segunda-feira, 16 de maio de 2011

Aprendemos, nem sempre da melhor forma ou momento ideal, que as pessoas nem sempre são como nós as vemos. Com o tempo vamo-nos  apercebendo que afinal há ali alguma coisa que não bate certo, um defeito insuportável, uma mania que nos irrita mesmo, umas opiniões muito dissonantes. Resta-nos viver com isso, se valer mesmo a pena, ou mandar tudo às hortigas. Ninguém é obrigado a ser amiguinho de ninguém. 

Irritam-me falsos moralistas, sonsos, falsos, pessoas que mudam de opinião e postura dependendo da pessoa que têm à frente. Não perco tempo com pessoas assim, já foi tempo disso. Agora vou a minha vida e não penso muito no assunto. Não sou mártir, não tenho paciência para dar mais do que o que recebo, não gosto de pessoas com tendências bipolares e não nasci para aturar gente assim. 

6 comentários:

  1. Ninguém é perfeito. E normalmente o que nos irrita nos outros são os nossos próprios defeitos :)

    ResponderExcluir
  2. Somos todos humanos, essa é que é essa, o que descreves que acaba acontecer com os outros, pode acontecer-te a ti, pessoas pensarem algo de ti e depois descobrirem que não és nada do que pensavam, todos temos um fato negro no nosso armário e essa é que é essa. Alguns defeitos conseguimos viver, outros nem tanto. Eu tento sempre ver o melhor das pessoas e trata-las da mesma maneira porque sabe-se lá porque acredito sempre numa pequena luz no fundo do túnel, mas o facto é que nem metade valia do valor que lhe dava.

    ResponderExcluir
  3. mesmo com o tempo, vamos aprendendo mas nunca é fácil...

    ResponderExcluir
  4. e quem fala assim não é gaga! há pessoas que não interessam nem ao menino jesus..

    ResponderExcluir
  5. Revi-me imenso neste texto porque cada vez mais descubro "novidades" sobre pessoas que me rodeiam. Se calhar elas também descobrem sobre mim mas... pronto.. revi-me.

    ResponderExcluir