domingo, 13 de novembro de 2016

Sempre pensei que a minha vida seguiria uma ordem natural: estudar, arranjar emprego, casar/viver junto, ter filhos. Para mim é assim que faz sentido. Sou daquelas que sempre fez tudo certinho e direitinho e, talvez de forma demasiado ingénua, acreditava que deveria ser recompensada por isso. Ou seja, por ter sido sempre uma aluna aplicada, dedicada e com bons resultados, acreditava que merecia ter já um emprego estável e, com isso, prospeção de sair de casa brevemente. Não sei, pode parecer estúpido aos olhos dos outros, mas eu sempre quis acreditar que coisas boas acontecem a quem as merece e eu sempre fiz por merecer. Mas depois vejo as outras pessoas a fazerem tudo ao mesmo tempo, a viverem a vida às avessas mas a levá-la em frente e a minha está parada. Tenho feito a minha parte e até agora não vejo a minha vida avançar. Vejo pessoas que nunca se preocuparam com estas questões a casar sem ter emprego, a ter filhos antes de acabar os cursos, etc, e às vezes questiono-me se não será melhor simplesmente deixar a vida correr e depois ver no que dá. É que, da forma como eu estou a tentar levar a minha para a frente, parece-me que vou chegar aos 30 sem ter nada, sem fazer nada. Ao menos os que arriscam fazer o que querem no meio do caos da incerteza acabam por viver as coisas. Eu, a adiá-las, não sei se algum dia as irei conseguir alcançar. Não sei se me faço entender ou se pareço uma totó, mas sinto muito isto. E sei que ainda sou muito jovem, tenho muito pela frente e a vida vai-se resolvendo, mas como control freak que sou estas coisas incomodam-me. Sou um bocadinho maluca da ordem e dos prazos para tudo. Quando penso nas minhas grandes metas, penso nelas em anos. Gostaria de estar casada com x anos, ter o primeiro filho x anos depois, por exemplo. E como sou assim e penso na minha vida desta forma, é difícil não começar a stressar com a passagem do tempo e a forma como tudo se está a arranjar (ou não).  O meu namorado diz que eu tenho demasiada pressa para tudo e é verdade. Quero as coisas para ontem. Stresso muito com isto e é precisamente por pensar na minha vida em prazos que começo a ficar frustrada. 

21 comentários:

  1. percebo-te tao bem. eu nao gosto muito de pensar no futuro exactamente porque me stresso logo com isso. sempre pensei que ia arranjar um emprego mal acabasse a faculdade, um emprego estavel e que me desse segurança. que fosse arranjar um namorado perfeito, com quem iria casar e ter uma tonelada de filhos. aliás, eu pensava que aos 25 anos ja estaria casada ou pronta pa casar -- e afinal a minha vida é uma confusão sem ponta que se lhe pegue.

    mas sabes o que te digo, vejo no fb montes de amigos meus a ter filhos -- e depois vou ver onde trabalham e é na zara ou no jumbo. e ok, bom pra eles, mas eu nao conseguia fazerisso. ter filhos sem ter a certesa que lhes posso proporcionar segurnaça e dar-lhes tudo o que eles possam querer.

    beijinho
    the-not-so-girlygirl.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Sinto o mesmo. No entanto, ao contrário de ti, tenho a vida profissional mais encaminhada mas nem namorado tenho. Quando era mais nova (12, 13 anos), dizia que queria ser mãe nova, ou seja, lá para os 30, já tinha mais que um filho. Hoje, ao pensar nisto, só me dá vontade de rir. Com 25 anos, não me imagino de todo a ser mãe, o que me faz achar que talvez não seja assim tao madura.

    De qualquer forma, acho que deves deixar a vida correr (q.b.) que, mais cedo ou mais tarde, tudo se vai compondo. :)

    ResponderExcluir
  3. Deixa a vida fluir.
    Tudo tem o seu tempo. Eu já fui assim , um pouco paranóica com prazos , mais a nível profissional. Mas não vale a pena, porque a vida troca-nos as voltas , quando menos esperamos. Uma coisa aprendi ( e continuo sempre a aprender ) é que a própria vida dá-nos sempre uma segunda oportunidade. Vais ver quando estiveres mais despreocupada tudo flui com harmonia , sem stress.
    Bom domingo. 🌞

    ResponderExcluir
  4. Eu compreendo-te bem. Também fui uma aluna exemplar durante anos e mais tarde na faculdade n era a melhor, mas estava entre os melhores. E considerei que depois n seria difícil arranjar um emprego ou estágio bom, no qual me pagassem (pelo menos alguma coisa). A vida provou-me o contrário. As minhas notas altas, a minha média elevada, de nada servem. Quase n contam e por vezes prejudicam-me!
    Actualmente a minha vida profissional ainda n arrancou e eu n quero que ela arranque nas condições que me propõem.
    Vejo-me com 25 anos e forçada a continuar a estudar. Quiçá tirar outra pós graduação e um doutoramento a ver se consigo pelo menos o salário mínimo quando for trabalhar.
    A nível pessoal, bem sempre me concentrei muito nos estudos e desleixei um pouco essa parte. Não tenho namorado, portanto acho que ainda estou na estaca zero.
    E sabes que mais? Finalmente aceitei as coisas como são e sinto-me feliz e realizada com o que faço no momento.
    Claro que, tal como tu, queria casar com certa idade, ter filhos.. E isso acho que é o que me custa mais.
    Há algum tempo que tenho vontade e sinto-me preparada para ser mãe.
    Claro que sem namorado e sem emprego não dá.
    Mas n estou desesperada. Deixo a vida fluir. Custou-me muito chegar a esta fase de aceitação. Mas a vida é muito mais doce quando aceitamos as coisas, o que a vida nos dá, no momento em que nos dá :)

    Conserva a esperança e a fé :)

    ResponderExcluir
  5. Olha, há muita coisa que me sinto como tu!
    Depreendi que ao fazer o meu curso estava a preparar-me para uma vida profissional de qualidade mas, até agora isso não aconteceu. Pensei que todo o esforço para fazer o curso seria recompensado em viagens, por exemplo mas, até agora tenho medo de dispender o meu pequeno ordenado nisso (estou a trabalhar fora da minha área).
    E portanto sair de casa também não está nos meus planos futuros.
    A nível amoroso não tenho namorado.
    Afinal, o teu caso é praticamente inverso ao meu.

    ResponderExcluir
  6. Tenta não pensar tanto nisso, sei que não é fácil, mas se estás sempre a pensar no futuro, não vais conseguir aproveitar o presente. Beijinhos :)

    ResponderExcluir
  7. A vida tem uma forma engraçada de nos pregar partidas. Revi-me imenso naquilo que disseste. Sim, também quero tudo para ontem. Quero, desesperadamente que as coisas aconteçam. Quero mudanças... Mas elas teimam, não é?
    Tal como tu também tinha planos para determinadas idades, mas parece que a vida não quer nada disso comigo.
    Profissionalmente e pessoalmente não vivo a melhor fase... O que deixa tristeza é o ela arrastar-se há demasiado tempo.
    Aquilo que te digo é: insiste, persiste e não desistas. Tal como tu, também quero acreditar que as pessoas boas hão-de recompensadas. Poderá é demorar um bocadinho mais. Visualiza como queres que seja o teu futuro, mas não te deixes absorver por essas visualizações. Usa o presente para tentares alcançá-las pensando "estou um passo mais próximo desse futuro". Sei que é muito difícil, mas é levar as coisas um dia de cada vez e aceitar com serenidade aquilo que não podemos mudar.
    Beijinhos e bom domingo

    ResponderExcluir
  8. é tudo verdade o que dizes. No meu caso, como a minha mãe foi mãe "cedo" (23 anos) parece que tenho ainda mais pressão para me despachar na vida. A realidade, é que já tenho quase mais 10 anos do que a minha mãe tinha quando me teve e não vejo bebés à vista... Há muita pressão em vivermos e acabamos por andar sempre obcecados com aquilo que não temos e que... não vivemos... =(


    Um beijinho dourado,

    http://obiquinidourado.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  9. O problema dessa ansiedade é que não permite muito viver o momento. As pessoas estão sempre a querer coisas, têm uma querem logo outra, estão sempre a correr atrás de algo e acabam por se sentir insatisfeitas. Nem o caos é bom nem o controlo, há um meio termo que tem a ver com a lucidez de cada momento, sem nos deixarmos levar demais por ideais, sonhos, aspirações. Eles vão surgindo e acontecem naturalmente se vivermos mais presentes no agora, que é o mais certo.

    ResponderExcluir
  10. Compreendo totalmente o que dizes. Estou na mesma situação. Tenho mestrado, já trabalhei na área mas era mal paga e era manipulada psicologicamente. Acabei por sair mas agora não consigo encontrar nada na area, nem respondem aos cvs que envio.
    Sinto-me uma desilusão para todos:família e namorado. Esforço-me tanto e não consigo ver frutos. E a verdade é que a pressão disto e da idade a avançar está a dar cabo de mim...
    Tento pensar positivo, mas é tão difícil ver os outros a avançar e eu não...

    ResponderExcluir
  11. As coisas acontecem mesmo quando menos esperamos. Eu entrei para a faculdade com 17 anos e pensei que aos 20 já estaria a trabalhar e com tudo mais encaminhado. Mas depois dei por mim a querer mudar de curso e a "perder" mais dois anos da minha vida. Quando acabei o curso já tinha 23 e demorei alguns meses a arranjar um emprego decente. Tinha também acabado com um namoro de 5 anos. Mas tudo se vai compondo. Sendo que até há bem pouco tempo tinha 25 e estava desempregada, e hoje estou num emprego que gosto muito e até já estou efectiva. As coisas boas não precisam de muito tempo para acontecer, só temos que ter calma e pensar que sim, somos recompensados e tudo se compõe. Boa sorte querida, vai correr tudo bem, de certeza :)

    ResponderExcluir
  12. Querida tudo a seu tempo. O nosso mal hoje em dia é a falta de paciência. Acredita que as coisas vão cruzar-se no teu caminho quando tiver de ser linda!
    THE PINK ELEPHANT SHOE // MEGA GIVEAWAY DE NATAL //

    ResponderExcluir
  13. Tenta não pensar demasiado nisso ( ... ) as coisas acontecem no momento certo :)

    ResponderExcluir
  14. Também já fui como tu! Tudo controladinho e na altura certa e de um momento para o outro...Puf!!
    Agora prefiro que as coisas vão acontecendo. Não vale a pena andar ansiosa. O que tiver de ser (e quando tiver de ser), será!

    ResponderExcluir
  15. Partilho muito dessa opinião. Vejo colegas de escola a casar e ter filhos e eu penso em encontrar um emprego seguro para poder arranjar casa para mim e depois sim pensar no resto...

    ResponderExcluir
  16. Volta e meia também ficava assim, sempre imaginei a minha vida completamente do que é agora. No entanto, com o tempo comecei a aceitar aquilo que tinha e por incrível que pareça as coisas começaram a funcionar melhor, a fluir. Cada fase tem o seu tempo!

    ResponderExcluir
  17. Também sou assim. Já planeei tanto na minha vida e nada tem saído conforme planeado. Mas sabes que mais? Ainda bem. Porque, até ver, tem corrido tudo bem melhor do que os planos (completamente ao lado, mas para melhor).

    ResponderExcluir
  18. Como eu te compreendo!
    É verdade que as coisas boas deveriam acontecer para quem merece. E eu sei bem o esforço que é "fazer tudo certinho", também me apliquei nisso. Às vezes acho que é muito ingrato porque não acontece assim e parece que todo o nosso trabalho foi em vão.
    Mas não pode ter sido! Temos de continuar a acreditar que alguma coisa muito boa estará em breve nas nossas vidas.
    Identifico-me contigo porque também sou um bocado maluca com a ordem das coisas e parece que tenho pressa para tudo, mas a vida ensinou-me que não podemos suspender os nossos planos por não correr tudo como idealizámos. Neste momento, sou o exemplo claro disso: vou casar e não estou despachada da minha formação nem tenho emprego.
    Mas, se encontrei a pessoa da minha vida e se é o que nos faz sentido, decidimos casar neste momento, conforme as nossas possibilidades (claro que é um caso à parte porque já moramos juntos e tudo mais). Se esperamos pelas condições "ideais" podemos nunca concretizar aquilo com que sonhamos. E para isso acontecer já basta o que não depende de nós.
    Acredita que coisas melhores virão aí! Se fizermos a nossa parte só podemos acreditar nisso e ficar de consciência tranquila.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  19. Minha querida M, compreendo perfeitamente a tua frustração e não pareces nada totó. Como em tudo na vida, um meio termo é a melhor solução. Tentar atingir o equilíbrio não é fácil, mas com a ajuda dos que te rodeiam (e a tua força interior), tenho a certeza de que vais conseguir. Fazer as coisas à toa também não é bom... Mas pensar e programar demasiado também não. Eu tenho o problema da frustração, quando as coisas não correm como planeei. E fico tão, mas tão frustrada, que às vezes não consigo aproveitar o que vem depois. Respira e não paniques :) tudo há-de chegar!

    ResponderExcluir
  20. Percebo-te PERFEITAMENTE! A sério... identifiquei-me TANTO com este post.

    ResponderExcluir
  21. Em muita coisa sou/era como tu mas com o curso que tirei as perspectivas de comprar casa eram nulas, estava com a pessoa errada para constituir família e então há 5 anos tudo mudou.
    A relação acabou, conheci o meu actual marido, 8meses depois de começarmos a namorar mudei-me para a Holanda na última tentativa de vingar em biologia, consegui, o Ricardo veio para a Holanda, arranjou trabalho, subiu de posto com alguma rapidez, casámos e comprámos casa quase ao mesmo tempo, comprámos carro...

    O que te quero dizer é, ser certinha, boa aluna/profissional fará uma parte mas o resto depende de ti, tens de arriscar um bocado e correr atrás e vais ver que acontecerá...

    ResponderExcluir