terça-feira, 15 de setembro de 2015

Odiozinho de estimação*

Não posso com o que escreve o Pedro Chagas Freitas. Eu sei que anda toda a gente apaixonadíssima pelo homem, que aquilo é que é escrever, queriam todas um homem assim, que se declarasse constantemente e que escrevesse assim só para elas. Mas eu não suporto. E é puro preconceito, que eu nunca li nada dele, admito. Mas só todo o histerismo à volta de um homem que escreve exatamente aquilo que elas querem ler, chateia-me. Já não posso ouvir falar dele e de cada vez que vejo uma publicação com citações dele só me dá vontade de desamigar aquela pessoa ou apagar o facebook de vez. Para mim não passa de um monte de balelas (só comparável com o outro do amor próprio e autoaceitação). Não há pachorra.



*Não levar muito a sério. Não é minha intenção ofender nem o senhor, nem quem o adora, atenção. Simplesmente não tenho paciência para estas balelas.

11 comentários:

  1. Eu nunca li nada dele, mas dizem que são uma seca (só falam de sexo e palavrões) Por isso estou contingo :)

    ResponderExcluir
  2. Não simpatizo com ele mas elogio a inteligência de saber EXACTAMENTE aquilo que faz.

    ResponderExcluir
  3. Eu era umas das tais que andava apaixonada pelos livros dele, aliás só li o Prometo Falhar e quando estava a meio já só queria que aquilo terminasse. Muito amor, muita paixão, muita ilusão... não há coração que aguente tanta lamechice!

    ResponderExcluir
  4. ai... desconheço o homem, que é que ele diz mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um escritor que está muito na moda agora em portugal porque escreve livros românticos. Num promete falhar, assume-se como um homem cheio de amor mas que comete erros e noutro pede-lhe para casar com ele todos os dias ou o raio que o valha. Eu sei lá. Nunca li nada dele a não ser os excertos que vou vendo pelo facebook e são cheios de lamechices e aqueles clichés-mais-do-mesmo-que-sou-tão-sensível!

      Excluir
  5. Também nunca li nada dele, mas faz-me lembrar como há uns anos a Margarida Rebelo Pinto também era a maior e a que "percebia mesmo o que eu sinto cá dentro, pá". Eu sou uma parvalhona e ainda comprei uns quantos livros dela, até perceber que era sempre a mesma história de fundo, praticamente só mudavam os nomes das personagens. Tanto o Pedro Chagas Freitas e a MRP sabem é muito bem fazer uma coisa: escrever o que os outros querem ler. Mesmo que seja uma data de clichés.

    ResponderExcluir
  6. Nunca tinha ouvido falar em tal criatura e como não tenho facebook muitas dessas coisas passam-me ao lado...estou a ver que não perdi nada..

    ResponderExcluir
  7. Também não gosto.. Já li alguns textos de um livro dele que uma amiga minha comprou. E nem é tanto o facto de ser lamechas. É o facto de ser sempre muito profundo e sentimental. Opá, o amor pode ser leve, engraçado e fluído. Não é preciso fazer tantas teses sobre o assunto! :p

    ResponderExcluir
  8. Também não gosto, tenho de admitir. É tudo muito meloso, muito parvo... Se há mulheres a gostar daquilo eu não sou, seguramente, uma delas!

    http://entreosmeusdias.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  9. Haja alguém que me compreenda!!
    Adoro o novo look do blog!! So fresh :D

    ResponderExcluir