quarta-feira, 16 de agosto de 2017

20 factos sobre mim


  1. Sinto-me "um peixe fora de água" em locais muito chiques ou cheios de etiquetas. Gosto de coisas simples, de comidas simples, de não ter que me preocupar com parecer bem.
  2. Adoro conversar! Sou uma fala barato, gosto mesmo de uma boa conversa.
  3. Um dos sonhos da minha vida é ter uma casinha com jardim, no meio do nada, onde os meus 3 filhos possam correr e brincar sem preocupações e onde eu possa ter um cantinho para plantar flores.
  4. Adoro flores! Adoro qualquer flor, das mais "uau" às mais simples, mesmo do campo. Tenho um verdadeiro fascínio por flores e adoraria ter o meu próprio jardim. Foi a única característica que me "calhou" da minha avó paterna.
  5. Sei que muitas vezes transmito uma ideia errada de mim, que faço parecer que sou fria, uma bruta, mas na verdade sou um coração mole. Conheço poucas pessoas tão amorosas quanto eu, digo-o sem falsas modéstias. Sou boa pessoa, faço tudo pelos outros, sou uma lamechas, mas também tenho um feitiozinho fodido, não me calo, não me deixo rebaixar e digo tudo o que tiver a dizer, daí as pessoas acharem que sou agressiva. 
  6. Sou fácil de agradar porque me encanto com tudo, mas difícil de surpreender porque antecipo sempre as jogadas dos outros.
  7. Sou muito boa a ler pessoas. São pouquíssimas as vezes em que alguém me vem falar de fulano e eu não estivesse já à espera daquilo. Quando não vou com a cara de alguém, dificilmente me engano. Não estou a exercer Psicologia mas estou sempre a analisar toda a gente :p
  8. Às vezes deixa de ter piada ler um livro ou ver um filme porque consigo descobrir o final logo nas primeiras páginas/minutos. É raro um final realmente me surpreender, que eu não tenha já pensado que aquilo poderia acontecer. Daí adorar quando consigo verdadeiramente ser surpreendida com o desfecho de uma história.
  9. Sou 20/30 anos mais nova do que todos os meus colegas de trabalho. Nunca ninguém tão novo quanto eu tinha trabalhado na empresa e isso é sempre motivo de piadas internas. 
  10. Faço 25 anos em Outubro mas facilmente passo por uma miúda de 16/18 e às vezes as pessoas acham que estou a mentir quando digo a minha idade.
  11. Nunca fui aquela criança princesinha que veste aquelas roupinhas rosa e fica imaculada de manhã à noite, como uma boneca. Pelo contrário, sempre fui muito "mãos à obra" por isso andei sempre descabelada, de pés pretos e dedos com topadas de andar descalça, joelhos em sangue e pele queimada do sol.  Mas a minha mãe orgulha-se sempre de que fui uma criança muito limpinha, "podia-se-lhe dar um chupa ou um rebuçado que não se sujava, nem um bocadinho de baba!". As coisas de que as mães se orgulham :)
  12. Nunca gostei particularmente de dormir e sempre tive muitas dificuldades em dormir a noite toda. Em pequena chorava imenso e depois tive aquela fase do medo do escuro e de dormir sozinha. Continuo a achar que dormir é um desperdício de tempo. Adormeço muito facilmente, mas só à noite quando vou para a cama; não durmo em qualquer lado a qualquer hora! Tenho sérias dificuldades em dormir a noite toda sem interrupções e acordo sempre com as galinhas.
  13. Tento não ligar muito a isso mas às vezes sou supersticiosa e tenho que voltar atrás e fazer o que ia fazer, antes de sair. Por exemplo, o meu irmão ainda há dias começou a chatear-me para lhe dar um beijo antes de sair e eu disse que não para o chatear. Fechei a porta mas voltei atrás porque pus-me a pensar que não sabia se me podia acontecer alguma coisa (ou a ele) e depois ia ficar com o peso na consciência de que não lhe dei um último beijo. Pancas, eu sei.
  14. Não tenho uma melhor amiga. Tive até ao 7º ano, depois ela mudou de escola e nunca mais consegui ter uma amizade como aquela. Tenho amigas que adoro, tenho uma ou outra mais próxima ainda, mas não considero que seja "a" melhor amiga e tenho pena disso. Gostava de ter uma amiga daquelas a quem se confidencia absolutamente tudo, mas não sou desse tipo sequer.
  15. Fiz uma tatuagem quando acabei o curso e não penso fazer mais nenhuma, nunca mais.
  16. Sou feminista e sempre o fui, mesmo antes de saber o que isso é.
  17. Só gosto de ouvir músicas cujas letras eu conheça porque adoro cantar enquanto ouço, embora não cante particularmente bem :)
  18. Fui a primeira (e única, para já) pessoa da minha família a ingressar (e concluir o curso, posteriormente) no ensino superior. A maior parte dos meus primos nem sequer tem o ensino secundário completo (and that's ok). Depois acham que eu sou muito importante porque estudei mais do que eles. #sqn
  19. Adoro o instagram! Não ligo tanto ao facebook mas gosto de ir cuscar as novidades dos outros.
  20. Sou extremamente ansiosa e preocupada com tudo e com nada, com a vida no geral.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

There is no such thing as too many books| O monte dos vendavais by Emily Bronte


Mais um da minha coleção de clássicos (e há que tempos que não compro nenhum para aumentá-la!). É daqueles livros que sempre ouvi falar e sempre pensei "um dia leio". Este ano chegou a vez dele, acredito que muito por causa de fazer parte desta coleção.

Ora então vamos à sinopse: "O Monte dos Vendavais é uma das grandes obras-primas da literatura inglesa. Único romance escrito por Emily Brontë, é a narrativa poderosa e tragicamente bela da paixão de Heathcliff e Catherine Earnshaw, de um amor tempestuoso e quase demoníaco que acabará por afectar as vidas de todos aqueles que os rodeiam como uma maldição. Adoptado em criança pelo patriarca da família Earnshaw, o senhor do Monte dos Vendavais, Heathcliff é ostracizado por Hindley, o filho legítimo, e levado a acreditar que Catherine, a irmã dele, não corresponde à intensidade dos seus sentimentos. Abandona assim o Monte dos Vendavais para regressar anos mais tarde disposto a levar a cabo a mais tenebrosa vingança. Magistral na construção da trama narrativa, na singularidade e força das personagens, na grandeza poética da sua visão, nodoso e agreste como a raiz da urze que cobre as charnecas de Yorkshire, O Monte dos Vendavais reveste-se da intemporalidade inerente à grande literatura."

Gostei muito de ler este livro, embora a sensação que tive, de início a fim, foi sempre de mal-estar, de desconforto. Não há cá uma bela história de amor, tudo cor de rosa e bonitinho. Esqueçam isso. É uma história de amor mais cruel, cheia de raiva, desejo de vingança, mesquinhez e negativismos. Senti-me sempre desconfortável ao ler esta história, de tão bem escrita que acredito estar. As personagens são intensas, cheias de emoção, pessoas reais com muitas coisas más e outras boas lá misturadas. Acho que caracteriza muito bem a natureza humana e de muitas relações doentias.
Recomendo muito a leitura, mas desenganem-se se pensam que vão ler o livro de forma prazerosa. É, como disse, um livro difícil por ser tão cheio de coisas negativas e nada o típico romance em que tudo acaba bem "e viveram felizes para sempre". Vale a pena ler. 

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Uma onda de amor

Sinto-me sempre bastante acarinhada e amada pelas pessoas que tenho na minha vida, mas mentiria se dissesse que são pessoas para andar sempre atrás de mim com declarações de amor e apreciação. Eu sou um pouco assim, na verdade, mas poucas são as pessoas que me rodeiam que têm essa mesma vontade de deitar tudo cá para fora. Não me queixo, pois apesar de não o dizerem, são pessoas que o demonstram nas mais diversas formas. 

É mesmo aí onde eu quero chegar. Para nos sentirmos amados e apreciados não precisamos que nos digam constantemente quanto nos amam, nos admiram ou nos apreciam. Palavras são boas, mas atitudes são melhores. São essas pequenas coisas que se têm revelado importantes. Toda a gente pode dizer o que quiser, mas é como diz o ditado, "palavras leva-as o vento". Embora goste de palavras, gosto ainda mais de atitudes e de comportamentos que me indicam que as pessoas que amo me amam de volta. Nesta fase da minha vida, em que tenho focado as minhas energias cada vez mais em quem me faz bem e em manter na minha vida só as pessoas que eu gosto e que gostam de mim, tenho sentido um amor tão grande à minha volta que nem sei se serei merecedora de tanto.
Ultimamente já várias pessoas me surpreenderam pela positiva e são gestos que aquecem muito o coração. 

Costuma-se dizer que é nos momentos maus que vemos os nossos verdadeiros amigos, mas eu cá acho que é também nos momentos felizes que vemos quem realmente gosta de nós. Estar lá (ou dizer estar) quando estamos mal é muito fácil pois toda a gente gosta de se sentir útil, gostamos de mostrar solidariedade e o mal dos outros, mesmo que inconscientemente, reforça o nosso bem. É ele que está mal, não sou eu. Ficar genuinamente feliz pela felicidade dos nossos amigos já exige um nível de amizade de outra magnitude. A felicidade dos outros incomoda muita gente. O sucesso dos outros, a felicidade, a realização, as coisas boas que acontecem aos outros relembram-nos que estão a chegar aos nossos pés ou até estão melhores do que nós e só quando se ama verdadeiramente alguém é que isso não se torna ameaçador. Para mim, essa é a essência de uma amizade verdadeira: não há ciúmes, não há competição para ver quem tem mais ou melhor, não há invejas, mas sim uma alegria genuína por saber que os nossos amigos estão bem, estão felizes. 

Fico ainda mais feliz por saber que a minha felicidade é motivo de felicidade também para os outros. Que toda a gente torce por mim, que me querem bem, que me querem ajudar no que puderem. Sou muito agradecida pelas minhas conquistas e ainda mais pelas pessoas com quem as partilho. Sem falsas modéstias, esforço-me para ser sempre a amiga que gostaria de ter, por isso acho que mereço retribuição, embora não esperasse tanto amor em troca do que faço porque quero, porque gosto e porque é assim que sou. 

sábado, 12 de agosto de 2017

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Férias!



Estou de férias uns dias, volto ao trabalho no dia 17. Aproveitei o fim de semana e o feriado e escolhi uns dias para ficar com um super fim de semana. Para a semana, trabalho dois dias, tenho o fim de semana, trabalho depois mais 3 dias e depois sim, umas férias mais longas me esperam.
Infelizmente não há grandes planos. O meu namorado não terá férias, os meus amigos estão todos ocupados e fico só com a minha mãe em casa, mas pronto, sempre é melhor do que não ter dias nenhuns para descansar. Não vou fazer grande coisa, mas pode ser que haja um dia ou outro mais ocupado. Tenho que pensar em formas de me ocupar e sentir que estou de férias porque ficar em casa faz-me lembrar os dias de trabalho! :) 

Bom fim de semana!

Cabelo | simple bun



Simples mais simples não há. Love it!


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Piloto automático

Não sei o que se passa na minha vida, se é mesmo assim que acontece com toda a gente, mas sinto que estou um pouco como que em piloto automático. Estou muito feliz, sinto-me bem comigo e com os outros, estou realizada e a dar grandes passos para alcançar os meus objetivos, por isso não acredito que esta sensação de estar a fazer as coisas sempre iguais seja fruto de alguma desmotivação ou impasse na minha vida. Está tudo bem, tudo ótimo, mas começo e acabo os meus dias sempre da mesma maneira.
Se por um lado é muito bom ter rotinas, por outro sinto que falta aqui qualquer coisa. Os meus dias são sempre iguais: acordar, tomar o pequeno-almoço em frente ao computador, trabalhar, almoçar, trabalhar, jantar, ir a casa dele/ele vir à minha e assim passa a semana. Há séries e livros pelo meio, arrumações, pequenas distrações momentâneas mas nada mais que isso. Fins de semana iguais: sábado ir às compras com os pais, tarde em casa dele ou ele na minha, domingo ir à minha avó, tarde na casa dele ou na minha. Tenho a sensação que os meus dias se arrastam sempre da mesma forma e só agora estou a dar conta disso.

Acho que às vezes precisamos mesmo de parar para pensar na nossa vida, no que andamos a fazer, no que precisamos de melhorar, no que queremos fazer diferente. Preciso urgentemente de fazer coisas diferentes, de sair mais, de ter outras ocupações. Ando em piloto automático há demasiado tempo!

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Vícios

Tosta de queijo com salsichas. Com o queijo bem fundido, quentinho, a escorrer. Calórico e nada saudável, mas God, como é delicioso! Adoro.