quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Estão a ver quando vocês começam a estudar e pensam "isto de certeza que não sai, não é relevante no meio de tantas coisas muito mais importantes que demos nas aulas e além disso nem sequer foi abordado em profundidade"? E depois não estudam isso mas estão de bem com a vossa consciência, porque sabem que era absurdo aquilo ser material de avaliação num exame de uma cadeira super importante... E todos os vossos colegas acham o mesmo, por isso ainda ficam mais descansados. Certamente que já aconteceu com todos. Mas vai daí, chegam ao exame e sai uma pergunta sobre isso! Já me tinha acontecido, obviamente, mas nunca a valer 10 valores (metade do exame!!!!!), como ontem. 

Eu acho que nem dá para explicar a minha cara quando vi aquilo. Em quatro anos disto foi a segunda vez que estive quase quase a desistir de um exame, só não o fiz porque da última vez tentei e lá consegui um 13 (uma excelente nota no panorama geral). Apeteceu-me rasgar a folha aos pedaços e atirar-lhe pela cabeça, tipo confetis. Olhei para os meus colegas e vi o horror espalhado pelo auditório. Ninguém estudou aquilo porque era tão básico e tão irrelevante que todos achamos que não valia a pena. Acontece que a prof se quis armar em boazinha e pôs aquilo, por ser fácil. A questão é que era tão fácil e óbvio que ninguém estudou aquilo, nunca ninguém imaginou que pudesse sair porque seria só ridículo. De entre mil patologias que estudamos, saiu a parte mais estúpida que estava no fundinho de um ppt, nos dois ultimos slides, que nem tem nada a ver com os conteúdos da cadeira. Aquilo é senso comum. E vocês agora pensam "mas se era senso comum, todos vocês responderam à pergunta, era fácil"... Pois, era fácil, mas havia uma teoria qualquer por trás daquilo, com um esquema e uma estratégia de ação específica que obviamente ninguém se lembrava porque ninguém aprofundou aquilo. Enfim, escrevi lá palha atrás de palha, a ver se cola. O pior de tudo é que apostei todos os meus dias a estudar para essa cadeira e ainda não peguei em nada para o exame de sexta, que se avizinha a passos largos e que vai ser mesmo difícil. Agora com esta história toda ainda vou é reprovar aos dois. Fuck my life.

6 comentários:

  1. Já aconteceu e aconteceu bem pior: a professora daquela cadeira tinha dito que não sairia uma parte específica da sebenta... Pois que o exame foi TODO daquela parte. Ninguém passou...

    ResponderExcluir
  2. Acho que já aconteceu a todos... Já me aconteceu fazer um exame em que nenhuma das perguntas fazia parte da matéria que devíamos estudar, não aparecia nos slides, não tinha sido dada nas aulas, apesar de obviamente estar relacionada com a cadeira em si, no exame de recurso em vez de estudarmos a matéria que supostamente devíamos estudar, organizamos sebentas sobre a matéria que tinha calhado no primeiro exame e foi assim que conseguimos fazer a cadeira.
    Também já me aconteceu ter uma defesa de nota e fazerem perguntas sobre conceitos que nunca tinha ouvido na minha vida, eram coisas bastante específicas, fui sincera e disse que nunca tinha ouvido falar daquilo, não tínhamos dado nas aulas portanto não tinha obrigação de saber, a resposta foi "quem tem 17 a esta cadeira tem a obrigação de saber tudo, mesmo aquilo que não é falado nas aulas", a justificação não me convenceu até porque se tratava de uma cadeira introdutória do 1º ano (tive mais 3 cadeiras no mesmo âmbito ao longo da licenciatura, pergunto-me para quê se era suposto sabermos tudo no 1º ano...).

    (Peço desculpa pelo comentário longo, mas há coisas que me revoltam)

    ResponderExcluir
  3. percebo perfeitamente...! Pode ser que dê para uma nota razoável :)

    ResponderExcluir
  4. às vezes é impossível perceber o que vai na cabeça dos professores...

    ResponderExcluir
  5. Já me aconteceu também, mas por sorte minha não valia assim tanto... é frustrante --'

    ResponderExcluir