segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

A arte de destralhar

Gosto muito de ter coisas, mas também adoro destralhar. Sou muito organizada e arrumada, quero ter sempre tudo muito arrumadinho e limpo. Claro que às vezes me desleixo um bocadinho e deixo as coisas para depois, principalmente na hora de tirar a roupa ao fim do dia e ir para a cama. Nem sempre me apetece guardar logo os casacos ou pôr a roupa para lavar na hora, por isso ponho para cima do puff e depois logo se vê. Só que não consigo viver assim e, no máximo, deixo que a situação se arraste durante um dia e vou logo arrumar. Não consigo olhar para a desarrumação e sentir-me bem, tenho que ter tudo organizado. E é por isso que, volta e meia, gosto de abrir os armários e destralhar.

Normalmente nas mudanças de estação vejo o que quero manter, o que tem que ser colocado noutra gaveta, o que é para o lixo e o que é para dar. Tenho cada vez mais tendência para usar as minhas roupas até ao fim, até estarem sem condições de serem usadas, mas há sempre uma ou outra coisa que não se usa tanto (ou nunca, vá, tenho que ser verdadeira) e acaba por ficar a ocupar espaço. É disso que me quero livrar. Eu não preciso de mais empecilhos na minha vida. O quarto é minúsculo, tenho pouco espaço e detesto ter as coisas atafulhadas. Não me sinto bem, parece que nem respiro em condições. O que, por algum motivo, não vou usar mais, sai. Faço o mesmo com bilhetinhos e coisinhas que guardo só por recordação (esta minha incrível habilidade para guardar lixo, é o que é) e que já nem me dizem nada, vernizes, papeladas, malas, acessórios de cabelo, brincos, colares... Tenho uma quantidade absurda de coisas-que-podem-um-dia-fazer-falta-ou-dar-jeito que acumulo e depois nunca têm utilidade. Lixo com isso. Gosto tanto de encher sacos com coisas para dar ou deitar ao lixo! Que sensação tão boa de liberdade, de limpeza!
E quando acabo estas limpezas a fundo e tenho o quarto arrumado, limpo, organizado, com a roupa toda bem direitinha nas gavetas, sinto-me tão melhor! Adoro mesmo esta sensação de desapego, de deixar ir o que não importa mais, não só coisas mas pessoas também. Deixar ir quem não nos faz bem, quem não precisamos nem precisa de nós, quem não acrescenta nada, isso sim, é a maior sensação de desapego e de destralhar que se pode sentir na vida. Volta e meia faço uma dessas também. Experimentem e logo me dizem se vale ou não a pena o esforço.

11 comentários:

  1. obrigada pelo comentário <3
    concordo plenamente, o que não importa mais vale ficar longe :)

    www.pinkie-love-forever.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adorooooo estes posts! E esses teus textos e tens toda a razão. Beijinho

    thebrunettetofu.blogspot.pt

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh, obrigada! Fico mesmo contente que gostes :)

      Excluir
  3. Faço isso pelo menos duas vezes por ano, o tirar roupa e coisas que não uso do armário, na maioria das vezes para dar!

    ResponderExcluir
  4. Nós somos i-g-u-a-i-s! É só o que tenho para te a dizer :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se calhar é por isso que a tua irmã gosta destes posts :p ahahah Temos que ser amigas! :)

      Excluir
  5. Eu não sou muito de destralhar, mas este ano decidi ser :)

    Beijinho,
    Daniela Silva
    ❀ Diamonds In The Sky

    ResponderExcluir
  6. Quem me dera ter esse hábito. Sinto que tenho o guarda-roupa cheio de roupa que não uso, mas aqui nos Açores, não sei onde dar a roupa e a quem dar. Mas chateia-me ter o guarda-roupa cheio de coisas que não visto!
    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz uma pesquisa... Eu costumo dar a pessoas que conheço, mas sei que há imensas instituições que aceitam este tipo de donativos.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  7. Eu sou como tu!!!
    Volta e meia e estou a fazer a volta geral na roupa. E tenho um lema, se não uso há 3 anos é porque não preciso ou não quero. Este lema ajuda-me a livrar-me desse síndroma das coisas-que-podem-um-dia-fazer-falta-ou-dar-jeito. O problema é que quando vejo tudo o que tenho para dar, começo a pensar no que gastei e que poderia ter poupado (e eu faço muitas compras por impulso...tão péssimo...eu sei..., mas estou a tentar melhorar isso!) e em vez de liberdade, o que sinto primeiro é na verdade tristeza e remorso... Normalmente, a sensação de liberdade só me chega depois...
    Enfim, ainda não fiz a minha limpeza este ano, mas está na lista. Torce por mim :P

    ResponderExcluir