sábado, 22 de março de 2014


Eu devia ter entre 5 e 6 anos quando a minha avó paterna teve o seu primeiro avc. Lembro-me que na altura ficou com um braço paralisado e teve que deixar de bordar, a sua verdadeira paixão e ganha-pão. A partir daí foi sempre a piorar: seguiram-se mais avc's, teve que deixar a casinha dela e passei a visitá-la semanalmente em casa da minha tia. Com a saúde cada vez mais debilitada, os seus dias começaram a ser passados entre a cama e um sofá onde via televisão. E assim viveu, por 16 anos. Nos últimos anos já estava muito debilitada, deixou completamente de andar e a mão direita ficou sem qualquer movimento. No ano passado deixou de sorrir, de dar aquelas gargalhadas estúpidas por tudo e por nada e pouco depois deixou de falar porque era um esforço que o corpo frágil e esquelético já não aguentava. Ontem teve finalmente a sua paz.

A minha avó faleceu ontem e, apesar de não termos sido muito próximas, morreu uma parte de mim, da minha história, da minha família. Acabou-lhe o sofrimento e por isso estou aliviada. A minha avó, espírito livre e sorriso fácil, conseguiu finalmente desprender-se de um corpo que a aprisionava, fraco, débil, sem movimento. E daqui a nada estará rodeada de flores, as suas adoradas flores, a sua outra paixão que eu herdei, juntamente com a teimosia e as gargalhadas por tudo e por nada. E estará feliz, certamente. 

8 comentários:

  1. Dói sempre ver aqueles que nos são queridos partirem, mas é assim que tens que pensar, se ela estava tão frágil e a sofrer ... Ainda tenho os meus avós todos, mas não imagino a ideia de os ver partir, mas sei que é a realidade... Mas quando esse dia chegar também quero ficar com todas as memórias felizes que vivi com eles, que as vivi! Tal como tu com a tua avó! Beijinho e força *

    ResponderExcluir
  2. Nem sei o que te dizer, querida M. Acho que já disseste tudo.. Às vezes, é o melhor para a própria pessoa, por muito que custe aos que os amam. E uma parte dela estará sempre em vocês.. E nas coisas que herdaste dela :') um abraço apertadinho!

    ResponderExcluir
  3. Os meus sentimentos, apesar de tudo deixa sempre mágoa ver quem gostamos partir.
    A minha avô está na fase do sofá-cama-sofá e por isso sei o que sentes quando escreveste este texto.

    É pesado, mas é diz-me muito*
    Beijinho apertado*

    ResponderExcluir
  4. Lamento muito... mas realmente é como dizes, deixou de sofrer.

    ResponderExcluir
  5. A minha avó paterna tbm partiu pelos mesmo motivos mas, pensamos que terá sido como consequência do primeiro... Faz este Verão 2 anos!

    ResponderExcluir
  6. obrigada a todas pelas palavras *

    ResponderExcluir
  7. Admiro essa forma de pensar. Às vezes é mesmo necessário compreender que a morte não é o pior que pode acontecer. Um beijinho de força*

    ResponderExcluir