quinta-feira, 2 de junho de 2016

Sou uma nojentinha*

Reza a lenda que, em criança, me podiam dar qualquer doce que eu nunca me sujava. Quando sujava as mãos, andava atrás da minha mãe com as mãos ao alto, para ela limpar. Sempre me fez muita impressão ter as mãos pegajosas ou tocar em coisas assim para o colantes. Cresci assim, a ser muito cuidadosa e asseada e tornei-me numa nojentinha do pior.

Não que seja muito cócózinha com as coisas, que não sou. Sou até muito prática e desenrascada. Mas continuo a não gostar de me sujar. Se é para trabalhar, para fazer coisas que sei que implicam pôr mãos à obra, visto uma roupa para sujar e pronto. Faço tudo na mesma, na paz do senhor. Mas não me peçam para fazer essas coisas de roupinha chique que eu já nem faço nada. Não gosto de estar com paninhos quentes para não me sujar, para não cair uma pinga. Detesto que a cadela do meu namorado me salte para cima e me suje toda quando ando de roupinha pipi. Acho que há, claramente, roupa de sair e roupa de trabalhar (embora dependa muito do trabalho que se tem). 

Mas, enfim, tudo isto para dizer que acho que me tornei um bocado nojentinha demais em algumas coisas. Não toco no corrimão das escadas rolantes num shopping, por exemplo, desde que soube as porcarias que por lá andam. Às vezes penso que é completamente porco utilizar loiças que outras pessoas utilizaram, nos cafés e restaurantes, apesar de saber que são lavados e essas coisas todas. A ideia de pôr a boca numa chávena que outras mil pessoas já usaram dá-me arrepios. Comecei a levar talheres, um copo e uma caneca para o trabalho por causa disso; não conseguia beber o meu cházinho em paz ao pensar que outra pessoa já tinha bebido chá por ali. É estúpido, eu sei, e tento relativizar, mas às vezes é mais forte do que eu. No outro dia dei por mim a lavar as mãos e a pensar "onde será que esta pessoa já andou com as mãos?", depois de dar um aperto de mão a um fornecedor. Oh pá, eu sei que é um exagero, mas se pensarmos bem, é nojento. As mãos andam em contacto com tudo! E depois nós pomos as mãos no cabelo, na cara, na boca... É assim que se espalham muitas doenças. 

Acho que existem objetos que são unicamente e extremamente pessoais e que, por isso, não devem ser partilhados. E sim, penso nisto mas continuo a levar a minha vida normal. Não deixo de usar escadas rolantes, apenas tenho o cuidado de tentar não tocar no corrimão ou de lavar as mãos a seguir. E não deixo de ir a restaurantes, a questão é que me lembro sempre "será que isto foi bem lavado?" mas não deixo de comer. E continuo a ter contacto com as pessoas, claro. Não deixo de fazer a minha vida normal, de tocar nas coisas ou deixar que toquem em mim, mas estou mais consciente para as bichezas microscópicas que trocamos e tocamos. E estou sempre a chamar a atenção dos meus mais próximos para as porcarias que fazemos sem querer, como lamber o dedo para mudar a página de um jornal que é de toda a gente. O meu pai fazia isto (nojo) e eu disse-lhe "já pensaste que outra pessoa já pode ter feito o mesmo e tu estás para aí a lamber o que ele lambeu e a pôr a mão onde ele deixou saliva... que nojo!". Nunca mais o fez! :)


*já sei que depois disto vão pensar que eu sou uma não-me-toques do pior, mas a sério que não sou. Sou muito terra-a-terra até, muito prática. Mas estas questões apoquentam-me. Sou uma pessoa asseada!

5 comentários:

  1. Bactérias existem em todo o lado, aliás, nós estamos cheias delas! Eu sou exactamente o oposto, não tenho nojo a quase nada. Gosto de ver as coisas arrumadas e limpas, claro, mas não sou nenhuma louca por limpezas.
    Beijinhos* BATIK by Olívia Muniz

    ResponderExcluir
  2. Eu tb não toco no corrimão de escadas rolantes ( uma vez até ia caindo) e ando empresa com um frasquinho de álcool em gel na mala. O mal pior é quando no dia -a dia estamos sujeitos a toda essa bicheza...e não há cm evitar, q é o meu caso. Lavo as mãos muitas vezes, mas mesmo assim é sempre um risco. Há que ter cuidado mas excesso de zelo tb não nos faz bem, ficamos paranóicas . Já fui obcecada , agora sou mais descontraída .

    ResponderExcluir
  3. eu sou bastante descontraída em relação a isso :)

    ResponderExcluir
  4. Tenho que admitir que não me identifico com algumas coisas que escreves, mas este post para mim é spot on. Não toco no corrimão das escadas, não toco nas maçanetas das portas (sobretudo nas casas de banho!), penso exactamente o mesmo que tu sobre os copos e talheres de restaurantes... and so on!

    ResponderExcluir
  5. eu sou enfermeira... e do bloco, tás a ver o quão nojentinha sou xD

    ResponderExcluir