terça-feira, 22 de maio de 2012

Abençoado seja o meu pai

É quando vejo a playlist dos adolescentes de hoje em dia que dou graças a Deus por ter nascido em 90. Hoje as miúdas adoram Justin Bieber e One Direction e ouvem músicas que deixam muito a desejar, sem conteúdo nenhum, só porque sim.  Vejo mesmo pelo meu irmão. Só ouve música daquelas que quase nem têm letra, só puntch puntch puntch. 

Ora, era eu criança e o meu rico paizinho fazia-me ouvir Queen. Nos nossos longos passeios de Domingo, ele punha as cassetes a tocar com músicas que ele ia gravando da rádio. E tudo coisas com "interesse". Não havia cá baby, baby, baby, ohhhhhhhh. Era música a sério. E por isso sou eternamente grata ao meu pai, que me fez apreciar boa música desde criança. E sou imensamente feliz por não ter nascido na geração em que basta ter uns olhos bonitos para se ser cantor e qualquer um com carinha laroca que não desafine muito pode ser considerado um ídolo da música.

6 comentários:

  1. O meu fez o mesmo comigo. Os primeiros concertos que fui foi sempre com o meu pai. Desde a super bock super rock, AC/DC e tantos outros.

    ResponderExcluir
  2. Como te compreendo. Queen, Michael JAckson, Deep Purple, Prince, e por aí fora.
    Agora o meu irmão só ouve música de discoteca e depois vem dizer que eu é que não sei o que é música boa.
    A juventude está perdida!

    ResponderExcluir
  3. Isso é tão verdade! Ainda bem que ainda há quem ouça música 'a sério'!

    ResponderExcluir
  4. o teu pai ia dar-se bem com o meu!

    ResponderExcluir
  5. na minha/nossa altura também havia música de gosto duvidoso, tipo excesso ;p e mesmo não tendo sido educada com um gosto musical refinado desde cedo estive ligada à música clássica e felizmente apurei o meu sentido musical :)

    ResponderExcluir
  6. Tão verdade! Não compreendo muitos dos gostos musicais dos adolescentes de hoje em dia...

    ResponderExcluir