quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Não me pagam para isto #12

Os clientes que acham que são meus amigos só porque os atendo durante 10 minutos todos os fins de semana.

Vamos lá ver uma coisa: se a única interação que temos é enquanto eu saúdo, pergunto o que vão desejar, levo à mesa e depois vos faço a conta, mesmo que seja simpática e ria das vossas piadas, isso não me classifica como vossa amiga. Não sou vossa amiga! Parem com os conselhos, com as perguntas, com as piadas e com as intromissões. Parem de confundir as coisas. Se não trocamos números, não nos adicionamos nas redes sociais e não nos encontramos fora daquele ambiente (que é o meu trabalho!), não somos amigos. Ponto.

O trabalho exige que seja simpática, que converse com os clientes, sim, mas mais nada do que isso. Porque é que as pessoas não sabem separar um bom atendimento da vida intima e privada dos intervenientes? 
Mesmo quando há uma relação mais informal, que haja mais confiança, não significa que sejamos pessoas intimas. O facto de eu perguntar se o filho já recuperou da operação ou se o sobrinho  sempre conseguiu entrar na faculdade e até conversarmos um bocadinho sobre isso não significa que agora somos amigos e vamos partilhar a vida. Significa que as pessoas ganham afeições a quem vêem muitas vezes, que simpatizam ou até mesmo que estão a cativar um cliente, que se sente bem recebido e apreciado e, por isso, volta mais vezes. SÓ isso. De nada. 

6 comentários:

  1. Por vezes as pessoas confundem mesmo isso. Devem estar pouco habituadas que as pessoas sejam simpáticas com elas e, quando isso acontece, acham logo que somos os melhores amigos :p

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que essas pessoas podem estar a precisar de alguém com quem conversar, com quem partilhar sentimentos e preocupações e agarram-se a quem é simpático com elas. Mas, claro, compreendo que não queiras saber da vida de toda a gente só porque és simpática com os clientes, que no fundo é teu dever xD

    MORNING DREAMS

    Sofia Silva, Beijos*

    ResponderExcluir
  3. Percebo-te perfeitamente, não fosse eu trabalhar no mesmo ramo que tu .

    ResponderExcluir
  4. Definitivamente eu não tinha feitio para trabalhar num café/restaurante...Apenas por causa do que se tem de ouvir das pessoas.

    ResponderExcluir
  5. Talvez sejam pessoas que fora do café não tenham ninguém com quem conversar e que as ouça da mesma forma que tu, não sei... mas acredito que deve ser chato quando as pessoas começam a confundir as coisas.

    ResponderExcluir
  6. Deve ser menos irritante quando as pessoas se metem onde não são chamadas :x

    ResponderExcluir