terça-feira, 21 de junho de 2016

Fazer amigos dos vários cantos do país (ou do mundo, já agora) é maravilhoso. Conviver com diferentes hábitos, sotaques, histórias, diferentes realidades. Ter sempre uma casa para pernoitar em qualquer lado ou para passar férias. Gera-se uma corrente de festas e tradições engraçadas. Acho mesmo giro. 
Mas depois tem o outro lado: ter amigos espalhados pelo país também significa ter amigos longe de nós. E sim, há sempre fins de semana, férias, feriados, as estradas hoje em dia são ótimas e levam-nos a qualquer lado num instante. Mas há vidas de adultos, horários incompatíveis, férias desencontradas. E, claro, prioridades. Quando se tem uma vida preenchida há muitas escolhas a fazer. Não é fácil. E depois os amigos deixam de se ver todos os dias, às vezes combina-se qualquer coisa de mês a mês, outras ainda mais espaçadas. É uma merda ter aquele amigo que precisavas naquele momento a quilómetros e quilómetros de distância. Não poderes simplesmente passar lá em casa, aparecer de surpresa porque estavas perto, marcar coisas em cima da hora porque a pessoa mora aqui ao lado. 

Num mundo ideal, os amigos viveriam todos numa espécie de aldeia da amizade. Teríamos sempre os amigos ali à mão, tão perto, sempre que necessário. 

3 comentários:

  1. Tens toda a razão e é pelo dia a dia tao ocupado que todos temos que e e os meus amigos temis combinado encontrar-nos todos mês a mês. Cada mês é um a organizar. Já fizemos jantares, caminhadas, pic nics, bares e discotecas ou tudo no mesmo dia :)

    ResponderExcluir
  2. Seria tão bom se assim fosse! Tê-los sempre perto de nós! :)

    ResponderExcluir
  3. Opá... este post disse-me mesmo muito pois estive numa situação assim e ainda pior agora...
    Beijinhos,
    O meu reino da noite ~ facebook ~ bloglovin'

    ResponderExcluir