quinta-feira, 3 de julho de 2014

Ontem à noite fui sair com os meus amigos de cá. Com as aulas e trabalho, torna-se difícil estarmos juntos muitas vezes, pelo que ontem lá fomos nós à terrinha aqui ao lado comer um gelado num dos sítios do costume. Saímos de lá e enfiamo-nos no carro da minha amiga a conversar, como fazemos sempre. Nisto ouvimos vozes chateadas ao longe, alguém que claramente se aproximava do local onde estávamos. Trancamos logo as portas e fechamos os vidros do carro, só para o caso de virem ter connosco. Até que nos apercebemos que era só um bêbado que se dirigia para os prédios onde tínhamos estacionado, a falar sozinho a altos berros. Lá nos rimos da situação, olha que medricas que fomos, era só um bêbado. Continuamos na nossa vidinha, a ouvir música e a falar das nossas coisas, até que o meu amigo, feito parvo, põe a cabeça de fora da janela do carro e grita "pénis", um estúpido jogo que ele gosta de fazer de vez em quando para nos embaraçar. Grande sermão que ouviu, porque já eram 2h da manhã, não é hora para estar a fazer barulho à frente da casa das pessoas, que nós estamos de férias mas há gente que trabalha. 

Nisto ouvimos alguém do prédio a dizer qualquer coisa, até que vimos que era o mesmo gajo que tinha aparecido antes, mais outro gajo todo musculado, que estavam à janela a resmungar connosco. Vem ter connosco cá abaixo, a minha amiga volta a fechar os vidros, o gajo pede-nos dinheiro e nós sempre a dizer que não tínhamos. E ele sempre ali, uns 5 minutos parado do lado de fora do carro, sem dizer nada, e nós a ver que ele ainda nos ia partir um vidro do carro. Depois de muita converseta, de "dá-me lá uma moeda, pá", a minha amiga arranca e saímos dali. 
Long story short: o gajo tinha ido comprar a sua dose e devia estar a curtir a sua moca, que foi cortada pelo meu amigo mais as suas palavras obscenas e ele deve ter-se sentido incomodado e quis tirar-nos dali, para poder curti-la em paz e sem que desconfiássemos.

Eu no fim só pensava que vivemos mesmo numa zona de paz, se alguém nos tivesse abordado assim no Porto, tinha-nos logo partido o vidro e, com um bocadinho de jeito, ainda nos levava o carro. Aqui até os gunas e os drogados são tótós, têm mais medo de nós do que nós deles. Até dá vontade de rir...agora!

3 comentários:

  1. Ainda bem que eles até são pacíficos! :)

    ResponderExcluir
  2. R: Não conhecia a extensão, obrigada por me falares dela! Já a instalei no chrome :)

    ResponderExcluir