quinta-feira, 31 de julho de 2014

M., a ressabiada


Isto dos blogs é muito bonito e somos todos muito cool e muito do bem, pessoas alegres e de bem com a vida. Acho que nunca li nenhum post ou descrição de um blogger que se defina como egoísta, invejoso, sovina, etc., porque todos nós sabemos que as pessoas na blogosfera são sempre super felizes e com vidas super interessantes e cor de rosa. 

Pois eu admito: sou uma ressabiada, às vezes. E tenho inveja das pessoas. Não aquela inveja maléfica, mas sim aquela inveja que toda a gente sente num ou noutro momento da sua vida, aquele "oh, também queria/gostava". 
O Verão e as férias de Verão são, por norma, o apogeu deste meu ressabianço. É ver-me a amaldiçoar a minha pouca sorte porque toda a gente vai de férias menos eu. Férias com amigos, férias com namorado, férias com família. Eu queria era sair daqui uns dias, deixar estas paredes cor de rosa por mais do que uma tarde e descansar noutro sítio qualquer. Queria ir namorar dias e dias seguidos, só nós os dois e nada de preocupações. Já ficava contentinha com um fim de semana, imaginem o meu estado. 

E depois parece que toda a gente tem amigos/tios/avós/namorados/familiares dos namorados/you name it, com casas de férias. E eu pergunto-me: porque raio não tenho eu a sorte de ter amigos/tios/avós com casas de férias também? Caraças que até para nascer é preciso ter sorte. E ainda se queixam, "que chatice, vou ter que ir passar umas semanas com os meus avós ao Brasil" como se fosse a pior coisa que se pudesse fazer; "mas que seca, vim uma semana para o Alentejo para estar com os primos, não se faz nada!", como se descansar não fosse o mote principal para umas férias de Verão de quem passa o ano agarrado a livros e com afazeres vários que consomem energia física e, sobretudo, mental. O que eu daria para ter sossego dois dias seguidos, minha gente.
Eu só queria descansar num sitio bonito e calmo, longe de casa. Repor energias que o mestrado me fez descarregar; carregar baterias que o trabalho consome em doses gigantescas (mesmo sendo só dois dias). 

Por isso, e sendo eu uma pessoa de carne e osso e com sentimentos menos nobres, vou ficar um bocadinho ressabiada com as vossas férias, aviso já. Feliz por vocês, claro, não pensem que vos rogo pragas - o meu nível de malvadez não dá para tanto -, podem ir na paz do Senhor aproveitar que têm vidas que vos permitem fazer férias e amigos/tios/avós/namorados/familiares dos namorados/you name it que vos disponibilizam casas de férias. 
Assim como assim, é um ressabianço momentâneo, que isto passa num instantinho. Olhem, já passou.

7 comentários:

  1. Ohh querida como te compreendo. E não não és a única! Fico igual a ti.. é chato uma pessoa ver a vida de terceiros a andar para a frente e a nossa parece que está parada no tempo x.x

    Boa sorte e boas férias (dentro do possível) beijinhoo ****

    xleclairdelune.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ohhh! Não és só, está descansada. Eu também costumo sentir muito isso, mas nem tanto com as férias, porque pesar de tudo tenho passado férias com amigos desde há uns anos. O meu "apogeu do ressabianço" é com as viagens/ERASMUS/SEP/estágios que os colegas de curso fazem no estrangeiros! Como é que conseguem ir a todo o lado, participar em tudo? Não é só querer... Eu normalmente nunca posso por causa dos custos :(

    ResponderExcluir
  3. Olha ainda ontem comentei isso com uma amiga...parece que tudo tem dinheiro para as férias arre ....
    Eu fico por aqui .. e também sinto alguma inveja!

    ResponderExcluir
  4. Também gostava :) Mas pronto, aproveita-se como se pode.

    ResponderExcluir
  5. ahah concordo um bocadinho contigo, também me acontece às vezes momentos desses
    Adorei o blog e a sinceridade

    Visita: http://trendybutterfly.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  6. Eu também não tenho férias e moro numa zona de férias e praias maravilhosas. Este ano ainda não entrei no mar e por este andar não entro mesmo. A tua vez de repôr energias vai chegar, tens de acreditar nisso.

    ResponderExcluir