sexta-feira, 4 de novembro de 2016

A diferença entre necessidade e capricho

Se estivesse a trabalhar, neste momento já teria gasto dinheiro em roupa para o Outono, com o pretexto de que não tenho nada para vestir. Tenho quatro pares de botas praticamente novos mas de certeza que já teria comprado outras, porque já andava com essa ideia desde o Verão. Como estou sem rendimentos e sei lá quando os voltarei a ter, não posso ir às compras. E ainda bem porque é dinheiro que se poupa.  Claro que gosto de ter coisas, de comprar roupa nova, de andar vaidosa. Mas há realmente necessidade de tal ou é só capricho?
Tenho os armários cheios de roupas que servem perfeitamente para o propósito, afinal de contas só tenho saído para ir ao ginásio, fazer recados ou ir a casa do meu namorado. Para que é que preciso de roupa nova? Usa-se o que se tem. Quando se está a trabalhar é diferente, é sempre preciso andarmos mais arranjadas. Agora para estar em casa e não sair da terrinha? Chega perfeitamente. 

Nesta divagação comecei a pensar quando foi a última vez que usei algo até não servir mais ou até ficar em mau estado. Tirando as calças, que uso mesmo até não poder mais e que acabam por ficar coçadas ou rasgar entre as pernas, acho que nunca usei nada até ficar mesmo em estados não próprios para voltar a usar. Há roupas que se vão estragando, ficam com borboto, fios puxados ou que se estragam por algum motivo, mas tirando essas, acho que nunca usei nada até achar que já não estava em condições de ser usado mais. Vou comprando outras e deixando aquelas de lado, até que chega o dia em que já me fartei de as ver penduradas no armário sem uso e dou a alguém. Soubessem vocês o dinheirão em roupas que acabam por ser para terceiros que eu já gastei! Quem tem sorte é uma prima, que sempre usou a minha roupa desde que éramos pequenas, e agora a minha madrinha. Já cheguei a dar roupa nova que comprei e nunca usei. Se isto não é o cúmulo do desperdício, não sei o que será. Sorte de quem tem uma M. como eu na vida, para não ter que gastar dinheiro em roupa. Tomara a mim! E quantas de vocês fazem igual a mim? A partir de agora acabou-se o desperdício! É usar o que se tem, até não dar mais. Comprar o mínimo e indispensável. Comprar só porque sim, sem necessidade, está fora de questão. Mesmo quando voltar a ter emprego! 

10 comentários:

  1. Eu uso imensas coisas até se estragarem - sapatos, jeans e camisolas de malha que têm a tendência a ganhar borborto/alargar. Mas também deixo de usar roupa que está em perfeitas condições, por uma razão: deixo de me sentir especial quando a visto. Às vezes compramos uma peça que adoramos e usamos durante imenso tempo e um dia não queremos mais. Estou a lembrar-me de uma mini-saia cor de rosa plissada que usei frequentemente durante uns dois ou três anos e que agora já não tenho vontade de usar, apesar de se manter em condições e continuar a achá-la linda. A nossa noção de estética vai mudando :)

    ResponderExcluir
  2. Concordo contigo. Já tenho todo um texto sobre isso pronto para sair no blog. Ainda por cima, para quem está em mudança de corpo como eu, não faz sentido comprar, comprar, comprar...

    Um beijinho,

    http://obiquinidourado.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Quando comecei a trabalhar tomei essa decisão. Só vou comprar coisas que preciso mesmo. Tentar poupar o máximo para outras coisas, como viagens!
    Beijinho* Confissões de uma Pecadora by Valentina ||
    FACEBOOK ||
    Croquis - Home Decor

    ResponderExcluir
  4. Concordo contigo, mas com os saldos praticamente todo o ano, alguns preços baixos como nunca se viu... é difícil conter-me.
    Eu uso tudo até estar largo/com borbotos ou então dou a alguém quando deixo de gostar então n é bem desperdício acho eu :)
    Acho que todas as mulheres são um bocadinho como nós, ainda ontem estreei uma camisola e só por isso senti-me super "estilosa". Dá logo outro ânimo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema de pensar que "ah não é desperdício porque depois dou a alguém" é que gastamos o dinheiro na mesma, só que em vez de ser para nós é para os outros! Uma coisa é dar algo que (mesmo em boas condições) já temos há muito tempo, já usamos muito e não usamos mais, outra é comprar naquela de ver se gostamos e depois nem usar e dar. Gastamos o dinheiro na mesma. Eu sou consumista mas também sou bem poupadinha. Gosto de ver o meu dinheiro a render, a conta poupança a aumentar e penso que cortando nestes gastos desnecessários se consegue uma boa poupança!

      Excluir
  5. Muito bom texto!! Tens toda a razão no que dizes.

    ResponderExcluir
  6. Queremos sempre mais porque é giro ou porque nos mentalizamos que precisamos mesmo sem nos fazer falta nenhuma...

    ResponderExcluir
  7. Uso sempre até não dar mais!!
    Tento combater ao máximo o desperdício.

    ResponderExcluir
  8. Eu às vezes tenho necessidade de comprar calças devido às minhas mudanças de peso.. Mas claro que outras vezes é só por capricho. Ontem comprei uma camisa e uma blusa que estava a precisar (é como dizes, para o trabalho é diferente :/), mas também comprei um cachecol só porque gostei dele xP Acho que um meio termo (se podemos, claro) é o mais equilibrado.

    ResponderExcluir
  9. Este é o lema da minha vida :)
    Por vezes há roupas que dou porque já não uso mas muitas são-me dadas porque tenho a sorte de ter a minha madrinha que de vez em quando me dá roupas que já não usa e eu tento aproveitar (com isso, muitas vezes tenho roupas de que não gosto lá muito e por isso também por vezes dou). Já não compro roupa senão em super saldos ou quando preciso de uma peça específica e faz toda a diferença no orçamento.
    Beijinhos

    ResponderExcluir