjunto. Hoje em dia, este tipo de questões é muito importante.

    ResponderExcluir