sexta-feira, 15 de abril de 2016

Não me pagam para isto #25

Sou a única funcionária do estabelecimento: quando eu não estou a trabalhar, a patroa é quem faz esse turno. Agora temos outra senhora para ajudar ao fim de semana, mas isso já é outra história. Continuando: como sou a única, estou responsável por imensas coisas importantes acerca do funcionamento do estabelecimento, relação com fornecedores e todas essas chatices que a patroa deveria tratar. Como nunca a deixei ficar mal em nada, ela impinge-me imensas coisas dessas para não ser ela a tratar. Basicamente ela trata-me como se eu fosse sócia.

Não posso ficar doente, não posso ter imprevistos na minha vida. Tenho que estar sempre disponível não só para fazer o meu turno como o dela se assim ela se lembrar. Se vocês ficarem doentes e tiverem mesmo que faltar ao trabalho, a obrigação do vosso patrão é arranjar alguém que vos substitua se necessário ou então preparar-se para estar um dia ou o que for preciso sem vocês. Se vocês têm uma consulta ou alguma coisa muito importante e avisam ao patrão com antecedência, a obrigação do patrão é deixar-vos ir à vossa vida e arranjar-se lá no negócio dele. Simples. Não são vocês que têm que se preocupar com o negócio/empresas quando estão doentes/têm mesmo que faltar mas avisaram. Mas comigo não. Eu aviso com antecedência, ela esquece-se e depois ainda me fode a cabeça porque vai ter que ir trabalhar por minha vez. Se não quer ir, que arranje uma pessoa para tapar estes buracos (daí a nova pessoa ao fim de semana). Ou que se arranje de qualquer maneira porque não é da minha responsabilidade. Tal como não sou obrigada a estar sempre livre para vir mais cedo ou em dias em que estou de folga.

Há dias ligou-me na minha folga porque a filha adoeceu. Eu percebo que ela não tivesse como cuidar da miúda (embora até tivesse) mas a culpa não é minha de ela ter uma filha que pode adoecer, eu tenho direito à minha folga. Depois marca coisas para quando é o turno dela, como se eu tivesse obrigação de estar livre para a substituir. Nem sequer me consulta antes (como eu faço sempre que preciso de sair ou marcar alguma coisa importante...tento marcar para quando estou livre ou, se não der, primeiro confirmo com ela se posso). Já me ligou porque ficou lá sozinha com a filha a tarde toda e, passo a citar, "ela está chatinha e quer ir para casa, não podes vir fechar?". Lol, eu vou trabalhar quando não tenho que ir porque a filha dela está farta de lá estar e quer ir para casa. A sério, só comigo. Um dia tive que ir lá de manhã (que nunca trabalho) para ela ir não sei onde, demorou 10 minutos e mandou-me embora. Nem xi nem mi, nem me pagou. E eu perdi nisto tudo quase 1h entre vestir, ir a pé, estar lá e voltar para casa. Não acho normal. A minha mãe diz que ela faz isto comigo porque eu nunca lhe digo que não e porque sabe que, se não for ela a tratar das coisas, eu trato sem problemas. O pior é que ela tem razão! A patroa habituou-se tanto a que eu fizesse sempre tudo direitinho, a que estivesse sempre disponível, a que não deixasse que nada corresse mal que agora abusa de mim. Mas eu não sou sócia, eu sou só funcionária e quero ser tratada como tal. Ainda há uns dias ela se lembrou para eu vir de manhã porque precisava de ir a uma consulta. Pensando eu que depois me ia embora e ficava com a tarde livre, aceitei. Não me custava nada. Para depois descobrir que de tarde ela ia aproveitar para ir às compras com uma amiga, ou seja, eu fiz a manhã e a tarde seguida sem pausa para almoçar sequer. A culpa é minha!

5 comentários:

  1. Tens de começar a impor-te, eu também era assim, mas a partir do momento em que eu precisava de faltar e me respondiam que não e ainda desvalorizavam o meu trabalho, comecei a dizer que nunca podia .

    ResponderExcluir
  2. Acontecia-me o mesmo quando estava a trabalhar naquele sítio. Felizmente abri os olhos, impõe-te senão fazem o que querem de ti. Tens vida pessoal, e o que estão a fazer é ilegal, tens direito às tuas folgas, não podem mudar isso à última da hora, digo-te por experiência que depois te ressentes com isso, o dinheiro ajuda mas não é tudo, e há muitos trabalhos em que usam e abusam das pessoas, fazem com que trabalhem o dobro e depois o ordenado é o mesmo...
    Não sei se te é possível ou não, mas aconselho-te a ir procurando outro trabalho, se não estás satisfeita com esse, algo melhor há-de aparecer.
    Beijinho*

    ResponderExcluir
  3. Eu também tenho esse defeito, dizer sempre que sim, ser prestável e depois abusam. E quando começamos a dizer que não, deixam logo de nos tratar bem, ou peo menos, da mesma forma que nos tratavam.

    ResponderExcluir
  4. pois um problema parecido com esse no trabalho. e por causa disso quero sair de la assim que conseguir. Mas por outro lado nao quero deixa-los sem pessoa que faz o trabalho todo. Espero ao menos que ela te page as horas que trabalhas em folga (a dobrar!).

    beijinho ;)
    the-not-so-girlygirl.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Isso é um abuso, mas concordo com a tua mãe .. Há uma frase que resume bem esse tipo de situações : " quanto mais nos baixamos mais se nos vê o rabo "

    ResponderExcluir