sábado, 10 de dezembro de 2016

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Mais ou menos isto!


Às vezes acho uma certa piada a algumas questões que surgem durante as entrevistas de emprego. Claro que o recrutador faz as perguntas que considera importantes, mas ainda assim há coisas que uma pessoa fica sem saber o que responder. 

Claro que para fazer boa figura e tentar agradar ao recrutador, os entrevistados vão sempre dizer que querem trabalhar naquela empresa, por exemplo, por causa de um sem número de qualidades que a mesma tem, porque procuram novas oportunidades e aprendizagens, novos desafios, etc e tal. Mas a verdade é que a maior parte das pessoas que procura emprego fá-lo porque está desempregado e precisa de trabalhar. A ver se eu ia procurar emprego se dinheiro não fosse um problema! Ainda para mais com algumas ofertas que se vão vendo por aí, a única motivação para nos candidatarmos é mesmo porque precisamos do dinheiro! Não é porque queremos ajudar a fazer aquela empresa crescer nem porque adoramos o conceito da marca ou coisas bonitas que dizemos para ficar bem: queremos aquele emprego porque precisamos de comer, pagar contas, fazer família, criar filhos... É essa a mais pura das verdades, tirando raras exceções. 

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Vantagens do ginásio

Desde que me inscrevi no ginásio, pouca coisa mudou fisicamente e que seja visível, mas há imensas coisas que mudaram para melhor na minha vida. Os meus pais estão-me sempre a dizer "vais ao ginásio e continuas igual, não emagreceste nada!" (uns queridos!), mas eu noto muitas diferenças além do peso (que diminuiu sim, embora pouco).
Tirando a parte óbvia de estar a diminuir a percentagem de gordura corporal, de me sentir mais saudável, com menos preguiça, mais enérgica e mais "durinha" em certas partes do corpo, há muitas outras coisas que apontaria como vantagens do ginásio.

Em primeiro lugar eu nunca suava. Não que eu goste particularmente de me sentir suada, mas faz bem pôr estas coisas cá para fora. Antes, mesmo que fosse fazer uma espécie de corrida ao parque, não suava quase nada. Agora até sem fazer exercício intenso suo. Também comecei a beber muito mais água, não só por imposição própria mas porque sinto mais sede. Sinto que o meu metabolismo está a funcionar melhor. Já não sinto que vou morrer se tiver que subir escadas ou correr para o autocarro. Já sou mais capaz de reconhecer o meu corpo, os meus limites e superá-los. Os sintomas físicos pré e durante a menstruação estão tão atenuados que às vezes nem me lembro que estou com o período, é fantástico! Sinto-me com mais energia. E, claro, a nível mais pessoal, fazer exercício pode ser uma forma de melhorar a nossa autoestima e autoconfiança, o nosso valor próprio enquanto pessoas capazes de superação. Sem falar em todas aquelas endorfinas que se soltam após cada treino e que nos deixam com a sensação boa de dever cumprido.

Nesta fase da minha vida em que não tenho trabalho, ir ao ginásio é uma boa rotina para me manter ocupada, entretida e de bem com a vida, fora as questões da socialização. Eu penso que, quanto mais velhos ficamos, mais difícil se torna fazermos novas amizades e conhecer tanta gente nova e ir travando tantos conhecimentos pode ser bom também nesse aspeto.
Está a ser uma experiência muito positiva, ao contrário do que esperava quando me inscrevi. Estou a gostar muito de ir, de conhecer mais pessoas, de conseguir fazer sempre alguma coisa diferente. O ginásio estreitou a minha relação com uma pessoa que já conhecia mas agora considero uma amiga e que muito me tem feito bem nestes últimos tempos, só por isso já vale a pena. Fora os momentos de riso provocados por algumas personagens que lá andam :)

OMG! Cuteness overload

Adoro este penteado! Adoro adoro adoro. Acho tão bonito, tão mimoso. 
Que coisinha mais amorosa. 



quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

(quase) tudo pronto para o Natal

Estamos no início de Dezembro e eu já tenho as prendas de Natal todas compradas. Falta só embrulhar tudo, mas isso faço quando começar a aproximar-se mais da data da troca de prendas, senão há sempre alguém que vai apalpar os embrulhos debaixo da árvore e descobre o que vai receber antes do tempo :) Este foi o ano em que despachei este assunto mais cedo. Mesmo com a antecedência com que preparo tudo todos os anos, este ano superei-me. Também já há bacalhau e coisas assim mais típicas do Natal na despensa, à espera do dia para ser tudo cozinhado.

Em contrapartida, ainda nem tenho árvore de Natal! A que tínhamos partiu, a minha mãe deitou fora no ano passado quando estávamos a tirar as decorações e ainda não compramos mais nenhuma. Tirando um pequeno pai natal no meu quarto, ainda não há decorações nenhumas cá em casa. Este ano fizemos tudo ao contrário!

O lado cor de rosa das relações nas redes sociais

Tenho reparado que existe uma espécie de idolatração das famílias e, principalmente, dos relacionamentos amorosos, das pessoas na internet que me parece tão desfasada da realidade que até assusta um bocado.  É impossível não pensar nesta coisa de admirarmos algo que não conhecemos na realidade.
Claro que as pessoas só vão mostrar o lado bom das relações. Ninguém vai fazer um vídeo para colocar no mundo a dizer que o namorado/marido é uma besta e que se zangam todos os dias fora das câmaras. A mesma coisa serve para os blogs, para os posts do facebook ou do instagram. Algumas pessoas parece que não têm sentido crítico, parece que não conseguem pensar nas coisas para lá do que está à vista.

Obviamente que há muito boa gente com relações para lá de espetaculares! Eu, sinceramente, não tenho razão de queixa, da mesma forma que há casais que são "quase perfeitos" um para o outro, que funcionam mesmo bem, que são admirados pelos seus próximos por serem um bom exemplo de relacionamento saudável. Mas isso não se vê só nas coisas boas que são publicadas nem significa que não tenham os seus momentos maus. Deixar comentários a vídeos, posts ou fotos de um casal ou de uma família do tipo "quem me dera ser como vocês!", "vocês são perfeitos!", "queria um namorado assim", "relationships goals" quando só vemos a parte bonita das coisas parece-me muito redutor. Não quer dizer que não possamos admirar as pessoas por aquilo que elas nos mostram, a questão é pensar que, apesar de parecer tudo muito perfeito, há sempre um lado mais cinzento para tudo na vida. 

Sem falar de que tudo isto leva a expetativas completamente irrealistas da realidade de um relacionamento. Nenhum casal, por muito feliz e apaixonado que possa ser, vive sempre esse lado cor de rosa da relação. Toda a gente tem defeitos e há relacionamentos mais difíceis. Não podemos esperar que as pessoas na vida real sejam tal e qual como mostram na internet. Quase ninguém é assim! Nem é porque as pessoas não têm dinheiro para viajar, fazer escapadinhas aqui e ali, estar constantemente em dates fora de casa e em sítios caros que o casal vai ser menos feliz do que aqueles dos blogs e do youtube que o podem fazer. Aliás, é tudo muito lindo enquanto há dinheiro para essas aventuras todas, eu quero ver se o "amor" seria o mesmo sem aquele fogo de artificio todo. 

Vamos dar valor ao que temos! As relações são todas diferentes, cada casal tem a sua própria dinâmica e o que importa é as pessoas serem felizes. Se estamos à espera de viver em comparação com as coisas bonitas da internet, nunca vamos ser realmente felizes. Vai faltar sempre qualquer coisa. A pessoa que temos ao lado nunca vai ser suficiente porque não anda a encenar coisas românticas para um vídeo ou uma foto. A mim não me importam as relações dos outros porque sou feliz com a minha, sem tirar nem pôr. Posso achar que certo casal faz um par bonito, que parecem ser mesmo felizes e que se nota que existe ali muito amor e entendimento, mas nunca esqueço que há sempre alguma coisa ali que não é perfeita, tal como na minha relação. Somos todos pessoas normais, cometemos erros, dizemos coisas que não devíamos, nem sempre temos paciência e por vezes os dates são mesmo de pijama. Who cares? É tão melhor ter uma relação real, com falhas, com problemas, do que uma relação perfeita só para as redes sociais!

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Não percebo

Há diversas coisas que eu não consigo conceber, mas a que mais me deixa estupefacta é, em plenos dias que correm, ainda haver pessoas que cheiram mal e que não tomam banho. Falo de pessoas que têm boas casas, água canalizada e meios monetários para o fazer. Não entendo, a sério. Que é que custa passar um desodorizante (e não, não é só nos dias de calor que é necessário)? Quem é que consegue andar com as mesmas cuecas mais do que  um dia? Já nem digo um banho assim completo, mas ao menos lavar as partes íntimas, os pés, sei lá! Não suporto gente que cheira mal porque é porca ou preguiçosa. 

E depois mete-me ainda mais impressão em pessoas que até são cultas, estudadas, têm bons cargos, que têm que conviver com pessoas... Conheço um que é arquiteto, estudado e viajado, com muito dinheiro e sem maneiras nenhumas, quanto mais higiene. Não toma banho, está constantemente a "fungar para dentro" em vez de usar lenços e ainda - desculpem a expressão e a imagem - coça os tomates à frente das pessoas, por dentro das calças e ainda leva a mão ao nariz para cheirar. Juro que é verdade! A minha mãe conta que onde ela trabalha já por diversas vezes viu duas pessoas a usar as mesmas cuecas (dava para ver que eram as mesmas e não umas iguais, por causa de algumas marcas) durante três dias! 

Mais do que falta de zelo, é mesmo falta de amor próprio e uma preguiça tremenda. Hoje em dia nada disto se justifica. Todas as casas têm casas de banho devidamente equipadas para que as pessoas possam fazer a sua higiene diária sem qualquer constrangimento. Mesmo antigamente, quando muitas casas não tinham banheiras/chuveiros ou água quente, as pessoas aqueciam água e lavavam-se em bacias. Não há justificação para não tomar banho ou para não lavar, pelo menos, as partes íntimas. E depois ainda há aqueles que dizem que não devemos lavar-nos todos os dias porque precisamos de bactérias, que rompe a pele e que há estudos e mimimi. Sim sim, eu quero lá saber disso! Está bem que limpeza excessiva pode ser prejudicial em algumas coisas, mas não me parece que tomar banho diariamente e mudar de cuecas todos os dias seja excessivo ou me vá matar! E antes morrer limpa do que andar toda suja ou a cheirar mal. Deus me livre.

It's beginning to look a lot like christmas: Outfits para o dia de Natal

Eu faço parte do grupo de pessoas que gostam sempre de ter uma roupinha nova para usar no Natal. Não precisa de ser o outfit completo, mas ao menos uma camisola ou um vestido novo, gosto de usar. Fui habituada desde pequena a ter sempre roupas novas nos dias de festa e gosto de manter a tradição. Eu sei que para muita gente é parolo e desnecessário e bla bla bla, mas eu gosto, por isso tento sempre ter alguma peça para estrear. Este ano não penso comprar nada porque já tenho um vestido e uma camisola que ainda não usei, que comprei em Setembro. Não são nos tons natalícios como eu gosto, mas não estou para gastar mais dinheiro nisso porque neste momento não posso nem é prioridade. Ainda assim, gosto muito de ver as ideias dos outros, por isso vi no Pinterest alguns looks de que gostei para deixar a sugestão. 

Como a maior parte das pessoas acaba mesmo por passar o dia em casa, penso que não se justifica estar a fazer combinações muito sofisticadas ou elaboradas. Eu penso sempre em algo mais confortável, deste género:


E vamos falar deste cachecóis! Eu sei que já toda a gente tem e mimimi mas eu não tenho nenhum e adoro-os. São mesmo bonitos e nestes tons são ideais para esta altura dos verdes, castanhos e vermelhos. Gostava de comprar um ainda este ano, mas não sei. Também nunca encontro nada ao meu gosto e que não me leve o orçamento de um outfit completo :p 

Para quem tem aquelas festas de Natal ou precisa e gosta de um ar mais fancy, de uma coisa mais compostinha, também gostei muito destes: 


Vocês costumam comprar roupa especial para as ocasiões festivais? Já escolheram o outfit de natal? Contem lá :)


segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

There is no such thing as too many books | A criança que não queria falar by Torey Hayden


Foi o primeiro livro que li da Torey Hayden e o que me fez apaixonar pelo trabalho dela. Tem uma escrita tão simples mas tão absorvente que é impossível começar a ler e não ter vontade de só largar quando acaba. 

O livro conta a história verídica de Sheila, uma criança de seis anos com graves problemas de violência, insociabilidade e que se recusava a falar, na sua relação com Torey, uma professora que se dedica a crianças com dificuldades mentais e emocionais. 

O que eu mais gosto destes livros é mesmo o facto de serem histórias verídicas do trabalho desenvolvido pela autora. Parece um estudo de caso, mas com pormenores muito íntimos e pessoais da experiência relatada por ela e focado também nas dificuldades que encontra no seu trabalho. É impossível não ficar com um nó na garganta ao pensar nestas crianças que lhe vão parar às mãos; dá vontade de as resgatar daquelas vidas, pegar nelas ao colo, fazê-las felizes. 

Gostei muito deste livro, já li há uns aninhos mas continua a ser um dos meus preferidos. Recomendo muito!

Azares

Ontem saímos de casa cedo para irmos fazer compras de Natal. Estava tudo a correr bem, consegui comprar as calças que já queria há imenso tempo e ainda andamos a espreitar lojas. Estamos a vir embora e o carro começa "aos soluços". Não havia nenhuma luz a acender ou nada de alarmante, não havia fumo nem barulhos estranhos, só mesmo esse soluçar. Mais uma vez, estragou-se a junta da colaça. Já é a quarta, para o mesmo carro. Ao menos conseguimos chegar a casa sem problemas de maior, não foi preciso chamar reboque nem nada. Mas é isto: esta porcaria estraga-se sempre em alturas de férias ou festas. Lá se vão umas centenas de euros só para o carro. 

As pessoas, principalmente as mais novinhas, fazem 18 anos e querem logo tirar a carta. Que ter carta é que é... Mas ter carta e andar de carro tem destas coisas. É seguros, é acidentes, é peças para trocar, coisas que deixam de funcionar assim do nada, nos momentos menos oportunos. Um dinheirão só nestas brincadeiras. 

domingo, 4 de dezembro de 2016

Prendas de Natal para elas ficarem ainda mais cheirosas :)

Ser mulher pode ter muitos inconvenientes, mas se há coisa fácil na nossa vida é sermos presenteadas. Eu, pelo menos, sou super fácil de agradar e acho que é muito mais fácil escolher prendas para mulheres. E porquê? Porque o mundo do consumo é quase 99.99999% voltado para as mulheres e porque qualquer coisinha nos deixa felizes. Acho que só erramos na prenda para uma mulher se não a conhecermos minimamente!

Posto isto, seguem sugestões da  Well's para as mulheres que existem na vossa vida, que é para ainda ter descontos e acumular no cartão continente (ou usar aquele saldo do cartão que guardamos de propósito para estas ocasiões ou sou só eu que faço isso?). Mãe, irmã, prima, amiga, melhor amiga, sogra, cunhada, sobrinha, eu sei lá!, há sempre uma mulher para quem temos que escolher uma prendinha e não há mulher que não goste (pelo menos eu não conheço!) de coisas cheirosas, mimosas, a que possam dar uso e ainda giras, por isso não há como errar com coffrets, sejam eles de banho ou de beleza. Olhem só estas fofuras! 




Ainda por cima com promoção de leva 3, paga 2! Eu adorei estas. Gostava muito de ter esta gaiolinha! Recebo sempre alguma coisinha destas no Natal e gosto muito e eu nem sou nada dada a cremes e essas coisas, mas produtos de banho gosto muito. 


Gostaram das sugestões? Digam lá que não gostariam de receber umas coisinhas destas bem giras e cheirosas este Natal? Costumam oferecer algo dentro desta linha às mulheres na vossa vida?

sábado, 3 de dezembro de 2016

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Messy bun

Confesso que este ainda não consegui dominar. Talvez seja por ter o cabelo demasiado comprido. A parte do bun, que deveria ficar assim mais gordinha, fica muito comprida e caída. Vou continuar a tentar porque acho este penteado mesmo giro. Gosto muito do efeito effortless deste tipo de penteado porque tanto dá para um conjunto mais formal como para algo mais corriqueiro. É uma questão de tentarem, se têm cabelos mais curtos, porque é tão simples.


Bom dia!

Ainda não são 9h30, ainda há muita gente que nem saiu de casa para trabalhar e eu já tenho a casa toda arrumada e daqui a nada vou ao ginásio.

É uma chatice acordar sempre cedo, ter um padrão de sono que não nos deixa dormir até meio da manhã, mas por outro lado tem destas coisas boas. Esta produtividade matinal só se consegue quando se acorda cedo e se começa logo a fazer coisas. Quando acordei ainda eram 7h, deixei-me ficar na cama até às 8h a ler. Depois que todos saíram de casa para os seus trabalhos, lá fui eu fazer faxina. É verdade que a casa também se limpa num instante, que nisto de estar em casa o dia todo a pessoa vai fazendo isto e aquilo, organizando, dando um jeitinho... Depois no fim da semana é mais aspirar e limpar o pó, por isso é mais rápido. Ainda assim, é bom ter logo tudo despachado ainda a manhã nem vai a meio. Quando chegar do ginásio vou passar a ferro e fazer o almoço e depois tenho o resto do dia livre para as minhas coisas. Adoro esta sensação de ter tudo feito e ainda ter tempo para mim!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Sugerindo... #8

O instagram é a minha rede social favorita e é por lá que passo imenso tempo. Gosto de estar sempre a par das novidades e de encontrar novas contas giras e inspiradoras. Nos últimos dias descobri as contas mais giras com o tema livros/leituras. Ora espreitem lá:










Não são lindas e inspiradoras? Tenho adorado cada publicação, cada uma mais bonitinha que a outra. 

Sweet December


Chegamos ao capítulo final deste ano! 

Pensar que já estamos em Dezembro traz-me um misto de sensaçãoes. Por um lado, parece que passou tão rapidamente, que ainda ontem era Verão, que ainda faltava tanto para o Natal e agora já está quase. Por outro lado, este ano parece que não acaba! Estou cansada de 2016. Está a ser um ano um bocadinho complicado, cheio de provações, de stresses, de frustrações. Apesar de tudo, estou contente por chegar a Dezembro com esta paz e aceitação das coisas tal como são. Dezembro é sempre um mês emotivo, de dar graças, de retrospetiva e de planos vários para o futuro, por isso enche-se sempre de esperança e de fé para tudo o que ainda está para vir. Que seja um mês de alegrias.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

There is no such thing as too many books | Jane Eyre by Charlotte Bronte

Mais um livro da coleção de grandes clássicos em que mais apostei este ano. Mais uma vez, fiquei rendida a esta história.

Segundo a sinopse da Wook: Jane Eyre, órfã de pai e mãe, recebe uma educação severa, primeiro na casa da tia Reed, que detesta, e depois na escola Lowood. Esta infância solitária e infeliz fortalece-lhe o espírito e a independência, que serão postos à prova quando Jane se torna precetora da jovem Adèle em Thornfield Hall. É aí que Jane e o Sr. Edward Rochester se apaixonam. No entanto, um segredo terrível separa-os, obrigando Jane a fazer uma escolha…

Eu gostei mesmo muito deste livro. É muito fácil de ler e, apesar de ser um livro grandito, o tipo  e tamanho de letra desta edição acaba por favorecer ainda mais a leitura. Achei que havia partes um bocadinho desnecessárias ao decorrer da história e acredito que algumas passagens poderiam ser retiradas sem que a história em si saísse prejudicada, tendo apenas tornado a leitura mais longa. Ainda assim, essas passagens acabam por ajudar a aprofundar a história de vida da personagem principal, por isso compreende-se a sua existência. De um modo geral, é uma leitura que prende desde as primeiras páginas e que vale muito a pena. Gostei muito desta Jane, principalmente por não ser a típica heroína dos romances deste género.  Recomendo muito!



Escolhas

Não me posso queixar muito porque neste final do ano tive bastante tempo para descansar e fazer as coisas que gosto (infelizmente por maus motivos, mas sabe bem na mesma). Ainda assim, o tempo é tão pouco para tudo o que quero fazer. Se leio mais, deixo de ter tanto tempo para séries. Se vejo mais séries, deixo de ter tanto tempo para filmes ou para ler. Invariavelmente, há que fazer escolhas. Se houve anos em que li pouco, eram esses anos em que mais filmes via. Este ano dediquei-me muito mais às séries e às leituras, acabei por ver menos de metade dos filmes que vi no ano passado. 

Fico com pena de não poder ter tempo para tudo. Ou melhor, eu até teria tempo mas não me poderia dedicar com tanta atenção às coisas. Podia perfeitamente ver um filme por dia, ler umas quantas páginas do meu livro e ainda ver um ou dois episódios de uma série, mas eu gosto mesmo é de binge watch séries como se não houvesse amanhã, de começar a ver e só acabar quando acabar a temporada. E há outras coisas na vida: eu gosto de ler blogs, de descobrir blogs novos, de alimentar o meu, de ir ao ginásio... fora todas as outras coisas que têm que ser feitas diariamente, mais as tarefas de casa. O dia nunca é grande o suficiente, até porque vou dormir com as galinhas. Que pena não  me poder dedicar igualmente a todas as áreas e hobbies da minha vida!

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Agendas 2017

Todos os anos gosto de comprar uma agenda. Eu sei que há imensas apps e coisas que tais para podermos ter a nova vida bem planeadinha, mas eu gosto mesmo é do papel. Gosto de apontar as coisas à mão, folhear as páginas e ver os meus dias cheios, as coisas que tenho para fazer todas ali em perspetiva. E, claro, gosto de agendas bonitas. Uma agenda sem graça, com capa escura, deixa-me logo mil vezes menos entusiasmada com as coisas que lá tenho dentro. 

Tenho comprado as minhas agendas no Continente porque gosto muito da relação preço-qualidade das agendas Note.it e têm sempre capas duras e com cores giras, mas ando sempre atenta a novas sugestões e a coisinhas giras como estas:




As incontornáveis agendas Mr. Wonderful já são um sucesso há imenso tempo, bem como as coisinhas amorosas Kate Spade e Lily Pulitzer. Mas as que eu gosto mesmo mesmo são as agendas Girly Things, totalmente personalizáveis e com imensas coisas giras dentro, desde frases inspiradoras a desenhos para colorir. Adoro!

Este ano nem sei se hei de comprar agenda ou não. Não tenho trabalho, logo não tenho compromissos que precisem de ser apontados com tanto rigor. A ver vamos como as coisas correm até ao fim do ano. 

De qual gostaram mais? Que tipo de agendas compram? São mais práticas ou mais ligadas a estas coisas girly?

Too expressive

Acho que o maior problema em sermos demasiado emotivos  e expressivos é a nossa reação à reação menos emotiva e expressiva dos outros. Não é achar que toda a gente deveria ser igual, que toda a gente tem que reagir da mesma forma às coisas, mas custa-me sempre quando vejo que do outro lado não há a expressão "do que vai dentro" de forma espontânea, aberta, sem censura. 

Mesmo compreendendo e aceitando esta diferença, custa-me sempre um bocadinho a interação com pessoas assim em situações mais específicas. Numa coisa tão simples como uma troca de prendas, eu sou aquela que diz mil vezes que gostou e que é muito bonito, reajo com entusiasmo, mostro apreciação, verbalizo o que penso sobre as coisas e a minha expressão não verbal é muito evidente e condizente com o estado de espírito da altura. E depois tenho estas pessoas a receber os meus presentes e a ficar da mesma maneira como se não lhes tivesse dado nada, impassíveis, sem reação maior que a boa educação óbvia de receber o presente e agradecer, por muito que tenham adorado. Como é uma reação tão diferente da minha, fico sempre a pensar que não gostaram da prenda, que não apreciaram o gesto, que exagerei nas coisas, sei lá. É dificil. Agora experimentem serem como eu e quererem ter daquelas conversas sérias e dramáticas sobre os demais assuntos com uma pessoa pouco expressiva. É um sofrimento, Eu a querer que a conversa desenvolva, que se falem de sentimentos, que haja ali toda uma catarse e do outro lado o pânico de ter que sequer conversar sobre essas coisas. Não é fácil!

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

It's beginning to look a lot like christmas: decorações para a árvore

Todos os anos fico triste porque não fiz nenhuma decoração bonita para a árvore de Natal porque todos os anos pesquiso e penso em coisas para fazer mas nunca chego a vias de facto. Penso que já não será desta, mas ainda assim deixo estas ideias bonitas para quem tiver mais força de vontade do que eu. 

1. aqui, 2. aqui, 3. aqui, 4. aqui, 5. aqui, 6. aqui, 7. aqui e 8. aqui

As minhas preferidas são as bolas personalizadas porque dá para fazer imensas coisas com elas. Dá para pôr fotos, personalizar com nomes ou pôr datas especiais (por exemplo, primeiro Natal que o casal passa junto, primeiro Natal do filho, primeiro Natal na nova casa...), dá para fazer tipo globo de neve, para rechear com doces... Neste momento já não chegarão a tempo, mas podem ser compradas no ebay, com diversos tamanhos. De qualquer forma, penso que podem comprar na mesma em qualquer loja de utilidades ou até mesmo de chineses. Também achei muito querida a ideia dos bonecos de neve com velas Led. Penso que na Primark costuma ter este tipo de velas, depois é só desenhar os olhos e a boca e colar os lacinhos. Perfeito!

Mais do que decorações para a nossa própria casa, penso que são um boa prenda para oferecer às pessoas mais próximas ou àquelas pessoas a quem só damos "uma lembrancinha". Eu, pelo menos, ia ficar contente de receber uma bola de Natal personalizada :)

Crescer tem destas coisas

Quando eu andava no 2º e 3º ciclos, havia umas quantas raparigas que eram super giras e jeitosas, que eram populares e tinham a mania que eram melhores do que as outras. Andavam lá na escola como se fossem rainhas, tinham os rapazes todos atrás delas e achavam que só por isso já eram super fixes e crescidas. Metiam-me um certo nojinho por acharem que só por serem bonitas e se terem desenvolvido mais cedo que as outras, eram as maiores. Namoravam sempre com os rapazes mais giros (e mais velhos) e nem os rapazes "normais" deixavam para as outras, porque todos os rapazes gostavam delas e não olhavam para as mais "normais". E pronto, assim foi seguindo a vida. Acho que toda a gente já passou pelo mesmo porque há sempre destas personagens em todas as escolas. 

Dá-me um gostinho daqueles maldosos, confesso, quando vejo essas boazonas nos dias que correm. É que quase todas estão velhas, gordas e acabadas. A sério, até parece impossível mas é verdade. 90% das boazonas da minha escola estão feias e gordas. Algumas já casaram e tiveram filhos, deixaram-se desleixar, parecem muito mais velhas do que são. Já não usam roupa da moda nem de marca, a vida faz mossa a todos. 

E é por isto que eu gostava de voltar atrás e dizer a todas as minhas amigas normais que não vale a pena alimentar aquelas guerrinhas e odiozinhos vários com essas boazonas porque o tempo se há de encarregar de lhes ensinar uma liçãozinha sobre humildade. E que as miúdas que são efetivamente só miúdas no tempo em que é suposto o serem, vão tornar-se umas mulherzinhas mais bonitas e interessantes do que essas que cresceram rápido demais. Normalmente são os "patinhos feios" que se tornam em pequenos cisnes, pelo menos é assim que tem acontecido com as pessoas que eu conheço. E é muito melhor passar de pato a cisne do que o contrário!

domingo, 27 de novembro de 2016

Prendas de Natal para o namorado: tecnologias/informática

Não querendo generalizar mas já o fazendo, penso que quase todos os namorados se interessam pela área das tecnologias e informática no geral. Sejam eles gamers ou só entusiastas destas novidades, nunca se erra com uma prenda nesta área de interesse. Fiz uma seleção com algumas sugestões nestas área. Claro que depende tudo do quanto pretendem gastar e, claro, dos gostos pessoais dos vossos moços, mas penso que não erram se escolherem algo deste género:


Ao menos estas coisas fogem ao típico relógio, perfume ou roupa. 
Vocês o que vão dar aos vossos rapazes este ano?

Inconstância

Tenho muitos gostos, hobbies e interesses diferentes entre si. Na verdade, acho que sou feita de dicotomias mesmo. Na minha cabeça existem ideias e sentimentos contraditórios e maneiras de ver as coisas que acabam por ir de um extremo ao outro. É um bocadinho conforme os dias. Não sou uma pessoa instável, apenas tenho demasiados interesses diferentes e é por isso que este blog é uma salgalhada. Tanto falo da minha vida privada como de coisas assim mais gerais, de cabelo, de maquilhagens, de diy's, etc, tudo junto e misturado. Eu sou mesmo assim. Não estejam à espera de constância por aqui, de encontrar sempre um certo tipo de posts. Todos os dias me apetecem coisas diferentes. Tanto podem aparecer posts com opiniões, reclamações, de queixinhas várias como posts fofinhos de amor e inspirações, coisas mesmo de menininhas e outras coisas mais práticas do dia a dia, sei lá. Eu sou assim. Tenho um lado queridinho e fofo e outro mesmo bitchy e mauzinho. Acho que já deu para entender. Sendo este blog alimentado diariamente por mim, claro que vai existir esta dualidade de posts, esta incerteza quanto ao estado de espírito. Gostaria muito de ser daquelas pessoas muito certinhas e cheias de certezas, com gostos bem definidos e que escrevem sempre coisas dentro da mesma linha de pensamento, mas eu não sou assim. Por isso, já sabem que este blog continuará nesta (quase) bipolaridade. 

Feito este disclaimer, a programação seguirá como até agora :)

sábado, 26 de novembro de 2016