terça-feira, 10 de janeiro de 2017

There is no such thing as too many books | Lobo solitário by Jodi Picoult

Podem comprar aqui

O que eu mais gosto acerca da  escrita da Jodi Picoult é a capacidade que ela tem em agarrar o leitor, em criar histórias realistas e que facilmente nos transportam para o lugar daquelas personagens. O que faria eu naquela situação? É bastante fácil criarmos empatia com as personagens e de nos sentirmos no meio daquilo tudo. Apesar de nunca desiludir nesse aspeto, há histórias melhor conseguidas do que outras. Neste caso, apesar de ser um livro bom, fica um pouco aquém de leituras anteriores da mesma autora. Os seus últimos dois livros fazem um paralelismo com a vida animal (o anterior era com elefantes, este com lobos) e são diferentes do tipo de trama a que a autora nos habitua.  Não há cá grandes casos de tribunal, levados ao limite. Senti que este livro, nesse aspeto, foi um bocadinho "a despachar", havia ali mais para explorar.  Mas vamos ao que interessa...

Sinopse (wook):  "Quando um lobo sabe que o seu tempo está a terminar e que já não é útil à sua alcateia, muitas vezes escolhe afastar-se. Morre assim afastado da sua família, do seu grupo, mantendo até ao fim todo o orgulho que lhe é próprio e mantendo-se fiel à sua natureza. Luke Warren passou a vida inteira a estudar lobos. Chegou inclusivamente a viver com lobos durante longos períodos. Em muitos sentidos, Luke compreende melhor as dinâmicas da alcateia do que as da sua própria família. A mulher, Georgie, desistiu finalmente da solidão em que viviam e deixou-o. O filho, Edward, de vinte e quatro anos, fugiu há seis, deixando para trás uma relação destroçada com o pai. Recebe então um telefonema alarmante: Luke ficou gravemente ferido num acidente de automóvel com Cara, a irmã mais nova de Edward. De repente, tudo muda: Edward tem de regressar a casa e enfrentar o pai que deixou aos dezoito anos. Ele e Cara têm de decidir juntos o destino do pai. Não há respostas fáceis, e as perguntas são muitas: que segredos esconderam Edward e Cara um do outro? Haverá razões ocultas para deixarem o pai morrer… ou viver? Qual seria a vontade de Luke? Como podem os filhos tomar uma decisão destas num contexto de culpa, sofrimento, ou ambos? E, sobretudo, terão esquecido aquilo que todo e qualquer lobo sabe e nunca esquece: cada membro da alcateia precisa dos outros, e às vezes a sobrevivência implica sacrifício. Lobo Solitário descreve de forma brilhante a dinâmica familiar: o amor, a proteção, a força que podem dar, mas também o preço a pagar por ela."


Gostei, mas não considero que seja dos melhores livros da autora. Há outros bem melhores, mais emocionantes, com melhores desfechos inclusive. Contudo, não deixa de ser uma leitura que nos agarra e nos transporta para outras realidades. Sem dúvida que aconselho, ainda assim.

5 comentários:

  1. Por acaso não conheço a autora, mas apesar de não teres adorado a sinopse chamou-me!

    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens que ler! É a minha autora preferida e todos os livros dela são bons. O primeiro que li (e o meu preferido dela) é "Em troca de um coração". É mesmo bom. Aconselho todos, mas os que mais gostei foram o que já mencionei, "Tempo de partir", "A contadora de histórias"... Vê as reviews que já fiz de outros livros dela :)

      Excluir
  2. Adoro, é uma das minhas preferidas. Essa foi um das minhas leituras de 2016. Adoro.

    ResponderExcluir
  3. Adoro a escritora, já li uns quantos dela, mas esse ainda não!

    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderExcluir