terça-feira, 5 de julho de 2016

Não me pagam para isto #35

Não me posso propriamente queixar da minha entidade patronal no que respeita a flexibilidade. Se eu precisar de faltar, arranjamos facilmente uma solução, uma troca. Raramente deu problema quando pedi para sair mais cedo ou não ir em tal dia. Da mesma forma, sempre que me pedem para ir mais cedo ou trabalhar mais horas, só não vou se não puder mesmo (o que deve ter acontecido umas duas ou três vezes em mais de dois anos). Tenho um horário bem definido mas raramente o cumpro tal como está porque vou sempre mais cedo num ou noutro dia. Sabe-me mal, mas percebo que a flexibilidade que têm comigo deve ser respeitada e mútua, por isso dou sempre o meu melhor para não falhar. Sei que nestes anos todos de trabalho a entidade patronal tem mais a agradecer-me do que a apontar-me. Foram muitas mais as vezes em que fui eu a adaptar-me aos horários pedidos do que eu a pedir para trocar de horário ou faltar. Neste tempo todo, faltei 4 dias por estar doente (e nem foram seguidos), nunca faltei por capricho e sempre que pedi folga para sair ou passear, compensei com troca de folgas ou com mais horas extra. 

Ainda assim, a entidade patronal fez uma birra gigantesca ainda há pouco tempo porque me recusei a trabalhar num dia em específico, fora do meu horário, porque também tenho direito ao meu descanso e a gozar a minha vida. Mas como esse dia é de festa e a entidade patronal, mãe de filhos e com idade para ter juízo, quer gozar mais do que eu, ficou muito ofendida por eu não fazer a troca. Não vou faltar ao trabalho (como devia!), simplesmente vou na hora a que tenho que ir, que é de tarde, e não de manhã para a entidade patronal poder curtir a noite e dormir de manhã enquanto eu trabalho. Há um limite entre ser-se bonzinho, uma pessoa honesta, respeitadora e cumpridora e ser-se burro. Já fui muitas vezes burra em muitas situações; já fui muito prejudicada para que a entidade patronal pudesse andar a gozar a vida simplesmente porque "também são flexíveis comigo". Agradecimento é uma coisa, burrice é outra. Cansei de ser trouxa. 

3 comentários:

  1. Tem muitas entidades patronais em que lhes damos uma mão e querem logo o braço todo. Na minha também começei a recusar fazer horas exactamente por isso .

    ResponderExcluir
  2. Abusar das pessoas é do piorio

    ResponderExcluir
  3. Às vezes também abusavam de mim mas depois também abri a pestana.

    Cátia ∫ Meraki

    ResponderExcluir