quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

There is no such thing as too many books │Nós by David Nicholls


Comprei este livro com o vale de desconto que a Bertrand me ofereceu pelo meu aniversário. Nunca tinha lido nada deste autor mas já tinha posto os olhinhos nele numa das minhas incursões pelas livrarias online e achei que podia tentar. O meu problema com os livros é que nunca sei muito bem o que ler. Tenho dois ou três autores que sei não desiludem, vou lendo tudo o que há deles e depois logo se vê. Mas pronto, desta vez decidi arriscar e conhecer novas formas de escrita e comprei este.

Sinopse (que pode ser encontrada na Wook): Douglas Petersen compreende a necessidade da sua mulher de se «redescobrir a si própria» agora que o filho vai sair de casa. Estava apenas convencido era de que se iriam redescobrir juntos. Por isso, quando Connie anuncia que também se vai embora, ele resolve transformar as últimas férias em família na viagem das suas vidas: uma viagem que irá reaproximar os três e conquistar o respeito do filho. Uma viagem que irá fazer com que Connie volte a apaixonar-se por ele. As reservas estão feitas, os bilhetes comprados e o itinerário planeado com uma precisão cirúrgica. O que poderá correr mal?

Tendo este pequeno resumo como mote para a leitura, ia um bocadinho à espera de um livro lamechas e cheio de frases feitas sobre o amor e as relações. O que encontrei foi um livro muito simples, escrito quase como se fosse um diário, com a realidade nua e crua acerca da evolução das relações ao longo da vida. Gostei muito, tanto que até já comprei um outro livro do mesmo autor para conhecer melhor a sua obra. Li de uma enfiada, atraiu-me mesmo a facilidade com que se lêem umas dezenas de páginas sem se dar conta. Não que seja o melhor livro que já li, mas gosto de livros assim fáceis de nos agarrar, com histórias simples mas que nos fazem pensar na nossa própria vida, que sejam despretensiosos. Recomendo esta leitura!

6 comentários: