quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Agradecer, sempre

O exercício é simples. Antes de deitar, agradecer tudo o que temos, as pessoas que nos acompanham, o tanto que já conquistamos. 

Contextualizando: fui ensinada a acreditar em Deus. Fui batizada, andei na catequese e fiz as duas comunhões, ia sempre à missa em pequena, rezava o terço com a minha avó... Então sempre fui ensinada a rezar e a pedir a Deus as coisas que queria muito. Hoje em dia não sei se acredito ou não em Deus, na religião ou em que religião, nem sigo nada em especial no meu dia a dia a não ser os pressupostos básicos da educação, da decência, do amor ao próximo. Cientificamente e pondo a minha parte racional a funcionar, não acredito na existência de um Deus oculto e misericordioso mas que castiga e etc, tal como a Igreja diz. Então na Igreja, não acredito de todo. Mas gosto de acreditar que existe alguma coisa maior que nós e, na dúvida se essa coisa será este Deus que me impingiram desde pequena e como é mais fácil fazer como sempre me disseram do que estar a questionar tudo e entrar em dissonância, dou por mim por vezes a rezar e a pedir e a agradecer, tal como me ensinaram. Isto para dizer que é muito fácil pedir, seja a que Deus for, mas agradecer já é algo que custa muito mais e que raramente as pessoas se lembram. Em tudo na vida, queremos sempre mais e exigimos sempre mais dos outros, mas nem sempre tiramos um tempo para agradecer aos outros esses mesmos esforços, por exemplo.  E é esse exercício que gosto de fazer. 

Gosto de pensar nas coisas boas que tenho, no que já fiz na vida, nas pessoas que nunca me falharam e agradecer esta vida de que tantas vezes me queixo. No fundo, ao fim do dia, o prato que pesa mais na balança é o que tem sempre comida na mesa, um teto que abriga uma família feliz e unida, muita saúde e um amor companheiro de vários anos. E assim a angústia de não ter certas coisas que são também importantes e necessárias torna-se menor, sabendo que com a ajuda do que já tenho, será mais fácil conquistar o que me falta. 
Confesso que me esqueço muitas vezes, mas tento sempre fazer este exercício à noite, quando já estou pronta para dormir, como fazia em pequena e rezava a pedir coisas a Deus. Em vez de pedir (embora também o faça muitas vezes), agradeço. Acredito que é o segredo para uma vida mais feliz, este exercício de valorizar mais o que temos do que o que nos falta. 

4 comentários:

  1. Independentemente de religiões, ou de agradecerem como exercício diário, semanal ou anual...todos deviam ser agradecidos pelo que têm na vida, verbalizem ou não =)

    ResponderExcluir
  2. Sou católica, embora não praticante mas sim, eu agradeço o que tenho, agradeço a saúde, agradeço por tudo.

    Cátia ∫ Meraki

    ResponderExcluir
  3. Eu também rezo a pedir mas também a agradecer! Eu acredito em Deus, sou uma pessoa de fé. Contudo nos padres já não acredito tanto!!

    ResponderExcluir
  4. Vim procurar o texto que referiste no comentário ao meu post, porque tenho estado out da blogosfera nas últimas duas semanas... E é mesmo isto que sinto.

    ResponderExcluir