segunda-feira, 11 de abril de 2016

tipos de pessoa no cabeleireiro

Nesta minha vasta experiência de gaja em cabeleireiros, já vi de tudo. Ainda só fui a 3 cabeleireiros ao longo destes meus 23 anos, mas sempre que me dirijo a um desses estabelecimentos é impossível não reparar no tipo de clientes que lá estão.

Relativamente à chega ao estabelecimento: 

A madrugadora: é aquela pessoa que vai para a porta do salão 1h30 antes da hora de abertura, só para assegurar a sua vez. A pessoa sai de casa cedo para ser das primeiras mas quando chega ao salão já lá está a madrugadora, normalmente muito ativa e desperta, que responde sempre entusiasmada à pergunta "quem é a primeira?". 

A sem noção: sabe os horários de abertura e de fecho do salão, sabe que existe um sem número de madrugadoras nesta vida e que estes sítios estão sempre cheios, mas aparece sempre meia horinha antes de fechar, porque é demasiado preguiçosa para se levantar cedo como as outras ou porque simplesmente não quer saber se tem que esperar ou não. Às vezes, este tipo de pessoas vão ainda mais além, sendo sem noção propositadamente... fazem tudo o que lhes apetece antes e vão ao cabeleireiro quando lhes convém, não querendo saber dos horários para nada porque se sentem no direito de ser atendidas quando querem. 

A impaciente: se chega ao salão e tem duas pessoas à sua frente, dá meia volta e vai embora, nem sequer se dá ao trabalho de esperar. Ou então outro tipo de impaciente, que é aquela pessoa que quer "só dar um jeitinho" e por isso acha que pode passar à frente de toda a gente, não achando justo ter que esperar pela sua vez se é só para aquilo "que até é tão rápido".

A sonsa: normalmente faz parte das impacientes, mas vai mais além: como não tem paciência para esperar, começa com todo um choradinho a ver se alguém a deixa passar à sua frente. Tudo isto de forma muito camuflada, claro.

A todos em 1: pensamos nós que é só ela que está à nossa frente, mas está a guardar a vez para a mãe, a tia, a prima, a vizinha, a senhora que foi só ali tomar o pequeno almoço, ...

A oportunista: dirige-se à cabeleireira com o pretexto de "só preciso fazer uma pergunta" e de repente já está sentada na cadeira a ser atendida sem ninguém dar por isso.


Enquanto espera a sua vez: 

A coscuvilheira: parece que vai ao salão para arranjar o cabelo, mas na realidade só lá está para fazer fofocas. Conta tudo da vida de todos, sabe tudo, faz mexericos. 

A altifalante: é incapaz de manter a conversa só entre ela e o outro interlocutor, tem que falar alto para toda a  gente ouvir.

A sossegada: leva um livrinho, lê as revistas, está no telemóvel... não dá trabalho nenhum, mal se dá por ela.

A mãezinha: leva três ou quatro putos para cortar o cabelo, tentando supervisionar os cortes enquanto dá uma olhadela às asneiras que os outros possam estar a fazer no salão. 


Quando chega a sua vez de ser atendida:

A indecisa: não sabe se quer cortar só as pontas ou metade do cabelo, nem sequer sabe se quer cortar, na realidade. Quando é para pintar, não sabe muito bem se quer algo diferente ou se mantém a cor de sempre. Na verdade, nem sabe muito bem porque foi ao cabeleireiro.

A prática: diz o que quer, como quer e siga a vida! Não está para perder tempo com coisinhas de nada, só quer tratar do assunto e ir embora. Ai como eu gosto de gente assim!

A picuinhas: queixa-se de tudo, supervisiona tudo! Normalmente gosta de se queixar "que da última vez não ficou como eu queria!" e coisas que tais. Tem que estar tudo na perfeição e ao milímetro, senão arma barraco.

A radical: é o sonho de todas as cabeleireiras! Deixam a sua cabeça e cabelo literalmente nas mãos das profissionais. Gostam de arriscar, de fazer coisas diferentes... normalmente acedem aos pedidos mais loucos das cabeleireiras tipo "vamos pintar de verde? sim!".

A dondoca: aquela que vai ao cabeleireiro mil vezes por semana e tem que ter tratamento vip. Só quer ser atendida pela funcionária x, tem que se lhe lavar o cabelo de forma y, etc e tal. Não passa muita confiança às demais mortais no salão, é um ser mais acima, superior. 

A medricas: é muito parecida com a indecisa, só que tende a exagerar as reações às decisões tomadas. Não tem bem a certeza se tomou a decisão certa, então passa a vida a dizer "E se eu não gosto?", "E se me fica mal?"... Quase chora se lhe cortarem 1mm de pontas a mais do que o pedido. 

A "o costume": nunca sai do mesmo registo. A cabeleireira já sabe que é para pintar da cor do costume, fazer o corte do costume, para arranjar como de costume. A bem dizer não dá trabalho nenhum, é muito parecida ali com a prática.


Não sei se onde vocês vão arranjar os vossos cabelos vêem espécimes destes, mas eu já encontrei todas! E posso adiantar que sou uma mistura de madrugadora (mas sem a parte da 1h30 antes!), sossegada, prática e "o costume" :) E vocês?


5 comentários:

  1. Tal e qual, sossegada, pratica e do costume .. Vou poucas vezes ao cabeleireiro e quando o faço não gosto de perder muito tempo e com parvoíces ainda menos ..

    ResponderExcluir
  2. Sim, já vi disso tudo! Mesmo! Eu sou um pouco como a impaciente porque odeio ir ao cabeleireiro. Tenho para aí 80% do cabelo branco e tenho de pintar muito regularmente, mas depois das primeiras vezes decidi começar a pintar em casa porque simplesmente não tenho paciência para estar lá - é o tempo de esperar a vez, é o tempo de aplicar a tinta, é o tempo de esperar que a tinta actue, é o tempo de lavar (que me causa enormes dores no pescoço), é o tempo de secar e, no fim, já perdi metade do dia. Só vou mesmo ao cabeleireiro quando não posso fazer em casa, tipo para cortar. Como o salão que frequento é de duas primas e perto de minha casa, ligo sempre antes para saber se está muita gente e evito sempre ir em dias mais sobrecarregados, tipo sábados e vésperas de feriados. Quando quero pintar elas trazem-me a tinta e eu aplico em casa. Na semana passada fui apenas para fazer sobrancelhas e buço e nem sei bem como, já que passei 6 meses na Roménia a fazer isso tudo sozinha. Acho que foi mesmo por preguiça e porque não estava ninguém à minha frente ahah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também comecei por pintar em casa, mas era uma chatice. Pelo preço que a minha atual cabeleireira pratica, prefiro ir lá e ao menos saio com o cabelo arranjado :) Mas também eu só vou de manhã, durante a semana, altura em que há menos gente. Quase sempre sou a primeira.

      Excluir
  3. Quanto à chegada não me identifiquei com nenhuma, porque sou aquela que liga primeiro a ver como estão as coisas e só se não estiver ninguém - ou quase ninguém - é que vou. (Detesto esperar no cabeleireiro!)

    Quanto à espera, sou claramente a sossegada. Levo um livro ou leio uma revista, e se puderem não falar comigo sobre pessoas que não conheço ou sobre assuntos que não me interessam melhor ainda!

    De resto, situo-me ali entre a indecisa e a do costume... Na verdade o meu cabelo não me permite grandes devaneios no que toca ao corte - a menos que queira ficar com imenso volume -, não pinto o cabelo e não gosto de coisas que me dêem muito trabalho - franjas, nuances, por aí...

    ResponderExcluir
  4. Muahaha, boa análise. Eu diria que a espécie que mais abunda por aí é a coscuvilheira! (Algumas cabeleireiras, as próprias, se incluem nesta categoria!)

    ResponderExcluir